Início Ensaios Suzuki Vitara S 1.4 BoosterJet

Suzuki Vitara S 1.4 BoosterJet

Suzuki Vitara S 1.4 BoosterJet
0
0

“Porta-Estandarte”

Quando o assunto são os automóveis da Suzuki, é inevitável não falar no Vitara, modelo que foi apresentado em 1988 e que nos dias de hoje chega à sua quarta geração, re-inventado para agradar a um público mais vasto, mas que continua igual a si próprio. Ou seja, continua a ser um “jipe” com grande vocação citadina.

Face à geração anterior, o Vitara diminui o seu tamanho, sendo agora mais curto, mais baixo e mais estreito. Isso promete melhorar a sua agilidade e diversão de condução.

O seu aspecto exterior é cativante, com uma imagem robusta e bem definida. A modernidade está presente na frente, com a grelha horizontal de pormenores cromados que se unem naturalmente com os projectores HID com pormenores interiores em vermelho, exclusivos desta versão S, a mais desportiva. É também visível na alta frente as protecções plásticas junto às luzes diurnas, colocadas na parte inferior do para-choques.

A lateral opta por linhas simples e coesas, mas que demonstram robustez, devido às linhas de cintura angulosas. As jantes e as capas dos espelhos em negro, bem como a ausência de cromados, dão uma imagem desportiva a este modelo. Ao mesmo tempo que a protecção plástica inferior lembra que este modelo pode sair do alcatrão, sem problemas de maior…

Visto de traseira, é facilmente identificável. Os farolins de recorte original e de grandes dimensões estão bem inseridos na porta de bagageira, que no topo conta com um spoiler de dimensões generosas. O para-choques conta com um detalhe, o difusor de ar,  também em preto.

Passando para o interior, o Vitara é agradável de se estar. Admitimos que os materiais não são os melhores, mas a montagem não revela falhas. O desenho é agradável, alegrado pelos diversos elementos em branco que revestem o túnel central, ou o tablier. O relógio analógico central, entre as saídas de ventilação, dão-lhe um toque interessante. Os comandos revelam-se ergonómicos, com o sistema de infotenimento muito completo, ao contar com Android Auto e Apple CarPlay, bem como navegação e controlo por voz.

O espaço é ideal para quatro passageiros, podendo transportar 5 adultos, sem problemas. A bagageira conta com 375l podendo ser aumentados através do rebatimento assimétrico (60:40) dos bancos traseiros. O equipamento vasto é ainda possível ser visto no ar condicionado automático, sensores e câmera de estacionamento, acendimento automático das luzes ou sistema de abertura e arranque sem chave.

Mas é também no interior que a versão S do Vitara mostra mais detalhes. Os bancos em Alcantara e pele, cozido com linha vermelha, bem como a pedaleira  desportiva e o volante em pele perfurada tornam este modelo mais exclusivo. Pena que tenham “abusado” na dimensão, demasiado generosa, da manete da caixa de velocidades.

Altura de arrancar…

Ao contrário do Vitara “normal”, o S só dispõe de um motor na sua gama, o 1.4 BoosterJet, que conta nesta versão com 140cv de potência, distribuídos às quatro rodas através de uma caixa manual de seis velocidades (pode contar com uma automática em opção).

Este motor revela um funcionamento bastante suave, contando com uma resposta pronta, ao mesmo tempo que os consumos conseguem ser bastante comedidos. Graças ao sistema AllGrip, o Vitara S conta com quatro modos de condução:

O Auto, que deve ser usado em condução normal, em que o sistema gere a melhor maneira de optimizar o consumo, circulando por isso com tracção apenas às rodas dianteiras, passando se necessário para as quatro rodas motrizes.

O modo Snow é adequado para uma condução cuidada sobre terrenos com pouca aderência. Este modo transmite a potência e o binário entre o eixo dianteiro e traseiro de uma forma mais suave.

O modo Sport consegue mostrar todo o potencial dinâmico do Vitara S, incrementando o desempenho do motor, actuando muito sobre o ESP e a tracção 4WD.

O modo Lock serve para usar em casos mais complicados, como lama ou areia mole, transmitindo por isso uma força motriz igual em todas as rodas, funcionando em simultâneo com o sistema ESP.

Como complemento, o Vitara S conta ainda com o sistema Hill Descent Control para ajudar em descidas mais acentuadas, accionando “sozinho” os travões, deixando o condutor apenas com a tarefa de controlar a direcção.

Graças as estes modos conseguimos extrair talvez, a par com boa relação preço/equipamento, a melhor valia do Vitara, o seu comportamento dinâmico. Este automóvel revela-se bastante divertido de conduzir, devido ao seu baixo peso e aos comandos directos e que dão ao condutor uma boa dose de feedback. A suspensão tem um acerto sem falhas, conseguindo ser bastante composta, seja qual for o piso.

O motor, como foi dito, é bastante elástico e está bem explorado pela caixa de seis velocidades, com bom tacto mecânico. Em vários trajectos, incluindo fora-de-estrada, os consumos cifraram-se em 6,6l a cada cem quilómetros, o que se revela um bom número, tendo em conta as boas performances deste modelo.

Portanto, o Suzuki Vitara entra na sua quarta geração como um bom produto, agora mais moderno e preocupado com as questões primordiais dos clientes, como o equipamento e os sistemas de segurança, o que não falha, já que conta com cruise-control adaptativo e sistema de travagem autónoma de série. O motor 1.4 BoosterJet dá gozo de explorar num chassis tão bem nascido, tudo por um preço final que está em campanha e não chega aos 23 mil euros…

Suzuki Vitara S 1.4 BoosterJet AllGrip

Especificações:

Potência – 140cv às 5500rpm
Binário – 220Nm às 1500rpm
Aceleração dos 0-100: 10,2s
Velocidade Máxima oficial: 200km/h
Consumo Combinado Anunciado – 5,4L/100km
Consumo Combinado Medido – 6,7L/100km

Preços:

Gama Suzuki Vitara desde: 20.074€
Preço da viatura ensaiada : 25.299€
Preço da viatura ensaiada com campanha: 22.595€
(valores sem despesas administrativas, taxas e pintura metalizada.)

Rodrigo Hernandez Fundador e Director Editorial, criou o MotorO2 em 2012 devido a uma tremenda vontade de escrever acerca da sua grande paixão: os automóveis! Paixão essa que existe mesmo antes de falar, já que a sua primeira palavra foi a de uma conhecida marca de automóveis. Sim, a sério!