Início Ensaios Mazda CX-5 chega ao mercado Português

Mazda CX-5 chega ao mercado Português

Mazda CX-5 chega ao mercado Português
0
0

“Visão Melhorada”

A Mazda aproveitou o inicio do mês de Setembro para apresentar à imprensa nacional o seu modelo mais vendido da Europa, o Mazda CX-5, que chega agora à sua segunda geração, totalmente redesenhado e com bons atributos para manter esse título. Esta nova interpretação do SUV que estreou o design KODO, está agora ainda mais dinâmico na sua estética, bem como mais divertido de conduzir, graças ao sistema G-Vectoring Contol.

Portanto, depois de cinco anos, chega um novo CX-5, mais preocupado com o condutor e com a segurança. O modelo é uma montra do espírito Mazda, onde cada carro é uma peça de arte, o automóvel está mais ousado, e é uma evolução do estilo da marca, quase como uma versão KODO 2.0, aproveitando assim para estrear a nova cor da marca, a Soul Red Crystal, uma evolução da cor com esse nome e que aumenta o nível de brilho em 20%, dando uma maior profundidade e enfatizando as linhas dinâmicas deste modelo.

Mas a bitola está alta, já que este modelo recebeu, na sua primeira geração, muitos prémios nacionais e internacionais, dando ainda boas indicações devido ao seu estilo de condução próximo de uma berlina, sendo bastante envolvente e ágil, para além de eficiente graças aos seus motores SkyActiv. Mas mais importante que tudo isso, o Mazda CX-5 é também uma grande fonte de crescimento para a marca, já que durante a sua primeira geração foram mais de 1,5 milhões de clientes que confiaram no modelo para ser o seu novo automóvel. Para se ter uma ideia, as vendas globais do Mazda CX-5 equivalem a cerca de 25% das vendas da marca Japonesa.

Para isso, para além de um exterior que cativa, o interior foi bastante aprimorado, com a filosofia Mazda a ser bem visível, com tudo a estar “arrumado” de forma a dar ao condutor um exemplar acesso aos comandos, que estão dispostos de maneira ergonómica (o comando da caixa de velocidades está colocado 40mm mais acima, ou 60mm nas versões equipadas com caixa automática). A posição de condução também foi aprimorada com o recurso a bancos com um melhor apoio.

O habitáculo conta com um desenho simples, mas com uma boa montagem e com o uso de materiais mais nobres, os instrumentos continuam a ter um arranjo de três mostradores, enquanto o ecrã central de 7” parece pequeno num primeiro olhar, mas que se torna simples e fácil de usar graças ao já conhecido sistema de infotenimento da marca.

Nos bancos traseiros, encontramos um bom espaço em todas as direcções, bem como um melhor cuidado no que toca ao conforto, já que os passageiros traseiros, para além de contarem com saídas de ventilação próprias, passam ainda a ter a possibilidade de inclinar as costas dos bancos até aos 24º, dando uma postura mais confortável. No que toca ao espaço, esse também foi melhorado, com o espaço a ser aumentado até aos 506L, contando ainda com o rebatimento dos bancos com a norma 40:20:40, o que dá a hipótese de uma melhor organização de carga.

Percebendo toda esta parte, altura de rumar aos primeiros quilómetros neste CX-5 e aqui aproveitamos para dar a conhecer os motores… que se mantém os mesmos. Sim, a Mazda optou por não fazer revoluções neste campo, já que os 2.2 SkyActiv-D de 150 ou 175cv permanecem bem actuais e eficientes, não necessitando de ser alterados. Em termos de rigidez, a marca diz que o CX-5 teve um incremento de 15%, e isso é notório logo nas primeiras curvas, graças também ao sistema G-Vectoring Control, que também já é usado nos novos Mazda 3 e 6.

Notório também é o melhoramento na insonorização, que aumenta a tranquilidade a bordo. A versão em ensaio foi a Excellence (mais equipada), com o motor 2.2 SkyActiv-D de 150cv conectado a uma caixa de seis velocidades manual e tracção dianteira, conjunto este que se espera que seja o mais vendido no nosso mercado. Num percurso misto, o CX-5 revela-se um automóvel fácil de quebrar quilómetros, mas acima de tudo, continua a ser divertido de conduzir, mesmo numa estrada mais sinuosa, e ainda que a fita métrica acuse 4,55m de comprimento, mais 1cm que a geração anterior, sendo mais baixa 3,5cm.

Em Portugal, este modelo começa a sua carreira desde já e dá entrada num segmento que se revela cada vez mais competitivo. A Mazda aposta por isso numa alternativa mais premium, divida em três níveis (Essence, Evolve e Excellence). O CX-5 é proposto com duas motorizações: 2.2 SkyActiv-D de 150 ou 175, sendo que esta última está unicamente disponível com tracção às quatro rodas. Ambas podem ser adquiridas com caixa manual ou automática de seis velocidades. Consoante o nível, o preço pode variar entre os 33.310€ para a versão Essence com o motor de 150cv, ou os 53.120€ da versão Excellence de 175cv, caixa automática e com todos os opcionais incluídos.

 

 

Para breve prometemos um contacto mais detalhado com este novo modelo da Mazda.

Rodrigo Hernandez Fundador e Director Editorial, criou o MotorO2 em 2012 devido a uma tremenda vontade de escrever acerca da sua grande paixão: os automóveis! Paixão essa que existe mesmo antes de falar, já que a sua primeira palavra foi a de uma conhecida marca de automóveis. Sim, a sério!