Início Ensaios Abarth 595C Essesse

Abarth 595C Essesse

Abarth 595C Essesse
0
0

“Edição comemorativa e competitiva”

Estávamos em 1949, quando Carlo Abarth criou, em conjunto com Guido Scaglione, a Abarth & C. Estava dado o “tiro de partida” para uma das mais curiosas histórias que se escreveram neste mundo automobilístico, cada vez mais focado nas vendas e, obviamente, nos lucros onde, curiosamente, a marca atravessa o seu melhor momento, ao ter comercializado quase 23.500 unidades no ano de 2018.

Pois bem, regressamos aqui, ruidosamente e com um estilo tipicamente italiano, de forma a comemorar esse septuagésimo aniversário, de uma insígnia que exibe com todo o orgulho o escorpião, que deixa uma “picada” em cada um que o conduz, deixando o seu veneno, que neste caso é bem benigno e viciante.

E antes que se questionem, o escorpião tem um significado tão simples como pessoal, já que é o animal astrológico do fundador da marca, Karl Alberto Abarth, nascido faz hoje 111 anos, em 15 de novembro de 1908.

Mas o que tem de especial este modelo que aqui trazemos?

O seu nome deixa logo uma pista, 595 Essesse. É o regresso de um nome que quem acompanhou o (re)lançamento da Abarth em 2008 certamente se irá lembrar, com as típicas “Cassetta di Transformazione”, a serem muito requisitadas para aumentar assim a potência e performance do, ainda na altura, 500 Abarth, mas que ainda estão disponíveis para a gama atual.

Contudo, para quem não sabe, este nome Essesse tem ainda um maior interesse, já que surgiu em 1964.

O Abarth 695 “SS” contava com uma potência bem menos elevada que a de hoje, eram apenas 32 os cavalos que eram extraídos do pequeno dois cilindros, graças a um carburador Solex 34 PBIC e outros truques que, para além do seu estilo, o tornaram num dos mais reconhecíveis Abarth do passado.

Portanto, em 2019, o 595 Essesse regressa à gama já sem ser um kit aftermarket, mas de fábrica, tomando de assalto o topo da gama, situando-se acima do Competizione, versão sob a qual tem a sua base. Esteticamente, o 595C Essesse destaca-se pela sua capota em lona, pelas suas jantes Supersport de 17’’ de cor branca, pelo badge comemorativo do 70º aniversário, assim como pela dupla ponteira do escape Akropovic com acabamento em carbono, que era reservada até então apenas para os modelos mais exclusivos, denominados 695.

Mas há muitos mais elementos que se escondem “sob a pele” deste pequeno Abarth. De forma a tornar tudo mais seguro, é o caso do sistema de travagem Brembo com quatro êmbolos na frente, que mordem discos perfurados e ventilados, ou os amortecedores Koni.

Passando para o interior, também estão presentes elementos exclusivos, onde o carbono é o elemento que está verdadeiramente em destaque, com o tablier a contar com esse revestimento, assim como volante em pele e alcântara, ainda que seja opcional. O que é de série são as bacquets Sabelt com a inscrição “70” a vermelho e que também contam com um acabamento nesse material compósito, que para além de dar um aspeto bem desportivo ao interior, contribui também para nos manter bem fixos em andamentos mais vivos. Nem mesmo a pedaleira se salvou do “tratamento de carbono” …

Mas para além de este Abarth ser agradável à vista, é obviamente ao volante que este pequeno 595C Essesse demonstra todas as suas capacidades.

Por se situar no “topo da gama”, o nível de potência também é o mais elevado (o mesmo que o Competizone) com 180cv de potência, extraídos do 1.4 T-Jet, e isso aliado às suas pequenas dimensões dá-lhe uma relação peso/potência de apenas 5,8kg/cv.

O som “encorpado” do sistema de escape Akrapovic faz-se notar mal rodamos a chave, acordamos um “monstro” que está mascarado de citadino. Por ser isso mesmo, a posição de condução está longe de ser ideal: vamos sentados numa posição (muito) mais elevada do que seria esperado, contudo, vamos desculpando tudo isso…

E esta é uma das grandes características do Abarth, ser fácil de desculpar. Porque é um automóvel único, e isso nota-se logo nos primeiros quilómetros ao volante. Tem um pisar bastante firme, a travagem é fácil de tolerar, mas forte, enquanto o som de escape (principalmente no modo sport) é vigoroso e entra no habitáculo (q.b), e isso torna-o numa espécie de carro de corridas para a estrada. Ao mesmo tempo que voltamos a ser relembrados que a base que está lá, quando manuseamos a caixa de velocidades que, embora bem escalonada, acaba por ter um tato não tão mecânico como seria ideal.

Isso é negativo?

Claro que não! Isso faz tudo parte da “filosofia Abarth”!

É isso que torna especial este automóvel, ter uma base “mundana” e ser capaz de enfrentar desportivos de raíz, com uma condução que requer um grande sentido de alerta devido às pequenas dimensões, que o tornam mais “nervoso”. A direção é mais desmultiplicada, mas a inserção em curva é feita de forma brilhante graças ao diferencial autoblocante mecânico (opcional) que garante que as saídas de curva também acontecem sem perdas de potência desnecessárias.

O “acordar” do turbo chega por vezes a ser violento (aumentado também pelo som de escape que o acompanha), com Garrett GT 1446 de geometria fixa a evitar que se perca potência quando ela é mais necessária, “acordando” às 3000rpm até às 5000rpm, altura de trocar para a relação acima. As travagens também merecem atenção que, devido à pequena dimensão entre eixos, deve ser feita preferencialmente a direito, evitando derivas de traseira, mas são mais do que eficazes tanto na paragem como na resistência, sendo incansáveis mesmo “sob abuso”.

Ainda a ajudar a tudo isto, a suspensão. Embora seja firme na maioria do tempo, é em condução desportiva que mostra a sua competência, com os amortecedores traseiros a contarem com FSD (Frequency Selective Damping) que se adaptam à condição da estrada, garantindo sempre um elevado contacto do eixo traseiro.

As prestações ao cronómetro também são de respeito, com a aceleração dos 0 aos 100km/h feita em 6.7s, e a velocidade máxima a situar-se nos 225km/h. Já para a carteira, o Abarth 595C Essesse não é citadino no que toca aos consumos, com os valores a estarem facilmente acima dos 7,6l/100km, o que obviamente aumenta em função do andamento… Mas os sorrisos também!

Para ter acesso a um Abarth 595C Essesse, os preços começam nos 35.750€, já nesta unidade que contava com alguns opcionais, onde se incluem o pack carbono interior e o diferencial de deslizamento limitado, o preço ascende até aos 39.700€. Se isto já forem valores muito altos, o nível de diversão do 595 Pista já é bem suficiente para acelerar os nossos batimentos, com um valor mais em conta, que se inicia nos 25.737€.


Abarth 595C Essesse

Especificações:

Potência – 180cv às 5500 rpm
Binário – 250Nm às 3000 rpm
Consumo Combinado Anunciado (NEDC) – 6,0L/100km
Consumo Combinado Medido – 8,3L/100km
Velocidade máxima (anunciada): 225km/h
Aceleração 0-100km/h (anunciada): 6,7s

Preços:
Abarth 595 desde: 22.300€
Preço base da versão ensaiada: 35.750€
Preço da unidade ensaiada: 39.700€


Rodrigo Hernandez Fundador e Director Editorial, criou o MotorO2 em 2012 devido a uma tremenda vontade de escrever acerca da sua grande paixão: os automóveis! Paixão essa que existe mesmo antes de falar, já que a sua primeira palavra foi a de uma conhecida marca de automóveis. Sim, a sério!