Início Ensaios Teste ao e-2008, o SUV 100% elétrico da Peugeot

Teste ao e-2008, o SUV 100% elétrico da Peugeot

Teste ao e-2008, o SUV 100% elétrico da Peugeot
0
0

“Silêncio a bordo” 

 

O Peugeot e-2008 é a outra proposta elétrica da gama da marca francesa, um Crossover urbano que é uma opção para quem o e-208 não chega. Agora, depois de testar a versão a gasolina mais potente de 155cv, chegou a vez de saber como se comporta na sua versão mais “silenciosa”. 

Tal como o seu irmão mais pequeno, o e-2008 também não tem diferenças de maior, sendo elas vistas através da grelha dianteira que assume a cor exterior, os logotipos do leão tingidos a um tom azulado, ou a ausência de escape. Portanto, nem sempre é fácil saber quando estamos perante um 2008 elétrico, o que também demonstra a normalização deste tipo de automóveis. 

Tudo isto num exterior que tem agradado aos portugueses, conseguindo um grande volume de vendas, graças a um design que segue a linha dos outros modelos da gama, com uma imagem futurista e dinâmica. 



No interior, esse futurismo já é conhecido, graças ao i-cockpit e aqui nesta versão “e”, o e-2008 também não apresenta muitas diferenças. Essas são encontradas nas costuras dos bancos específicas, que misturam o “azul” do elétrico com o verde, assim como um grafismo próprio no painel de instrumentos tridimensional, bem como um menu dedicado no sistema multimedia central de 10 polegadas. De resto, não existem mais alterações no habitáculo, onde cabem confortavelmente quatro adultos (ou cinco, com algum jeito). A bagageira de 405L viu a sua capacidade pouco alterada, graças à colocação das baterias sob o piso, vantagem da plataforma que foi pensada já com vista na eletrificação. 

Ainda sobre a plataforma, o ponto que menos gostei no Peugeot 2008 talvez tenha sido o acesso ao seu interior. Não é nada de muito muito grave, mas ao contrário de Crossover concorrentes, para entrar neste modelo (tal como no DS3 Crossback) é preciso levantar muito a perna, como se passássemos um degrau para entrar no habitáculo. Algo que não devia acontecer nestes modelos tão procurados, sobretudo por serem soluções mais práticas de entrar e de sair. 

De resto, o interior é confortável, com nota positiva para os assentos dianteiros que conferem um bom apoio, e que nesta versão GT, a mais equipada, são revestidos em pele e Alcantara, com a possibilidade ainda de serem aquecidos, o que deu muito jeito nestes dias de ensaio onde o termómetro esteve por vezes abaixo dos 6ºc. 



Claro que isso, sendo um elétrico, tem impacto nos consumos… 

Vamos lá a ver, este Peugeot e-2008 recorre ao mesmo grupo propulsor do e-208 (bem como de todos os outros modelos elétricos recentes do grupo). Portanto, temos um motor de 100kW, o que equivale a 136cv e uma bateria de 50kWh, que é mesmo possível de recarregar rapidamente até 100 kWh, ou seja, permite um carregamento até 80% em 30 minutos. 

A primeira coisa que sentimos no Peugeot e-2008 é obviamente o silêncio e a sua suavidade de rolamento, típico dos elétricos. O que não é tão notório é o seu aumento de peso, que comparativamente ao Peugeot 2008 1.2 PureTech é de 350kg, para um total de 1548kg. 

Mas mesmo com todo este peso, consegue acelerar dos 0 aos 100km/h em 8,5s no modo Sport, um dos três disponíveis em conjunto com o Normal e o ECO. 

O Normal foi o mais utilizado durante o ensaio, já que é o equilíbrio e onde é mais fácil de aferir um consumo e, por isso, uma autonomia. O primeiro rondou os 19,8kWh em autoestrada, baixando para os 17,7kWh em cidade e outras ligações extra-urbanas, numa média final que ficou “cravada” em 18,4kWh. 

Se fizermos as contas, isso dá-nos uma autonomia máxima de 271km. A marca promete 320km, e até poderá ser possível chegar lá perto, mas as temperaturas que se fizeram sentir fizeram com que não me poupasse em nada para garantir o meu conforto.  

O Peugeot e-2008 é mais um passo na “normalização” dos elétricos, um automóvel que é “como o meu povo gosta”, com uma carroçaria SUV (ou Crossover) e um interior tecnológico e cheio de gadgets. O preço desta versão mais equipada (GT) é de 40.270€, que com os opcionais ainda ascendia aos 41.920€. Mas como só há um nível de motor e bateria, a gama e-2008 começa no nível Active nos 36.470€, um valor mais simpático e que poderá fazer pensar. 

Rodrigo Hernandez Fundador e Director Editorial, criou o MotorO2 em 2012 devido a uma tremenda vontade de escrever acerca da sua grande paixão: os automóveis! Paixão essa que existe mesmo antes de falar, já que a sua primeira palavra foi a de uma conhecida marca de automóveis. Sim, a sério!