Início Ensaios Primeiro contacto com o Volvo XC40 Recharge

Primeiro contacto com o Volvo XC40 Recharge

Primeiro contacto com o Volvo XC40 Recharge
0
0

“Próximo Capítulo”

O XC40 é um verdadeiro sucesso para a Volvo. Não é preciso que eu o diga, nem que comece a debitar para aqui números. Basta saírem de casa e contarem com quantos destes SUV compactos se cruzam em meia hora.

Pois bem, a Volvo assumiu o compromisso de em alguns anos ter a sua gama completamente elétrica, e nada melhor do que seu grande sucesso para ser o modelo inaugural desta “aventura elétrica” que já foi começando – com uma gama totalmente eletrificada – mas que agora assume uma postura 100% elétrica no Volvo XC40 Recharge.

Para se distinguir este Volvo elétrico de um XC40 que use alguma gasolina (ou diesel), basta olhar para a ausência de grelha dianteira por essa não fazer falta. Depois existe uma nova cor, que é a que está na capa deste artigo, chamada Verde Sage. Passando para o seu interior também existem diferenças, estando ainda mais clean. Tão clean que nem tem botão de arranque…

Sim, a Volvo optou por tirar esse “pequeno detalhe” ao XC40 Recharge, com o veículo a detetar a chave e a necessitar apenas que o condutor prima o travão e selecione o “Drive”. Para além disso existe um novo painel de instrumentos com um diferente arranjo, mais dedicado ao sistema elétrico, e que curiosamente não conta com autonomia em quilómetros, mas apenas a percentagem. A justificação é que esse dado foi ocultado já que, devido à sua “ondulação”, poderia provocar ansiedade ao condutor. E isso é o que menos queremos a bordo de um Volvo. É discutível, mas neste primeiro contacto aceitámos, veremos depois…

Talvez mais importante que tudo isso seja o novo sistema multimédia, totalmente renovado, com as funcionalidades Google integradas, mantendo a sua posição típica e agora mais fácil de funcionar.

Neste primeiro contacto foram feitos cerca de 30km com o novo Volvo XC40 Recharge P8, onde foi possível desde logo sentir o sistema “One Pedal”, que permite utilizar apenas o acelerador para nos conduzirmos pela cidade. Largando todo o acelerador, travamos. Se deixarmos a meio vamos “deslizando”, ao carregar… aceleram. É mais simples na prática. Esse sistema pode obviamente ser desligado para uma experiência mais “tradicional”.

Leram P8? Pois bem, o P8 é a versão mais potente deste XC40 Recharge (haverá uma mais comedida em breve), que conta com dois motores elétricos, um em cada eixo deste Volvo, oferecendo ao condutor 408cv de potência e uns “humildes” 660Nm de binário. Estou a brincar, de humilde tem muito pouco. A verdade é que a entrega de potência é brutal, imediata e típica de um elétrico. A aceleração de parado até aos 100km/h demora apenas 4,9s.

Vocês agora querem saber quanto é que este Volvo consegue atingir numa única carga. Eu ainda não vos consigo responder a essa questão, mas a marca homologou 418 quilómetros, um valor que não o coloca no topo do seu segmento, mas que não deixa de ser um bom valor tendo em conta as suas performances.

Ao lado deste XC40 Recharge T8, e num exclusivo, estava o C40 Recharge, o segundo modelo elétrico da Volvo que chegará no final deste ano. Uma espécie de XC40 Recharge, mas coupé. A marca escandinava acredita no sucesso da eletricidade, tanto que quer que as suas vendas sejam maioritariamente elétricas daqui a mais ou menos quatro anos.

Se ficaste com “água na boca”, sabe que podes testá-lo até 13 de Junho, em Lisboa, mediante agendamento prévio aqui. Se a paixão já chegou a outro nível, o novo Volvo XC40 Recharge já está disponível na rede de concessionários com os preços a começarem nos 57.150,74€ (versão standard Twin Plus) ou 61.106,42€ (versão Twin Pro). Está também disponível uma opção de renting com mensalidades fixadas nos 800€/mês (versão standard Twin Plus) ou 850€/mês (versão Twin Pro).

Rodrigo Hernandez Fundador e Director Editorial, criou o MotorO2 em 2012 devido a uma tremenda vontade de escrever acerca da sua grande paixão: os automóveis! Paixão essa que existe mesmo antes de falar, já que a sua primeira palavra foi a de uma conhecida marca de automóveis. Sim, a sério!