Início Ensaios Abarth 695 XSR Yamaha

Abarth 695 XSR Yamaha

Abarth 695 XSR Yamaha
0
0

“Exclusividade em ponto pequeno”

Este Abarth é muito especial. Isto porque é feito de detalhes, que pode à primeira vista ser confundido com muitos outros que circulam nas nossas estradas. Mas um olhar mais atento afigura o logo XSR na traseira, o que para os conhecedores da marca é sinal de que este é um dos 695 exemplares que serão produzidos pela marca do escorpião. Por outro lado, quem esteja mais atento ao mundo das duas rodas, vai achar muitas parecenças à Yamaha XSR900 Abarth Limited Edition, uma colaboração feita com a icónica marca de motos Japonesa, que tem um desenho, palete de cores e uma filosofia que partilha a inspiração deste pequeno desportivo.

Portanto, se para si conforto, consumos e pouco barulho de escape são premissas importantes num automóvel, aconselhamos a ver esta opção. Se, a si, este Abarth lhe faz aumentar o batimento cardíaco só de olhar para ele, continue a ler este ensaio, porque temos a certeza de que vai gostar ainda mais dele…

Começam a faltar os adjetivos para classificar este pequeno Abarth, o numero 695, reservado para as edições especiais feitas pela marca. Desta feita, e como dissemos, o Abarth 695 XSR Yamaha, este é o seu nome completo, só pode contar com esta escolha de cores, conjugando entre o Cinzento Pista e as faixas vermelhas que fazem um contraste interessante, acompanhado pelas pinças e pelos apliques aerodinâmicos na dianteira e na traseira da mesma cor. O seu lado de competição é incrementado pelas aplicações em carbono nas “conchas” dos espelhos, pormenor interessante em conjunto com as jantes SuperSport de 17’’.

Todo este aspeto robusto e de “mauzão” é também passado para o interior, onde é também combinado com um toque de classe e detalhe. O carbono é palavra de ordem no interior, com o tablier a ser maioritariamente decorado neste material exótico, com aplicações também no volante, que apresenta uma combinação de alcântara e pele, com este último material a revestir as bonitas bacquets debruadas com o nome da marca Austro-Italiana, e a apresentar pespontos em vermelho, que lhe dão o tal toque de classe. Entre eles, está presente a placa numerada desta exclusiva versão, detalhe importante para quem gosta de se sentir especial.

Especial é o que também sentimos quando rodamos a chave, fazendo acordar o motor 1.4 T-Jet de 165cv e o seu sonoro rugir vindo do sistema de escape Akrapovic, uma das coqueluches desta versão, com terminal em fibra de carbono bem visível e integrado no generoso difusor traseiro, dando mais uns pontos extra na estética. A ficha técnica impressiona, ainda que não seja o Abarth mais potente da gama (esse título fica atualmente a cargo do Competizione), o 695XSR apresenta uma relação peso/potência de apenas 6,3kg por cada cv, um valor possível graças à potencia máxima de 165cv e a um peso de 1045kg, o que em conjunto com um turbo Garrett proporciona um binário máximo de 230Nm às 3000rpm, no modo Sport.

Basicamente, o Abarth acaba por se mostrar sempre “vivo” e disponível , mas a ação propriamente dita começa aí nesse regime onde o binário máximo é atingido, e é notório com o impulso sentido e com o “gritar” do escape a ficar mais agudo, com a agulha do painel de instrumentos a aumentar na escala, enquanto pede por mais uma mudança, da caixa manual de cinco velocidades, que não tem um curso curto, nem é a mais mecânica. Mas encaixa tão bem neste conjunto!

O eixo dianteiro não conta com o diferencial autoblocante mecânico, mas simula isso com o sistema TTC, acrónimo de Torque Transfer Control. Na prática, este sistema faz uma grande diferença, não deixando a roda interior patinar dando automaticamente “toques” de travão nessa roda, deixando que a potência vá para onde é preciso, ou seja, para a roda que tem mais aderência. Dessa forma, o ESP também acaba por ser menos interventivo, deixando com que o Abarth derive um pouco mais e se torne ainda mais divertido de “pilotar”, sem ser difícil de domar.

Este Abarth 695 Yamaha acaba até por ser um bom negócio, para um automóvel numerado, com esta versão a não ser muito mais cara comparativamente com o 595 Turismo, modelo que conta com o mesmo nível de potência. O equipamento é vasto, com um preço final ligeiramente acima dos 30 mil euros. Os consumos, acabam até por ser uma surpresa, isto caso esteja num dia mais calmo, podendo rondar a “casa dos seis litros”, mas realisticamente o computador de bordo apresentará uma média mais aproximada dos 8l a cada 100 quilómetros. Isto porque a nota de escape, o chassis divertido e a resposta do motor não o conseguirão manter sério durante muito tempo. O Abarth prova que vai buscar a criança que temos dentro de nós…

Gostas do Abarth, mas para ti o “céu aberto” é uma prioridade?
Então conhece o Abarth 595C Turismo de 165cv!

Abarth 695 XSR Yamaha

Especificações:

Potência – 165cv
Binário – 230Nm às  3000rpm
Aceleração dos 0-100 (oficial): 7,3s
Velocidade Máxima (oficial): 218km/h
Consumo Combinado Anunciado (Medido) – 6,0l/100km (7,7l/100km)

Preços:
Gama Abarth desde: 21.800€
Preço da versão ensaiada: 30.300€
Preço da unidade ensaiada: 32.620€

Carrega nas fotos e vê este Abarth 695 XSR Yamaha em detalhe:

Abarth 695 XSR Yamaha
16.1 Pontos
O que gostámos mais:
- Exclusividade - Sistema de escape - Comportamento divertido
O que gostámos menos:
- Preço relativamente ao 595 Competizione
Resumindo e concluíndo:
O Abarth 695 XSR Yamaha é para quem "apenas um Abarth não basta". É para quem procura algo muito exclusivo. O motor de 165cv é bastante disponível, e o sistema Akrapovic faz parecer tudo ainda mais rápido. O preço é algo elevado, mas compreende-se pelas 695 unidades limitadas...
Motorização16.5
Perfomances17.5
Comportamento18.5
Consumos16
Interior16
Habitabilidade15
Materiais/Qualidade de construção16
Equipamento de Série16
Value for Money13

“A pontuação acima é totalmente da nossa opinião. Esta, tem a ver com o modelo e versão ensaiadas, tendo em conta o segmento onde a mesma se insere.”

Legenda da pontuação:
0-5: Mau;
6-10: Satisfaz Pouco;
11-15: Razoável;
16-17: Bom;
18-19: Muito Bom;
20: Excelente;

 

Rodrigo Hernandez Fundador e Director Editorial, criou o MotorO2 em 2012 devido a uma tremenda vontade de escrever acerca da sua grande paixão: os automóveis! Paixão essa que existe mesmo antes de falar, já que a sua primeira palavra foi a de uma conhecida marca de automóveis. Sim, a sério!