Início Ensaios Peugeot 308 GTi 270 by Peugeot Sport

Peugeot 308 GTi 270 by Peugeot Sport

Peugeot 308 GTi 270 by Peugeot Sport
0
0

“Viciante”

Pode um automóvel impressionar-nos? Sim, em casos muito especiais.
O Peugeot 308 GTi by Peugeot Sport impressionou-me? Sem dúvida alguma!

A Peugeot tem no 308 um produto cheio de qualidades, sendo uma autêntica referência no segmento em que está inserido, tendo sido inclusive coroado carro do ano em 2014. Ganhou ainda um sem-número de prémios que lhe conferem uma maior confiança por parte do consumidor, tendo sido um detentor de uma carreira comercial invejável.

Assim, quando no início do ano passado a Peugeot apresentou o 308 GT em Cascais, ficou desde logo latente a vontade de ter uma versão ainda mais picante e radical deste Francês bem nascido.

Aqui está ele, o Peugeot 308 GTi by Peugeot Sport. Lançado no nosso mercado em Novembro passado, surge numa altura em que a guerra dos Hot-Hatchbacks está em plena ebulição, com muitos concorrentes em acesa luta. A Peugeot decidiu portanto atacar também neste importante segmento, que serve como uma “montra de dinamismo”, com um produto que consegue destacar-se dos demais em vários pontos, optando por uma filosofia diferente.

E essa filosofia é que o 308 GTi é um “GTi de luxo”. Isto porque o Peugeot consegue ser (bastante) rápido, mas mantendo-se perfeitamente usável no dia-a-dia!

Começando no seu aspecto elegante e bem proporcionado, este “transpira” dinamismo sem exibir pormenores muito extravagantes, resultando num automóvel que facilmente se aprecia mas não atrai atenções indesejadas. Assim, as diferenças exteriores face ao GT surgem na mais reduzida altura ao solo, no para-choques dianteiro com a grelha com padrão “Damier” e nos deflectores dianteiros, junto às maiores entradas de ar. As cavas das rodas estão também preenchidas com as jantes Carbone de 19” exclusivas desta versão, revestidas com borrachas Michelin SuperSport 235/55 ZR19. Dentro destas jantes encontra-se o sistema de travagem da Alcon, com discos ventilados e ranhurados na frente com 380mm de diâmetro na frente e 268mm atrás. É também atrás que encontramos as duas generosas saídas de escape, montadas nas extremidade do para-choques, no interior do difusor traseiro em preto lacado. O resto das diferenças restringem-se às capas dos espelhos em negro e aos símbolos GTi no portão da bagageira e nas laterais.

O interior oferece também um bom ambiente desportivo, sendo equipado com umas bacquets que para além de bonitas, são confortáveis, oferecem um excelente apoio em todas as áreas do corpo, deixando já o alerta que as viagens podem vir a ser “mexidas” e ainda nos massajam ao fim de um longo dia! Sendo um 308, o GTi conta também com o conceito i-Cockpit que apresenta um tablier muito estilizado e simplista, tal como com o volante de pequenas dimensões que no GTi apresenta o ponto “zero” em vermelho no topo, bem como uma maior espessura e revestimento em pele perfurada. Os pormenores desportivos continuam no tecto e pilares revestidos a preto, bem como os pespontos em vermelho, na manete em alumínio e no velocímetro com o padrão da bandeira de xadrez.

E por bandeira de xadrez, chegamos em primeiro lugar num 308 GTi?

Muito possivelmente, já que o automóvel preparado pela divisão de competição da marca conta com muitas alterações, algumas delas já encontradas no desportivo RCZ R, com quem partilha por exemplo o motor. O bloco 1.6 e-THP com 270cv (169cv por litro), mostra-se sempre “cheio” devido aos 330Nm de binário disponíveis entre as 1900 e as 5000rpm! Desta forma o 308 GTi tem sempre uma pronta resposta, favorecida ainda mais pelo escalonamento perfeito da caixa de velocidades que apresenta também um manuseamento muito fácil, oferecendo uma grande suavidade. Esta está também ligada ao diferencial de deslizamento limitado Torsen® que é sem dúvida um dos elementos mais importantes aqui presentes.

Este elemento é perceptível nas saídas de curva feitas de forma mais vigorosa, em que sentimos o 308 GTi a agarrar-se ao asfalto como se tivesse picaretas de alpinista, em vez de borrachas da Michelin. A competência deste conjunto é incrível, ocorrendo tudo com uma enorme naturalidade. A suspensão apresenta um bom equilibrio, tendo um pisar sólido mas nunca sendo desconfortável, mantendo a capacidade de absorver muito bem as irregularidades do piso. O adornamento da carroçaria é reduzido ao mínimo, permitindo assim que a excelente performance dinâmica seja relativamente acessível. Um peso total de apenas 1205kg permite uma relação peso/potência de somente 4,46kg/cv.

A parte sensorial é assegurada pela nota grave do escape, que embora não seja demasiado ruidosa, consegue emanar o espirito racing para o interior do habitáculo, sem ser um incomodo em longas viagens. Ainda assim se quisermos um desportivismo mais imersivo, basta carregar no botão Sport na consola central para o painel de instrumentos se tingir de vermelho e o som ser mais alto, devido ao sintetizador que neste caso não é demasiado notório como noutras propostas, estando bem dissimulado. É também neste modo que a direcção fica mais pesada e o pedal de acelerador mais reativo, modo excelente para atacar umas estradas de montanha.

Mas mesmo depois de atacar muitas estradas, de fazer mais de 1000 quilómetros em vários tipos de percurso e de condições (chuva, neve e piso seco), o Peugeot 308 GTi nunca se tornou cansativo, é quase um caso de Dr.Jekill and Mr.Hide.

Volto à questão: chegamos em primeiro lugar num 308 GTi? Não sei por certo, mas uma coisa é certa, este consegue ser de pólos opostos, um familiar competente e suave, que se pode transformar num monstro de eficácia e emoção quase sem igual!

Peugeot 308 GTi 1.6 e-THP 270 CMV6

Especificações:

Potência –270cv às 6000rpm
Binário – 330Nm às 1900rpm
Consumo Anunciado (Medido) – 6,0l/100km (7,6l/100km)

Preços:

Peugeot 308 GTi desde: 40.761€
Preço da versão ensaiada (com pintura metalizada) : 41.371€

Rodrigo Hernandez Fundador e Director Editorial, criou o MotorO2 em 2012 devido a uma tremenda vontade de escrever acerca da sua grande paixão: os automóveis! Paixão essa que existe mesmo antes de falar, já que a sua primeira palavra foi a de uma conhecida marca de automóveis. Sim, a sério!