Início Ensaios “Um utiliário com pinta” – SEAT Ibiza 1.0 TSI 110 DSG FR

“Um utiliário com pinta” – SEAT Ibiza 1.0 TSI 110 DSG FR

“Um utiliário com pinta”  – SEAT Ibiza 1.0 TSI 110 DSG FR
0
0

“Cool kid”

 

Voltar ao SEAT Ibiza é sempre agradável, e embora o modelo esteja mais crescido do que nunca, o sentimento é de nos sentirmos mais jovens, pelo menos isso acontece comigo. Já testámos o Ibiza após de ter sido renovado, na altura com o mesmo motor a gasolina de 110cv, mas com transmissão manual.

Agora, o nível FR confere-lhe um aspeto mais dinâmico, num conjunto bastante apetecível.

Ibiza é SEAT.

O Ibiza é um dos modelos de segmento B mais conhecidos. Nesta versão FR conta com para-choques específicos, assim como jantes exclusivas, como é o caso destas de 18’’ polegadas, disponíveis em opção. A cor Vermelho Desire explora melhor as linhas do pequeno modelo espanhol, com as diferenças do “restyling” a surgirem sobretudo na grelha dianteira, assim como nas letras mais “artísticas” no portão da bagageira.

O interior foi também revisto, com melhores materiais, ainda que não seja o suficiente para o colocar no topo do segmento, com alguns ainda muito rijos e um bater de porta que podia ser melhorado. Contudo, a sua utilização é fácil, graças a uma boa organização e ergonomia dos comandos, assim como uma posição de condução correta. O painel de instrumentos digital está disponível como opcional, um “must-have” de forma a aumentar a sensação de tecnologia a bordo. Com 10,25’’ polegadas é passível de ser personalizado ao gosto do condutor, assumindo uma boa leitura e informação.



O ecrã do sistema multimédia, agora numa posição mais elevada, também é de fácil funcionamento e foi igualmente renovado. Conta com possibilidade de contar com Apple CarPlay e Android Auto sem fios, que conta como ponto extra se contarmos com carregamento por indução… também disponível como opcional.

O que a SEAT fez muito bem foi em não “esconder” os comandos da climatização, que continuam a ser físicos, como gostamos. Melhor acesso, menos complicação, igual a condutor e passageiros mais felizes.

Atrás, espaço para três, mas ideal para dois. É um segmento B, lembram-se? Não existe apoio de braço, mas contamos com uma ficha USB-C. A bagageira continua a ser uma das maiores do seu segmento, com 355l de capacidade, e que pode contar ainda com um pneu suplente de 18’’ ou de dimensões reduzidas. Qualquer uma delas é melhor do que ficar à espera do reboque…

A diversão da condução está garantida por um chassis que assume uma boa agilidade.
Atenção, este não é o modelo mais divertido ou eficaz do seu segmento, mas podemos colocá-lo nos lugares cimeiros.

O bloco 1.0 TSI com 110cv chega perfeitamente para “animar” este utilitário, com uma boa junção entre performances capazes e um consumo reduzido. A transmissão DSG, de sete velocidades, consegue manter as rotações mais baixas (sem trepidações), e ainda garante um modo “roda livre” para que o consumo seja inferior. Não que seja jovem de novo e ande sempre na reserva para todo o lado, mas a verdade é que o combustível já esteve mais barato, sejamos jovens ou mais adultos…



Voltando às curvas, a agilidade está bem patente na leveza que sentimos ao conduzir este SEAT. A dianteira insere bem nas curvas, com a traseira a seguir bem o rumo, com um bom feedback entregue ao condutor. Não é um desportivo, mas é um automóvel que (ainda) se preocupa com a tarefa da condução. A suspensão, para garantir menor adornar e um comportamento mais divertido, nota-se um pouco rígida em mau piso, algo que as jantes de 18’’ polegadas também têm culpa. Se não se importarem com o aspeto, talvez as de 17’’ polegadas sejam suficientes e até melhores em algumas situações…

Se quiserem mais do que isto e seguirem totalmente o caminho da desportividade, existe ainda o 1.5 TSI de 150cv, um “mini-GTI” (ou “Mini-Cupra”, neste caso”).

A transmissão DSG é um acréscimo de 1690€, algo que parece justificável caso se use este Ibiza em cidade, já que torna a condução bem mais descontraída, ainda que uma transmissão manual não seja nada “chata” de manusear. Os consumos também não saem nada prejudicados com a adoção desta solução, já que ficaram nos 6,4l/100km nos mais de 300km percorridos com o meu “amigo” Ibiza.

Quanto a preços, a gama Ibiza começa nos 18.804€; o FR com este motor 1.0 TSI de 110cv e transmissão DSG pede em troca 24.155€. Agora, se optarem por começar a carregar nas “caixinhas de opcionais”, podem ficar com um Ibiza igual a este por 27.758€.

No final, o SEAT Ibiza continua a ser uma proposta a ter (bem) em conta. O seu design parece não envelhecer, o interior é fácil de conviver sendo suficientemente espaçoso e com uma utilização simples e prática, com uma bagageira bem ajustada. O motor de 110cv é “a escolha” a fazer, com a única dúvida a ir para a transmissão. A DSG é uma mais-valia, mas se quiserem optar por gastar esse dinheiro extra em opcionais, também não levam “nega”.

Rodrigo Hernandez Fundador e Director Editorial, criou o MotorO2 em 2012 devido a uma tremenda vontade de escrever acerca da sua grande paixão: os automóveis! Paixão essa que existe mesmo antes de falar, já que a sua primeira palavra foi a de uma conhecida marca de automóveis. Sim, a sério!