Início Notícias Citroën regressa ao segmento D com o C5 X

Citroën regressa ao segmento D com o C5 X

Citroën regressa ao segmento D com o C5 X
0
0

“Canivete francês”

 

A Citroën inovou uma vez mais num novo modelo: o novo C5 X é a mistura entre uma Shooting Brake, uma berlina e um SUV. Uma espécie de “canivete francês” que regressa ao segmento D após uma (demasiado) longa ausência.

O modelo poderá começar a ser encomendado nos concessionários da marca em outubro, e começará a circular pelas estradas nacionais ainda no final deste ano.

O “X” no seu nome indica esse cruzamento de estilos, mas também numa herança de modelos históricos para a marca, como o CX ou XM. O modelo, vai ao encontro do que o cliente procura: espaço, comodidade e uma capacidade aventureira acima da média.

Este modelo é fortemente influenciado pelo concept CXperience, mostrado em 2016, mas também pelo concept Numero 9. Para além do seu exterior, que tem também inspiração no recém-lançado C4, o interior conta com uma qualidade superior, assim como a filosofia “Advanced Confort”, aqui elevada ao quadrado.

Para além dos batentes hidráulicos progressivos, o modelo também contará com um sistema ativo (nas versões plug-in), que incrementa ainda mais o conforto dos ocupantes. O desenho do interior foi desenvolvido para ser o mais ergonómico possível e, segundo a marca, um dos mais espaçosos da sua categoria, principalmente na segunda fila. A bagageira conta com 545L de capacidade, com formas regulares.



Ainda no interior, o sistema multimédia é completamente novo para a marca, com 12’’ polegadas, assim como sistema de controlo por voz, personalização ao estilo de um smartphone, ou atualizações “over the air”. O head-up display alargado a cores aumenta ainda mais a sensação tecnológica do modelo.

Quanto a motorizações, na apresentação muito pouco foi revelado. Sabemos que existirão dois motores de combustão a gasolina (possivelmente de 130 e 180cv), assim como o conjunto híbrido que é encontrado no C5 Aircross, que oferece ao condutor 225cv de potência e uma autonomia esperada de 50km, graças à bateria de 13,2kWh. O diesel ficará fora da equação.

Mais informações serão conhecidas nos próximos meses, mais perto da altura do seu lançamento. Mas uma coisa é certa, a Citroën está a voltar à sua antiga forma: “sem medo de arriscar”.

Veremos se terá resultado…

Rodrigo Hernandez Fundador e Director Editorial, criou o MotorO2 em 2012 devido a uma tremenda vontade de escrever acerca da sua grande paixão: os automóveis! Paixão essa que existe mesmo antes de falar, já que a sua primeira palavra foi a de uma conhecida marca de automóveis. Sim, a sério!