Início Ensaios Ensaio by MotorO2 – Honda HR-V 1.6 i-DTEC

Ensaio by MotorO2 – Honda HR-V 1.6 i-DTEC

Ensaio by MotorO2 – Honda HR-V 1.6 i-DTEC
0
0

“Uma emoção racional”

É sempre arriscado trazer de volta um nome que em tempos conheceu um grande sucesso. Afinal, desta maneira sobem-se as expectativas e quando isso acontece por vezes desiludimo-nos. Mas no caso do novo HR-V, esse problema não irá surgir. Isto porque este novo Honda é um projecto bem nascido, que tal como o original, faz virar cabeças graças ao seu aspecto, bem mais do agrado de todos, com uma linha estilística de crossover coupé.

A frente também adopta uma identidade distinta com a grelha a contrastar com o branco da carroçaria, delineada pelo desenho bastante rasgado dos faróis. Com a altura típica de um crossover, o HR-V passa uma imagem forte, tal como a traseira que utiliza farolins estilo “boomerang” bem integrados no conjunto, que todo ele é muito fluido, já que todas as linhas vão “desaguar” a algum lado. Tal é bem visível na lateral, com o principal vinco a dar origem à superfície vidrada que lhe confere o referido aspecto derivado de coupé, sensação essa aumentada ainda mais devido aos puxadores traseiros estarem dissimulados, formula já usada no Civic.

Nesta versão Executive, a mais equipada, no exterior contamos apenas com três diferenças, que tornam este HR-V ainda mais desejável, os faróis LED que para além de oferecerem um ar mais “high-tech” dão uma excelente visibilidade durante a noite, as jantes de 17” bicolores que melhoram o estilo upmarket do modelo, bem como os vidros traseiros escurecidos.

Mas é no interior sofisticado que este Honda pode (e deve) fechar negócio.

O HR-V opta por um estilo limpo no seu habitáculo, com bastantes superfícies lisas e uma menor profusão de botões, utilizando a tecnologia de sensibilidade ao toque, seja no ecrã central honda connect já conhecido de outras propostas, seja nos comando da ventilação. Estes são de fácil habituação e de bom toque, sendo rápidos a responder.

O estilo sofisticado é mais aparente na configuração da estilizada consola central flutuante com acabamento em preto piano, que possui bastantes espaços de arrumação, incluindo um bom suporte para copos e variadas ligações como HDMI, duas portas USB e o normal Power Outlet de 12V.

O acabamentos em pele surgem em vários locais, seja nas pegas das portas, no apoio de braço central ou no volante, que tem por trás de si um quadrante de fácil leitura com todas as informações necessárias, bem como uma “aurela” verde que se acende quando estamos a conduzir de forma económica.

E se estiver bem verde, somos brindados com consumos fantásticos, isto porque o motor 1.6 i-DTEC continua a fazer das suas, sendo performante q.b mas sempre poupado. Este motor que deverá ser o mais comercializado entre nós, conta com 120cv de potência e um binário de 300Nm disponíveis às 2000rpm. O seu funcionamento é bastante suave e com uma boa disponibilidade, sendo bastante prazeroso de usar graças também à sua caixa manual de seis velocidades com um tacto curto e bem oleado.

A condução consegue tirar um excelente partido desse conjunto, com a direcção a ser bastante comunicativa, maximizada pela boa posição de condução. Apenas a suspensão apresenta uma taragem algo seca em pisos mais degradados, mas sem comprometer a compostura do crossover Japonês.

O regresso do Honda HR-V veio tarde mas em boa altura, sendo uma excelente escolha dentro deste segmento, por ter tudo o que necessitamos num automóvel, ao mesmo tempo que é agradável à vista e interessante de se conduzir. O seu preço ligeiramente mais elevado justifica-se pelo maior espaço interior, pelo motor e pela maior oferta de equipamento de série.

 

Honda HR-V 1.6i-DTEC Executive

Especificações:

Potência –120cv às 4000rpm
Binário – 300Nm às 2000rpm
Consumo Anunciado (Medido) – 4,7l/100km (5,3l/100km)

Preços:

Honda HR-V 1.6i-DTEC desde: 26.250€
Preço da versão ensaiada : 31.050€
Preços sem despesas de legalização e transporte

Rodrigo Hernandez Fundador e Director Editorial, criou o MotorO2 em 2012 devido a uma tremenda vontade de escrever acerca da sua grande paixão: os automóveis! Paixão essa que existe mesmo antes de falar, já que a sua primeira palavra foi a de uma conhecida marca de automóveis. Sim, a sério!