Início Ensaios Teste ao Ford KUGA PHEV – “Um Plug-In para longas distâncias”

Teste ao Ford KUGA PHEV – “Um Plug-In para longas distâncias”

Teste ao Ford KUGA PHEV – “Um Plug-In para longas distâncias”
0
0

“Adaptado à realidade”

 

O Ford Kuga é o SUV familiar da marca oval azul, um dos modelos do mercado com mais escolhas possíveis no que toca a motorizações, seja ela gasolina, diesel, mild-hybrid, hybrid ou este Plug-In Hybrid. E sim, este ultimo é bem possível que seja o melhor da gama.

Desde que testei o Ford Kuga na versão diesel de 150cv, fiquei com vontade de saber como seria o PHEV, que é agora o que “toda a gente” quer. A receita é simples: juntar o 2.5 Duratec de 152cv, “mexer” em conjunto com um motor elétrico de 132cv, que depois de “levar ao forno” apresenta 225cv. Para “servir”, está uma bateria de 14,4kWh que foi o que mais ajudou a impressionar, visto que ultrapassa facilmente os 56 quilómetros de autonomia que diz fazer.

Por fora, pouco muda neste PHEV, apenas a porta de carregamento extra situada junto à roda dianteira esquerda, assim como um logo da versão no portão de bagageira. De resto, nada mais. Esta versão ST Line brinda o SUV da Ford com para-choques exclusivos e mais desportivos, assim como um spoiler, frisos na cor da carroçaria e jantes de 18’’ escurecidas, também com desenho exclusivo desta versão que abrange grande parte dos modelos da marca.



No interior, voltamos a encontrar um arranjo simples, num habitáculo que não nos deixa de boca aberta pelo seu desenho ou tecnologia, mas que nos deixa sossegados por ser simples e fácil de conviver. A posição de condução é amplamente ajustável com uma excelente visibilidade para o exterior, graças a uma linha de cintura mais reduzida. No interior, as diferenças face a uma versão “convencional” encontram-se no seletor de marcha rotativo, assim como nos instrumentos dedicados ao sistema híbrido no painel 100% digital e personalizável. Para além disso, o botão EV, que nos permite gerir a bateria da melhor forma, colocado ao centro da consola central desmascara este modelo.

Para quem se senta atrás, espaço suficiente para três, sem cotoveladas nem constrangimentos, enquanto a bagageira se vê bastante reduzida para 411L, longe dos 645L da apresentada, por exemplo, na variante diesel. Para compensar, mesmo no PHEV é possível colocar uma roda de emergência, caso um pneu decida “emagrecer” subitamente.

Em andamento, o Ford Kuga PHEV começa, sempre que possível, a sua marcha sem ruído, graças ao motor elétrico potente e que quer o “papel principal” sempre que possível. Este, quando carregado, apresentava no painel 75km de autonomia, bem acima dos que a marca garante, mas que efetivamente são possíveis de atingir.

Num dos dias, num trajeto de 226km, o Kuga PHEV informou que circulou 131km em modo elétrico, o que mostra que este não é apenas um Plug-In capaz nos primeiros quilómetros. Assim, apresentou um consumo de 3,7L/100km, com uma condução despreocupada, mas com gestão de bateria, guardando a carga para mais tarde, quando se circula em Autoestrada, deixando o sistema gerir fora dela.

Ainda assim, durante a semana, em circuitos mais curtos, o Kuga PHEV pode muito bem ser daquelas soluções em que deixa de ver o senhor da bomba de gasolina durante um mês.

Em termos dinâmicos, nota-se ser um Ford, mas os seus 1844kg não lhe permitem ser tão dinâmico quanto outras propostas da marca. Ainda assim, não é aborrecido de se conduzir, com um chassis que continua a gostar de curvas. A suspensão não é a mais confortável, mas isso pode ser justificado graças ao aumento de peso, de forma a evitar o adornar em curva, algo que o Kuga PHEV não apresenta em demasia.



A direção é mais leve, ajudando a uma condução descontraída, enquanto o pedal do travão é tipicamente digno de um automóvel deste tipo, tendo um tato diferente, com a primeira parte algo “mole” com um curso que varia, mas que passado algum tempo já estamos habituados.

No que toca a equipamento de série, o recheio já é bem honesto, contando com ar condicionado bi-zona, faróis LED, sistema de chave inteligente, assim como vidros escurecidos. Como opcionais, este Kuga PHEV contava com o Pack Winter (551€), que lhe dá o para-brisas Quick Clear (que descongela muito mais rápido que um convencional), assim como o volante, bancos dianteiros e traseiros aquecidos. Outros dois Packs opcionais de relevo são o Pack Exterior ST Line (551€), que lhe dá um spoiler mais proeminente e as pinças de travão em vermelho, e o Pack Tech (1201€) com sistema de câmeras dianteira e traseira, sistema de estacionamento automático, alerta ao ângulo morto, e ainda cruise-control adaptativo e assistente ativo de via.

Para um Ford Kuga com este motor e esta versão, a Ford pede em troca desde 46.594€, valor ainda sem despesas, mas também sem desconto, que até ao final do ano é de 12% sobre o preço base!

Assim sendo, o Ford Kuga PHEV é um automóvel que impressiona pela sua competência em “rolar” elétrico, com uma capacidade mais lógica e adaptada à realidade do condutor comum. A condução está longe de ser aborrecida, com um interior que, mesmo não sendo fascinante, sabe receber e é agradável. No final, é tudo o que é preciso.

Rodrigo Hernandez Fundador e Director Editorial, criou o MotorO2 em 2012 devido a uma tremenda vontade de escrever acerca da sua grande paixão: os automóveis! Paixão essa que existe mesmo antes de falar, já que a sua primeira palavra foi a de uma conhecida marca de automóveis. Sim, a sério!