Início Ensaios Volvo XC40 T3 Momentum

Volvo XC40 T3 Momentum

Volvo XC40 T3 Momentum
0
0

“Concentrado de Volvo”

Finalmente chegou até nós o Volvo XC40. Acompanhámos todo o processo de desenvolvimento deste modelo, estivemos presentes quando chegou ao nosso país no Volvo Ocean Racing, mas demorou até o conseguirmos efetivamente testar, pelos mais diversos motivos. Mas isso já lá vai, e o que importa agora é que connosco ainda conseguiu uma importante tarefa quase um ano após ter chegado ao nosso mercado: impressionar-nos!

O carro do ano 2018 é imagem diferente da que estamos habituados da Volvo, e isso não é mau, é uma espécie de Volvo 3.0, depois do XC90, em 2015, ter feito uma revolução na marca, tornando-a mais apetecível sem perder os seus “dotes” de segurança, robustez e conforto pela qual sempre foi conhecida.

Esteticamente falando, já que é o primeiro ponto que reparamos num automóvel, podemos dizer que o Volvo XC40 foi muito bem conseguido neste campo, juntando a tal imagem robusta que um Volvo deve ter, com um look mais jovial de forma a garantir (o que tem efetivamente feito) clientes de uma faixa etária mais jovem. A frente elevada e bastante angular destaca-se pela sua grelha retangular e pelos faróis LED (de série em toda a gama), com a assinatura que a marca carinhosamente chama de “martelo de thor”. A lateral é também muito pronunciada e elevada, destacando-se pelos arcos e bases em plástico negro, que lhe dá o tal “ar aventureiro de XC” e, nesta unidade, com o teto contrastante, que confere ao mais pequeno SUV da Volvo uma imagem bem mais agradável, mesmo pintado neste tom mais sóbrio.  A traseira conta com os já habituais grupos óticos verticais, numa secção bastante clean.

Este modelo é baseado na nova plataforma modular para automóveis mais pequenos (CMA – Compact Modular Architecture), que será a usada para o resto da série 40, que ainda está por anunciar. Essa plataforma, mais leve, também aproveita para oferecer um amplo espaço interior, e isso é uma das coisas que notamos quando entramos a bordo do luminoso (e cheio de detalhes) interior do Volvo XC40.

Primeiro, é obviamente inspirado pelo seu “mentor” XC90. O tablier tem o mesmo tipo de arranjo, aqui com uma faceta mais jovem (tal como o exterior), bem como materiais não tão dispendiosos, mas de qualquer maneira sem plásticos ou superfícies de má qualidade. A montagem é isenta de erros. Sentados nos confortáveis bancos e pele e tecido desta versão Momentum, podemos ver o novo volante, assim como o já conhecido painel de instrumentos totalmente digital, ou o ecrã central que está disponível no resto da gama, completo e fácil de usar, com CarPlay. Os detalhes estão presentes nas “massivas” bolsas nas portas laterais, forradas de uma suave ‘carpete’, que podem albergar garrafas de água de grandes dimensões, ou mesmo um computador portátil. Cá dentro também contamos com uma mola retrátil que “sai” do porta-luvas e permite agarrar uma mala ou mochila.

Atrás, o túnel central é algo elevado, portanto, e como em muitos dos seus concorrentes, o ideal são dois adultos atrás. Dessa forma vão no maior conforto possível, com muito espaço para as pernas e cabeça. Também cá atrás existem muitos pontos de arrumação, assim como saída de ventilação dedicada, apoio de braço com porta-copos e mesmo um ponto de carregamento USB-C. A bagageira tem um bom acesso, e mais um detalhe, com o piso a puder ser “dobrado”, cria uma divisória e três ganchos para sacos, num local com 460L de capacidade.

Mas foi na condução que o Volvo XC40 mais me impressionou. Aqui, nota para o facto de os Volvo serem automóveis muito agradáveis de se conduzir, mas primam sempre por aquele peso que aumenta a sensação de segurança. Nada contra, é um estilo diferente.

Mas o que aconteceu neste Volvo XC40 é que os primeiros metros foram logo uma surpresa, a direção é mais leve do que esperávamos (isso é bom) assim como um chassis muito ágil, parecendo até que mede menos que os seus 4,42m. Um Volvo que tem todas as vantagens, mas ainda por cima é ágil? Perfeito!

O motor aqui presente era o de “base de gama”, e que se prepara para estar disponível para os clientes que estão dispostos a “largar” o diesel. O motor T3 é um 1.5L de cilindrada com 156cv, mas tricilíndrico. Se isso o apoquenta, não tem razões, tem “pulmão” e é disponível, muito silencioso, e com prestações bastante aceitáveis. Esta unidade contava também com algo que já há muito tempo (nem me lembro) não apanhávamos num Volvo: transmissão manual.

Esta, de seis velocidades, é agradável de usar, mas aconselhamos a automática de oito velocidades. A paz é superior, e o motor acaba por ser tão silencioso, que por vezes colocamos a 4ª e assim seguimos. Portanto, não faça figuras, e se puder, siga para a automática.

Os consumos não são os anunciados pela marca, de 6,3l aos 100km, mas também não achámos exagerados, tendo ficado, numa utilização normal, em 7,3l/100km, com muita cidade pelo meio, algo que se entende tendo em conta a carroçaria generosa do XC40, assim como os 156cv dele.

No final, podemos dizer que o Volvo XC40 passou ao nosso teste com “flying colours”, mostrando que a Volvo soube entrar num segmento a que não estava habituada, mas provou que a experiência nos SUV de maiores dimensões serviu aqui para criar um mais citadino, com todo o premium que necessita. Quanto ao sucesso, esse está aos olhos de todos, basta contar quantos vemos ao longo das nossas viagens. Essa foi a vantagem de fazer o ensaio, não tive de fazer previsões quanto a isso. Apenas dou um conselho: para além da transmissão automática, opte por cores mais garridas, o Volvo XC40 merece…


Volvo XC40 T3 Momentum

Especificações:
Potência combinada – 156cv às 5000rpm
Binário – 265Nm às 1860 ~ 3840rpm
Aceleração dos 0-100 (oficial): 9,4s
Velocidade Máxima (oficial): 200km/h
Consumo Combinado Anunciado (Medido) – 6,3l/100km (7,3l/100km)

Preços:
Volvo XC40 T3 Tech Edition desde : 36.005€
Preço da unidade ensaiada: 43.127€


Clica nas fotos e vê o mais ‘benjamim’ dos Volvo:

Rodrigo Hernandez Fundador e Director Editorial, criou o MotorO2 em 2012 devido a uma tremenda vontade de escrever acerca da sua grande paixão: os automóveis! Paixão essa que existe mesmo antes de falar, já que a sua primeira palavra foi a de uma conhecida marca de automóveis. Sim, a sério!