Início Ensaios Será a Cupra Leon e-Hybrid a verdadeira “carrinha desportiva para a família”?

Será a Cupra Leon e-Hybrid a verdadeira “carrinha desportiva para a família”?

Será a Cupra Leon e-Hybrid a verdadeira “carrinha desportiva para a família”?
0
0

“Fácil de entender”

 

Para muitos este é mais um Cupra, muito semelhante ao que testei há uns meses, ou seja, um Leon e-Hybrid com 245cv conseguidos graças à união de dois motores que compõem o sistema híbrido plug-in, e que garantem performances acima da média face a normal automóvel de segmento C, aqui com a vantagem de ser muito mais poupado.

Mas não, esta é uma Sportstourer que se pode até dizer que é uma “Carrinha Desportiva”. Mas não é apenas isso. Para mim, significa muito mais…

Já por aqui falei que tenho um “Soft Spot” por carrinhas rápidas, não sei porquê. Se me meterem o mesmo modelo lado a lado, eu irei sempre para a carrinha no que toca a desportivos. Esta Cupra Leon não é exceção à regra, mas não é apenas isso que importa aqui.

A primeira questão que se impõe é: deveria esperar pela de 310cv?

Vamos ser realistas, potência é sempre importante, ainda para mais num desportivo. Mas neste caso, o desta Leon eHybrid, senti que assim estava, no que toca apenas a performances, naquele ponto em que finalmente é possível explicar (e justificar) a escolha de uma carrinha desportiva.

Passemos à estética. Tal como no Cupra Leon eHybrid testado anteriormente, esta Sportstourer também contava com elementos diferenciadores, ainda que não fosse tão extravagante como a berlina, que contava com a pintura “Petrol Blue” mate, assim como umas jantes aerodinâmicas com acabamento cobre. Ainda assim, esta Leon distingue-se bem da sua “prima” SEAT Leon, com uns para-choques específicos, assim como jantes de 19 polegadas e alguns, ainda que menos, pormenores cobre.

Portanto, no capítulo da estética marca já os pontos necessários, ainda que se note que não é a versão de 310cv por ainda estar algo elevada face ao solo e pelas ponteiras de escape não serem… verdadeiras. De resto, passa bem pela versão mais picante e menos civilizada desta Leon Sportstourer.



No interior, todo o ambiente desportivo está também garantido por elementos Cupra, não esquecendo nem o botão Start que está colocado no volante, tal como no Formentor VZ. São pequenos detalhes como esse que nos fazem sentir especiais a bordo desta proposta. O habitáculo apresenta-se com uma boa qualidade geral, com elementos em pele que se unem com o tecido desta unidade, assim como os típicos elementos acobreados.

Para além de condutor e passageiro irem bem sentados na frente, graças a um bom apoio dado pelos bancos, também atrás os ocupantes encontram um bom espaço para as pernas, graças a uma distância em eixos que foi aumentada face à anterior geração. A bagageira só consegue “engolir” 470L, devido ao posicionamento das baterias. Mas esse é o único ponto que vai ser mais complicado de explicar “lá em casa”.

Isto porque esta Cupra é civilizada, silenciosa e confortável. Ainda que existam modos desportivos e personalizáveis, no dia-a-dia passa perfeitamente como um convencional familiar. Graças as baterias de 12,8kWh, é capaz, segundo a marca, de fazer 60km em modo elétrico, conseguindo um consumo nos primeiros 100km de 4,2l/100km, seguindo-se uma média de 6,6L/100km se não carregarem as baterias. Aqui até já se esqueceram que a bagageira perdeu uns “litrinhos”….

No final, carregando a maior parte das vezes esta Cupra, em 540km percorridos, a média registada foi de 5,0L/100km.



Mas é quando se vai sozinho que se pode explorar o “outro lado” desta Cupra, com um som (embora sintetizado) que se amplifica na cabine e que explora estes 245cv de potência. Um valor que até há poucos anos era de respeito e que ainda continua a ser, já que garante uma aceleração dos 0 aos 100km/h em 7,0s e uma velocidade máxima de 225km/h.

A aderência em curva é boa, graças a um chassis equilibrado, mas os limites são possíveis de encontrar com alguma perda de motricidade, tanto por falta de um verdadeiro diferencial autoblocante, como pela rápida entrega de potência graças ao boost conseguido por parte do motor elétrico (400Nm de binário no total). Mas se não se optar por um andamento hardcore, que deve ser guardado para a versão puramente a gasolina, é possível fazer um excelente balanço entre a carrinha silenciosa e poupada em conjunto com a Cupra que está mascarada debaixo de um manto de consciência.

Os travões merecem boa nota graças à sua boa resistência em parar os mais de 1700kg, sem perder o bom tato e conseguindo ainda ajudar na capacidade regenerativa para as baterias.

Agora um conselho: se querem andar rápido com esta Cupra, escolham o modo individual, coloquem o motor em Cupra, regulem a rigidez dependendo da condição da estrada e desliguem o som artificial. Fica menos imersivo, mas igualmente real.

No final, esta é a verdadeira carrinha desportiva, em que não é preciso mentir ou ocultar factos à cara-metade. É uma carrinha, efetivamente é. É desportiva? Sim, quando queremos. Mas tem a vantagem de ser poupada, confortável e silenciosa. O seu preço de 42.425€ até é convidativo, tendo em conta a exclusividade de uma marca própria… de desportivos.

Rodrigo Hernandez Fundador e Director Editorial, criou o MotorO2 em 2012 devido a uma tremenda vontade de escrever acerca da sua grande paixão: os automóveis! Paixão essa que existe mesmo antes de falar, já que a sua primeira palavra foi a de uma conhecida marca de automóveis. Sim, a sério!