Início Ensaios DS 5 Prestige 2.0 BlueHDi 180

DS 5 Prestige 2.0 BlueHDi 180

DS 5 Prestige 2.0 BlueHDi 180
0
0

“Canto de Cisne”

A DS prepara-se para entrar numa nova era, com um modelo 100% novo, o DS7, passando a tomar algum do lugar que ficará vago com a saída do DS5 da sua fileira, modelo que era até agora o topo de gama da mais jovem marca de luxo francesa. Contudo, este DS5 hoje em ensaio é especial, consistindo numa versão limitada que serve para comemorar os 60 anos do lançamento do DS19 Prestige, no Salão de Paris, em 1958. Conta, por isso, com o motor diesel mais potente da gama, acabamentos interiores exclusivos bem como um equipamento de série bastante vasto.

No exterior, mesmo após alguns anos do seu lançamento, o DS5 continua a impressionar, tal como o modelo que pretende aqui celebrar. As suas linhas futuristas e dinâmicas combinam-se, criando um elegante coupé de cinco portas. A dianteira conta, como destaque, com a grelha ‘DS Wings’ e dá a forma aos generosos grupos óticos DS LED Vision, que para além do seu propósito estético, são também muito funcionais, garantindo uma boa visibilidade noturna. Esta grelha também serve de “nascente” para o pilar A cromado, uma das imagens de marca deste modelo.

A sua silhueta é muito elegante, não escondendo os 4,53m de comprimento, onde se encontram as cavas das rodas bem preenchidas com jantes de 17”, assim como as vias mais largas que dão uma elegância mais estatutária a este modelo, enquanto os elementos cromados conferem um ar mais premium e luxuoso. A traseira é outra secção repleta de detalhes, como é o caso dos farolins traseiros, a dupla ponteira de escape cromada ou a porta de bagageira que conta com vidro bipartido e que inclui um generoso spoiler.

Mas o prestígio deste DS5 é mais visível no interior, já que no exterior apenas se diferencia pelos ‘badges’ que descrevem a versão junto aos espelhos retrovisores.

O ‘cockpit’ assume tons camel, com a maior parte das superfícies a estarem revestidas a pele de grande qualidade, como é o caso de todo o tablier, assim como os confortáveis assentos dianteiros, igualmente forrados neste couro semi-aniline, com um padrão que replica a bracelete de um relógio, com o cuidado com o detalhe a estar presente também aqui, com o logo da marca debruado abaixo do encosto de cabeça.

Mas são nestes bancos elétricos e aquecidos que o condutor encontra uma posição de condução confortável, sendo também um lugar de destaque para ver melhor este painel de bordo, claramente inspirado na aviação.

Mesmo com muitas das funções a estarem colocadas no sistema multimédia, que inclui navegação 3D ou sistemas Apple CarPlay e Android Auto, algumas encontram o seu lugar na consola central, estendendo-se mesmo para o tejadilho, onde encontramos os botões de abertura (ou fecho) dos três tetos panorâmicos, ou o ajuste do Head-Up Display, assim como dois úteis porta óculos.

Ainda que seja generoso nas suas dimensões exteriores, o DS5 não é o automóvel mais espaçoso do seu segmento, devido ao seu tejadilho descendente que torna o espaço para os passageiros traseiros algo apertado para quem tenha mais de 1,80m. Ainda assim, em termos de largura, o DS5 consegue acolher três passageiros graças ao túnel central pouco intrusivo. Ainda falando do espaço, importa falar da bagageira que oferece uma boa capacidade, com 468L.

Como foi dito, esta versão Prestige existe apenas com um único motor: o 2.0 BlueHDi de 180cv, conectado com a caixa automática de 6 velocidades, mais que suficientes para locomover os mais de 1600kg do DS5, a gerir os regimes da melhor maneira, de forma a aproveitar o elevado binário de 400Nm, disponível logo desde as 2000rpm. Esta transmissão é suave e rápida, ainda que por vezes “estique” um pouco demais cada relação, não contando também com patilhas de seleção atrás do volante, estando essa opção apenas disponível no próprio seletor.

Este motor exibe uma boa força, não se ouvindo muito no interior deste DS, fruto do cuidado com a insonorização. O seu ‘habitat’ preferido é, sem dúvida, a Autoestrada, local onde o DS5 mostra o seu lado estradista, conseguindo percorrer largas distâncias com o maior conforto. Fora destas longas e largas vias, o DS5 mostra que não é um automóvel pensado e desenvolvido para a parte dinâmica, com a direção a não ser a mais comunicativa, nem a suspensão e chassis a serem afinados para grandes “agitações”.  De qualquer forma, não desilude, mostrando que é mais talhado para percorrer longas distâncias do que debater curvas numa estrada montanhosa, já que para isso existem outras propostas dentro do grupo do qual a DS faz parte…

No final, o DS5 Prestige assume-se como uma proposta exclusiva, mostrando que um automóvel pode “dar cartas” até ao final da sua carreira. Nesta versão limitada, conta com um motor competente e um aspeto exterior que continua a impactar, enquanto o seu interior mostra a qualidade que poderemos esperar de futuro desta marca de luxo, que pretende (a seu tempo) tornar-se na ex-líbris da indústria automóvel Francesa.

“Para si o que importa são as performances?”
Então o ideal é o DS 3 Performance!

DS 5 Prestige 2.0 BlueHDi 180 EAT6

Especificações:
Potência – 180cv às 3750rpm
Binário – 400Nm às 2000rpm
Aceleração dos 0-100 (oficial): 9,2s
Velocidade Máxima (oficial): 220km/h
Consumo Combinado Anunciado (Medido) – 5,2l/100km (7,0l/100km)

Preços:
DS 5 desde: 38.807€

Carrega nas fotos e vê este DS5 Prestige em detalhe:

DS5 Prestige
15 Pontos
O que gostámos mais:
- Exclusividade - Motor - Acabamentos
O que gostámos menos:
- Habitabilidade - Dinâmica - Idade do projecto
Resumindo e concluíndo:
O DS5 faz a sua despedida, para dar lugar ao novo DS7. Nesta despedida, mostra o seu máximo potencial com a versão Prestige, que presta tributo ao DS19. O motor 2.0 BlueHDi de 180cv, mostra uma vez mais, ser o ideal para este modelo.
Motorização16.5
Perfomances14.5
Comportamento13.5
Consumos15
Interior15
Habitabilidade13.5
Materiais/Qualidade de construção16.5
Equipamento de Série16
Value for Money14.5

“A pontuação acima é totalmente da nossa opinião. Esta, tem a ver com o modelo e versão ensaiadas, tendo em conta o segmento onde a mesma se insere.”

Legenda da pontuação:
0-5: Mau;
6-10: Satisfaz Pouco;
11-15: Razoável;
16-17: Bom;
18-19: Muito Bom;
20: Excelente;

 

Rodrigo Hernandez Fundador e Director Editorial, criou o MotorO2 em 2012 devido a uma tremenda vontade de escrever acerca da sua grande paixão: os automóveis! Paixão essa que existe mesmo antes de falar, já que a sua primeira palavra foi a de uma conhecida marca de automóveis. Sim, a sério!