Início Ensaios Alfa Romeo Stelvio 280 Q4 B-Tech

Alfa Romeo Stelvio 280 Q4 B-Tech

Alfa Romeo Stelvio 280 Q4 B-Tech
0
0

“Só para conhecedores”

Este ensaio começa com um contrassenso da minha parte, criado talvez graças a uma opinião pública geral de quem gosta verdadeiramente de automóveis. Isto porque os SUV têm um papel duplo nesta indústria, ou seja, tanto são “heróis” por conseguirem aumentar vendas, e com isso, lucros, tomem por exemplo o caso de uma conhecida marca de automóveis desportivos alemães; como por outro lado são tidos como “vilões” que fazem tudo bem, mas nada de forma ideal. Ou seja, não são todo o terreno, mas “safam-se melhor” do que uma carrinha, não são monovolumes, mas têm mais espaço que uma berlina, e prometem uma dinâmica maior que ambos, mas não curvam tão bem como um coupé, ou mesmo um hatchback.

Portanto, porquê este contrassenso? Porque usei este título: “Só para conhecedores”.

O Alfa Romeo Stelvio é um dos (poucos) SUV que realmente pode dizer que a dinâmica é o seu forte, um automóvel que, parado, pode parecer algo “pesadão” e pouco ágil, mas que em andamento se revela uma surpresa que parece suprimir as suas dimensões e peso, ainda para mais nesta versão mais picante e exótica: 280cv a gasolina com tração integral Q4.

Olhem para ele, mesmo que nunca tenhamos tido um Alfa SUV (tivemos sim o Alfasud), este nota-se a léguas ser um modelo da casa de Arese. As suas linhas italianas não enganam ninguém, nem mesmo a frente elevada perdeu a sua personalidade, com o “scudetto” bem em destaque. A lateral é fácil de gostar e tem até um certo ar de coupé, sem ser tão fingido como alguns dos seus rivais, que também falam a língua do país vizinho. A sua veia desportiva é, por isso, mais natural e aumentada pelas generosas jantes de 20’’, com uma generosa parede de pneu e uma dupla ponteira de escape (verdadeira), aqui pintada de negro por ser a nova versão B-Tech que ensaiámos há pouco tempo na versão diesel, e que aproveitamos para falar porque o Stelvio é um elemento tão importante na família Alfa Romeo.

O interior, é a um olho “menos treinado” praticamente retirado a “papel químico” do Giulia, a berlina mais clássica da gama, e como para muitos um Alfa Romeo deve ser. Concordo.

Por isso, contamos com um habitáculo agradável, com a maioria dos materiais a terem um bom toque. A posição de condução é muito boa, com amplos ajustes, e mesmo que circulemos elevados (aqui não havia milagres) não sentimos que vamos sobre o carro, mas sim ao seu volante. Todos os comandos estão bem à mão, e mesmo que o sistema de infotenimento não seja referência, nem touch (é controlado pela rodinha que se vê nas fotos a meio da consola central), é completo, contando com sistemas mais recentes, como Apple CarPlay.

O espaço é uma das vantagens, e como a Alfa Romeo nunca teve um monovolume (e ainda bem!), o Stelvio é mesmo um dos mais espaçosos de sempre, com três passageiros a conseguirem ir no assento traseiro, mesmo que o túnel central seja algo intrusivo. Para compensar, existe um apoio de braço (quando o terceiro passageiro não vai lá sentado), assim como duas portas USB ou mesmo aquecimento para esses bancos, tal com os passageiros da frente têm direito.

Para arrumar as respetivas bagagens, a mala conta com 525L de capacidade, com um fundo plano e com calhas de separação, revestido, mostrando também aqui a sua faceta mais premium.

Mas o tal “conhecimento” vem ao volante, e aqui, o 2.0 Turbo com 280cv transforma este Stelvio num desportivo com preocupações familiares, sem desfazer o gosto do “piloto” que vai ao volante. De certo que não é um “animal” como o Quadrifoglio e os seus 510cv, mas acreditem, já faz o gosto ao pé, e parece bem suficiente…

A primeira coisa que notamos assim que começamos a conduzir um Stelvio, e que nos primeiros 5 minutos se torna sempre estranho, é a sua direção super direta. Isso é bom, mas ao início damos por nós a “atirar” este SUV de 4,68m de um lado para o outro sem piedade, sem querer. Quando isso se aperfeiçoa, é ótimo para conseguir descrever a trajetória sempre ideal. Depois, é a transmissão, suave, decidida e muito rápida, que também conta com as melhores patilhas de seleção montadas num automóvel deste tipo, generosas, com acabamento metálico e fixas.

Mas tudo isto trabalha para o motor, que se demonstra silencioso e suave. Nos modos A (Advanced) e N (Normal) até nem parece querer mostrar todo o seu potencial, ainda mais no primeiro onde parece até “pacato”, não subindo muito as rotações e deixando rolar pelas estradas nacionais e citadinas. No Normal já sentimos que, pisando mais o acelerador, as coisas acontecem, “ligeirinhas”, com a agulha da velocidade a subir, sem os passageiros a sentirem muito (vantagem destes automóveis maiores).

Se esperam que este gasolina seja daqueles que vai fazer consumos que até possam valer a pena face a um diesel, esqueçam. Volto a dizer: “Só para conhecedores”. Não esperem muito menos de 9,3l/100km, abaixo disso é mesmo só em controlo total de velocidade, e ter “pezinhos de lã” nos pedais. O Stelvio convida a desfrutar, sem cometer loucuras, mas sim a andar num ritmo tranquilo, médio-alto. Explicando por outras palavras, é quando vamos jantar e nem olhamos para o preço que está na carta e comemos todas as entradas, só porque nos apetece fazê-lo.

Isto porque estes 280cv pedem, incansavelmente, para que no regresso a casa, o seu “dono” rode o seletor e acenda a luz vermelha no D (Dynamic), e o teste em todo o seu esplendor. O som fica mais elevado, as passagens de caixa fazem lembrar aqueles Alfa “com o trevo” que tanto gostamos, e a tração integral Q4 faz com que as trajetórias fiquem mais “fechadas” e calculistas. Isso também é visível em qualquer modo quando chove (como foi o meu caso), em que notei, ao longo dos dias, que as curvas andavam a ser feitas mais rápidas do que habitualmente. Não é só para andar fora de estrada meus amigos…

Pois bem, todo este conhecimento, tem um preço, com esta unidade (repleta de opcionais) a custar perto dos 76.000€. Exagerado? Bem, face ao diesel com menos 70cv, este até é mais barato. Mas muita da culpa não vem da marca, mas sim da carga de impostos. De qualquer maneira, não parece exagerado, já que temos um SUV premium, que efetivamente é bom de conduzir, com segurança graças ao sistema de tração integral, e com a rapidez de um motor com praticamente 300cv. É, mais uma vez, sem medo de repetir: “Só para conhecedores”.


Alfa Romeo Stelvio 2.0 280 Q4 B-Tech

Especificações:

Potência – 280cv às 5250rpm
Binário – 400Nm às 225o rpm
Consumo Combinado Anunciado – 7,0L/100km
Consumo Combinado Medido – 9,3L/100km
Aceleração 0-100km/h (oficial): 5,7s
Velocidade máxima (oficial): 230km/h

Preços:
Alfa Romeo Stevio desde: 52.542€
Preço base da versão ensaiada: 75.974€


Rodrigo Hernandez Fundador e Director Editorial, criou o MotorO2 em 2012 devido a uma tremenda vontade de escrever acerca da sua grande paixão: os automóveis! Paixão essa que existe mesmo antes de falar, já que a sua primeira palavra foi a de uma conhecida marca de automóveis. Sim, a sério!