Início Ensaios Toyota GT86 Black Touch Edition

Toyota GT86 Black Touch Edition

Toyota GT86 Black Touch Edition
0
0

“Black Touch: Tocar sem estragar”

A Toyota comemorou 50 anos de presença em Portugal no passado ano de 2018, mas nós estendemos a comemoração para este ano, e trouxemos um dos modelos mais carismáticos da gama, que já conquistou o seu lugar de “clássico imediato”. Esta versão foi, por isso, mais um momento de comemoração, recebendo elementos exclusivos.

Para nós, também foi uma desculpa para comemorar de novo, e voltar a sentir na pele as sensações de conduzir o Toyota GT-86. Uma autêntica lufada de ar fresco…

“O que mudou no Toyota GT-86?”

Obviamente o destaque é mesmo a cor exclusiva, Azul Nitro, que foi lançada agora justamente para esta versão Black Touch.

– “Então, mas Black Touch e o carro é azul?”

Sim. Tem lógica. Ou seja, esta versão pode ser adquirida em uma de 8 cores, sendo esses toques pretos a serem conferidos às jantes de 17’’ polegadas multiraiadas, às capas dos espelhos, assim como ao também exclusivo aileron traseiro, que marca pontos (dependendo dos gostos) no que toca à desportividade. No exterior ainda é possível ver uma outra alteração, esta com uma maior importância, que é o uso de maxilas Brembo, de maiores dimensões e acabamento vermelho.

O interior não recebeu alterações, continuando a ser funcional e sóbrio, onde o que importa realmente é a condução. Os comandos estão bem colocados, e o posto de comando é dos melhores que podemos encontrar na indústria, assim como o volante, com uma dimensão “no ponto” e que nos garante uma maior sensação de controlo, mesmo em condução mais agressiva. Os assentos, que embora não sejam diferentes no seu formato, são em pele e contam com acabamentos em vermelho, cor que encontramos também nos pespontos, estejam eles no volante, na alavanca da caixa ou mesmo na alcantara que reveste o topo das portas.

Embora seja um quatro lugares, esses assentos posteriores são de recurso, devido à baixa altura oferecida para a cabeça. A bagageira é aceitável, com 243L de capacidade.

E a potência, aumentou?

Isso foi logo o que me questionei assim que vi que o GT-86 recebia uma nova versão, e que contaria com maxilas Brembo. Pensei: “melhoraram os travões, foi porque aumentaram a potência…”

Pois, estava enganado. A potência continua a ser os já conhecidos 200cv, vindos do motor 2.0 D-4S feito em colaboração com a Subaru. Este 4 cilindros Boxer não conta com ajuda de turbo nem compressor, preferindo assim um “uso à antiga”, ou seja, quanto mais rotação, melhor!

Portanto, vamos a números: com uma aceleração que se cumpre em 7,6s e uma velocidade de ponta de 226km/h, não se pode dizer que o GT86 precise de mais cavalos, mas…

Mas há dois pontos: primeiro, estamos habituados à potência e sobretudo aos motores turbo, que a disponibilizam de forma mais abundante e mais cedo; e a capacidade do chassis deste Toyota, que damos conta no seguinte ponto.

E a dinâmica? Continua lá toda?

Obviamente que sim. Embora nós achemos que aumentar a potência não seria prejudicial, acho que a Toyota não a aumenta porque não quer que o GT86 se torne num produto que deixe de ser divertido de conduzir. Isto porque, se formos a ver, é um automóvel desportivo, que monta pneus ecológicos ‘fininhos’. É um carro que só quer diversão!

De outro prisma, não tão europeu, mas mais do continente norte-americano ou do mercado doméstico japonês, o GT-86 é um carro que vai ser, na sua maioria, alterado ao gosto do seu condutor, e não faltam exemplos disso. Portanto, porque iria a Toyota colocar mais potência, quando a maioria dos seus clientes já o vai fazer? A Toyota sabe tanto isso, que existiu uma versão básica, a RC, que contava com jantes de ferro, tablier “despido” e nem mesmo os bancos traseiros vinham incluídos. E os para-choques eram negros, como os que encontramos nos comerciais. Ou seja, pronto a alterar!

“Conta lá um bocadinho da dinâmica…”

É acutilante. As reações são fáceis de prever e quando tudo sai dos eixos é quando fica mais divertido. “Andar de lado” poderia ser um “estilo de vida” para este modelo. Estilo esse que pode ser amenizado ou aumentado alterando o modo de condução: Normal, Track ou “tudo desligado”.

A caixa de seis velocidades exige alguma força, mas brinda-nos com uma sensação mecânica e uma precisão digna dos japoneses, explorando bem o motor. A direção é uma grande ajuda para aumentar a sua vertente sensorial. Nos travões, para ser sincero, não se nota muita diferença no seu poder imediato de travagem, essas diferenças só são visíveis no que toca à resistência à fadiga, algo que teria de ser testado em conjunto com um GT-86 “normal”. Aqui, momento para revelar que o GT-86 é tão leve como aparenta, acusando 1297kg na balança.

“E no final de contas, vale a pena?”

Este é um automóvel mesmo para quem gosta de conduzir. No entanto, não é desconfortável nem algo do género, mas o seu preço torna-o uma proposta apenas apetecível para os conhecedores, com o seu preço a passar os 48.000€.

Com esse valor, é garantida diversão e uma excelente base para quem quer um automóvel que possa “ir à pista” sem problemas, já que foi pensado muito no lema de: “Leva-te do trabalho a casa durante a semana, para no fim-de-semana ir derreter pneus contigo…”


Toyota GT-86 2.0 MT Black Touch Edition 

Especificações:
Potência– 200cv às 7000rpm
Binário – 205Nm às 6400rpm
Aceleração do  0-100 (oficial): 7,6s
Velocidade Máxima (oficial): 226km/h
Consumo anunciado – 7,8l/100km
Consumo medido – 8,6l/100km

Preços:
Gama Toyota GT-86 desde:48.830 €


 

Rodrigo Hernandez Fundador e Director Editorial, criou o MotorO2 em 2012 devido a uma tremenda vontade de escrever acerca da sua grande paixão: os automóveis! Paixão essa que existe mesmo antes de falar, já que a sua primeira palavra foi a de uma conhecida marca de automóveis. Sim, a sério!