Início Ensaios Primeiro contacto com o Hyundai i20 em solo nacional

Primeiro contacto com o Hyundai i20 em solo nacional

Primeiro contacto com o Hyundai i20 em solo nacional
0
0

“Missão: Atacar o pódio” 

 

O Hyundai i20 prepara-se para chegar ao mercado nacional, após uma apresentação com moldes um pouco diferentes do habitual, mas que nos informou de tudo o que necessitamos de saber sobre o novo modelo de segmento B da marca Coreana.

Antes de começar, convém reforçar o bom momento que a marca atravessa, que graças a uma gama, das mais jovens da europa, conseguiu em 2019 um sexto ano consecutivo de crescimento de vendas. Num olhar mais global, este que é o 4º grupo mundial (em conjunto com a KIA) consegue um 6º lugar de marca mais vendida mundialmente.

Isso também é possível graças a uma ampla gama de oferta de motorizações, onde em Portugal 75% dos modelos contam com versões eletrificadas. Num difícil 2020, a marca desceu 16,9%, mas nem mesmo assim é um tão mau valor, já que a média de mercado apresenta uma descida de 36,4%…

Ricardo Lopes, diretor de operações da Hyundai Portugal referiu: “O objetivo é acelerar ainda mais a tendência de crescimento e posicionamento de mercado. Estamos perante um momento único de renovação integral. Os próximos meses são uma revolução para a gama. O próximo ano terá 14 lançamentos.”

No que toca ao Hyundai i20, o modelo tem um grande peso para a marca, já que vendeu, desde a sua primeira geração em Portugal, cerca de 11 mil unidades, estando presente no TOP 5 do seu segmento, e responsável por 23% do volume da marca.

Agora, o modelo quer subir ainda mais, seja nas vendas, seja nas posições e perceção por parte do cliente. Por isso, opta por um novo estilo de design “Sensuous sportiness” que revoluciona quer o exterior, quer o interior.

O modelo está assente também numa forte evolução na conectividade, assim como no capítulo da segurança e, obviamente, a garantia líder de mercado (7 anos sem limite de quilómetros).

Segundo a marca, em Portugal, o Hyundai i20 terá o melhor posicionamento de mercado, naquele que foi o maior investimento que a Hyundai Portugal já fez num modelo, com um arranque robusto logo no início das vendas.



Quanto a dimensões, o Hyundai i20 cresceu muito pouco, apenas 5mm (mas 10mm entre eixos), mas está mais baixo e largo, o que lhe dá uma melhor e mais desportiva aparência.

A gama está composta, por enquanto, por três níveis de equipamento: Confort, que já conta com jantes de 16’’, ar condicionado, câmara de estacionamento, sensores de estacionamento traseiro, vidros escurecidos e cluster digital; a Style, que acresce a isso o Drive Mode, ar condicionado automático, sensores de chuva.

Para quem quer tudo, o Style Plus ainda oferece apoio de braços dianteiro, smart key e sistema de iluminação Full Led, tanto na dianteira como na traseira.

Os dois últimos modelos podem contar com pintura Two Tone, opcional no Style, de série no Style Plus. Os interiores contam com três opções de personalização.

Quanto a motores, o 1.2 MPi de 84 regressou e está mais eficiente, emitindo menos CO2 e quase menos um litro a cada cem quilómetros, e é a porta de entrada na gama. Para quem procura mais performances, o 1.0 T-GDi é a escolha a tomar; com 100cv está disponível com transmissão manual de 6 velocidades ou DCT de 7 relações.

O modelo está mais barato que o seu antecessor, com uma gama a começar nos 16.040€ para o Confort com o motor 1.2 MPi de 84cv, até aos 21.180€ para quem escolher o 1.0 T-GDi de 100cv no nível Style Plus, com transmissão DCT.

Claro que existe uma campanha de lançamento, que para além da valorização à retoma ainda permite que até 31 de Dezembro o cliente particular consiga trazer para casa um novo Hyundai i20 por menos 1.500€ que o preço de tabela, o que significa um “preço de entrada” de 14.540€, um valor verdadeiramente interessante.



No primeiro contacto o Hyundai i20 revelou-se mais “crescido”, ou seja, mais insonorizado e plantado à estrada. A condução está também mais divertida que no seu antecessor, com uma direção mais comunicativa. O chassi foi mesmo o primeiro ponto-forte que encontrei no primeiro curto contacto com este segmento B, que só fez pensar como será o i20 N que chegará no início do segundo trimestre do próximo ano.

O novo cluster digital e sistema de Apple CarPlay/Android Auto sem fios são também dois passos na direção certa, enquanto o volante de quatro braços, embora possa não ser do agrado de todos, tem uma ótima pega e faz-nos esquecer disso. Os consumos, num circuito misto, com algum explorar e muita cidade ficaram nos 6,6L/100km, o que não é de todo negativo, tendo em conta que a unidade em questão não tinha nem um milhar de quilómetros percorridos. Notou-se que está mais poupado.

Quanto ao espaço, é possível também sentir o incremento nos lugares traseiros, no que toca ao espaço para as pernas, enquanto a bagageira, com 351L, revela-se um bom valor tendo em conta o segmento onde se insere.

No final, este primeiro contacto foi muito positivo, num automóvel que foi pensado para os Europeus com verdadeiros atributos para alcançar um lugar mais acima no “TOP” de vendas nacional. Chega em Janeiro.

Atributos tem, e não são poucos, são bastantes…

 

Rodrigo Hernandez Fundador e Director Editorial, criou o MotorO2 em 2012 devido a uma tremenda vontade de escrever acerca da sua grande paixão: os automóveis! Paixão essa que existe mesmo antes de falar, já que a sua primeira palavra foi a de uma conhecida marca de automóveis. Sim, a sério!