Início Ensaios Teste Completo: Dacia Spring Confort Plus

Teste Completo: Dacia Spring Confort Plus

Teste Completo: Dacia Spring Confort Plus
0
0

“O elétrico para todos”

 

Um automóvel que não se mede aos palmos, assim pode ser resumido este ensaio. A causa do Dacia Spring é bem maior comparativamente à sua dimensão, já que este pequeno modelo de segmento A quer democratizar os elétricos com um preço que, antes de incentivos do estado, fica abaixo dos 18 mil euros. Este Dacia é pensado quase exclusivamente para cidade, ainda que possa andar também fora dela. Será um sucesso?

Para saber se será um sucesso, isso só o tempo o dirá, mas podemos começar precisamente por aí, pelo facto do Dacia Spring não pedir ao condutor que altere toda a sua vida nem que evite certos trajetos para o poder usar. Este modelo é feito para quem procura uma solução elétrica na sua vida, pelo mínimo custo possível. Não como um único carro, mas como uma solução face aos transportes das grandes cidades.

Para isso, a receita é, também ela, muito simples. Este SUV Urbano 100% elétrico conta com um motor de 33kW, o que equivale a “apenas” 44cv, sendo alimentado por uma bateria de 27,4kWh, o que, segundo a Dacia, é capaz de fazer com que este Spring consiga percorrer até 230km em ciclo misto.

 

Interior e Exterior

Se por acaso é alguém que adora excelentes acabamentos e não suporta plásticos rijos, o Dacia Spring não é para si, já que são bem notórios os cortes para conseguir manter o preço o mais baixo possível para uma solução BEV como esta. Não existem plásticos moles, os acabamentos estão longe de estar num bom patamar e a ergonomia está distante de ser ideal (não há comandos no volante para o áudio, e os comandos dos vidros dianteiros estão colocados logo abaixo do sistema multimedia). Mas, como dito acima, é o “preço a pagar” por uma acessibilidade acima da média.

Isso também é notado por um bater de portas metálico e um aspeto básico do tablier, que nos faz recuar até soluções mais antigas, num mercado que está recheado de ecrãs de grandes dimensões, luzes ambientes e as mais variadas superfícies de contraste… Na verdade, era o esperado desde o primeiro momento que se viu este Dacia Spring, que “nasce” na China e que também dá forma ao Renault Kwid, disponível nos mercados emergentes e apenas com motores a combustão…

Para além de uma colocação mais antiquada dos comandos, a posição de condução é elevada e não conta com muita possibilidade de ajuste, já que o volante não apresenta qualquer tipo de regulação.

No entanto, na parte racional, o Dacia Spring consegue somar pontos no que toca à habitabilidade. Pode sentar de forma confortável, tendo em conta o segmento, quatro adultos, contando ainda com bagageira que é efetivamente “grande” no que toca aos citadinos, com 290L. Ainda no habitáculo, este Spring conta com suficientes espaços para arrumar toda a “tralha” que transportamos de um lado para o outro durante as nossas “correrias” do dia-a-dia.

Olhando para o seu exterior, o Dacia Spring apresenta uma imagem simpática, mais fácil de cativar que o interior e que o faz parecer maior nas fotos do que ao vivo. Os elementos de contraste, em laranja, neste Spring Confort Plus ajudam o modelo a tornar-se mais apetecível, algo que também é conseguido pelas barras de tejadilho ou pelos elementos plásticos nas cavas das rodas. Quanto às jantes, embora não pareçam, são embelezadores de 14’’ polegadas, envoltas numa borracha 165/40 R14, que nos demonstra uma vez mais, como se fosse necessário, que este Dacia Spring não é para verdadeiras correrias.



Ao volante

Conduzir este Dacia Spring é uma experiência diferente, mas natural. A sua simplicidade torna a condução até algo divertida em cidade, com uma elevada dose de agilidade, graças a um baixo peso (apenas 1045kg) e uma direção leve. A suspensão consegue oferecer-nos uma dose de conforto acima do esperado, mesmo em mau piso citadino, algo que é infelizmente muito recorrente. Quando o piso ainda fica pior, a “alma” Micro-SUV deste Dacia Spring vem ao de cima, que graças aos seus estreitos pneus e uma elevada altura ao solo (151mm) consegue circular sem problemas mesmo quando o alcatrão termina. Sim, certamente será pouco utilizado em caminhos como estes, mas a Dacia quis que este Spring não encontrasse muitos obstáculos na sua vida. Quer que o Spring seja uma solução.

Saindo da cidade e optando por caminhos mais rápidos, a diversão já não é a palavra certa para descrever a condução deste que é o Dacia mais pequeno de todos. A direção leve torna-se demasiado vaga, e os seus pneus estreitos, que ajudam em pisos mais deteriorados, fazem com que o seu comportamento seja mais agitado do que estamos habituados. A velocidade máxima é de 125km/h, altura em que os ventos laterais se fazem sentir e a dianteira fica mais “leve”. O ideal é ir a 100km/h e desfrutar da viagem. Tal como os 19,1s dos 0-100km/h indicam, a “onda” deste Dacia é mesmo a cidade.

Importante referir que, de série, este Dacia Sping Confort Plus não está nada mal equipado já com ar condicionado e sistema multimedia que aceita a integração de smartphone (Apple CarPlay e Andoid Auto), não esquecendo também elementos de segurança e conforto, como é o caso do sistema de travagem ativa de emergência, assistência de ajuda ao arranque em plano inclinado, limitador de velocidade, assim como câmara de estacionamento traseiro e botão de chamada SOS.



Carregamentos

E é, mais uma vez na cidade, que o Spring volta a impressionar com os seus baixos consumos, que são até possíveis de baixar para valores perto dos 10kWh/100km que, mesmo com trajetos com autoestrada e vias mais rápidas do que este Dacia gostaria, o consumo ficou nos 14kWh/100km, o que significa que a sua bateria de 27,4Kwh conseguirá fazer mais ou menos 200km, com o valor em cidade (de 11,4kWh/100km conseguidos) a aumentar até aos 240km.

Os carregamentos podem ser feitos em casa, com uma corrente de apenas 2,3kW a conseguir carregar totalmente este Spring dos 0 aos 100% em 13H30, baixando esse valor caso conte com uma Wallbox, algo que pode ser feito até aos 6,6kW. Ainda assim, os carregamentos rápidos também são possíveis de ser feitos até uma potência de 30kW, o que significa que carregar este Dacia dos 0 aos 80% demora 56 minutos.



Conclusão

No final, este Dacia Spring é sem dúvida uma proposta interessante e que mereceu toda esta análise, sendo uma solução que pretende democratizar o elétrico. Para se ter uma ideia, comparando versões base, o seu “primo” Twingo custa mais 6.000 euros…

Mas o Spring, o elétrico para todos, mostra também que há um “preço a pagar”, sendo um retrocesso face ao que a indústria tem vindo a fazer, com materiais mais pobres e uma condução uns furos abaixo do que se faz hoje. É uma boa opção para cidade, para quem tenha a condição de o carregar em casa e queira uma solução mais pessoal, face aos transportes públicos.

Rodrigo Hernandez Fundador e Director Editorial, criou o MotorO2 em 2012 devido a uma tremenda vontade de escrever acerca da sua grande paixão: os automóveis! Paixão essa que existe mesmo antes de falar, já que a sua primeira palavra foi a de uma conhecida marca de automóveis. Sim, a sério!