Início Ensaios Alfa Romeo Stelvio em teste com o motor diesel de 160cv

Alfa Romeo Stelvio em teste com o motor diesel de 160cv

Alfa Romeo Stelvio em teste com o motor diesel de 160cv
0
0

“Cativar é possível”

 

O Stelvio é o verdadeiro SUV, o verdadeiro modelo familiar com uma faceta desportiva, mesmo nesta unidade em ensaio, que equipava o motor diesel menos potente. Foi desta maneira que a Alfa Romeo se apresentou neste mercado em 2017. Agora, altura em que chega o seu “irmão” Tonale, voltámos ao volante deste SUV de segmento D para ter novamente a experiência dessa dinâmica, assim como entender como se comporta face à concorrência que não parou de evoluir.

Este modelo teve uma ligeiríssima renovação em 2019, que fez com que este modelo evoluísse principalmente no capítulo tecnológico. Dessa forma, o exterior deste Alfa Romeo permanece elegante, com uma dianteira imponente, onde o “scudetto” é destaque, com uma linha estilística inaugurada no Giulia, com o qual partilha a plataforma Giorgio. A lateral continua também ela inalterada, com uma imagem tipicamente “Alfa”, ou seja, com linhas mais emocionais e, mesmo sendo este o primeiro SUV da marca de Arese, não deixa de ser reconhecível como uma criação dela própria. Na sua traseira, as duas ponteiras de escape generosas, demonstram que a dinâmica e desportividade é algo que está sempre presente em todos os seus modelos.



Já no seu interior encontramos diferenças, embora não sejam revolucionárias, mas que fazem muita diferença, na realidade. Isto porque em 2019, a Alfa Romeo dotou o Stelvio (e o Giulia) com um novo sistema de infoteinment, mais evoluído e com novos comandos, o que também levou a que a marca alterasse parte da consola central, conferindo aos modelos também um novo comando da transmissão automática. Algo que já puderam ler no ensaio ao Stelvio mais “puro” de todos, o Quadrifoglio.

De resto, continuamos com um habitáculo também ele mais desportivo, mas, acima de tudo, muito ergonómico e fácil de utilizar, graças a comandos físicos que evitam um uso extenso de ecrãs. Aqui, alguns vão achar a falta de um painel de instrumentos 100% digital, contudo, este aqui usado conta com uma leitura fácil e um computador de bordo a cores ao centro. O volante de dimensões perfeitas, conta com as patilhas da caixa de velocidades em metal e fixas. As melhores que podemos encontrar no mercado, tendo em conta que este é um automóvel “convencional”.

Atrás, espaço para três, embora o túnel central seja algo generoso e limite um pouco o espaço para as pernas de quem vai a meio. Existe saída de ventilação dedicada, duas entradas USB, assim como porta-ski ou apoio de braço, portanto cumpre na função familiar. A bagageira com 525L também é suficiente para as tarefas do dia-a-dia, ou para as viagens mais longas.

No interior existem, no entanto, pontos melhoráveis, já que alguns materiais poderiam ser um pouco mais cuidados, embora esta unidade não tenha apresentado quaisquer ruídos parasitas ou falhas de montagem. Também o sistema multimedia, merecia ainda mais cuidado, já que embora tenha sido renovado e esteja efetivamente mais evoluído, continua a contar com um revestimento no ecrã que não evita as reflexões de luz em certas alturas do dia.



Passando para “ação”, este Stelvio contava com o motor 2.2 Turbo Diesel de 160cv aliado a uma excelente transmissão automática ZF de 8 relações, que envia a potência para as rodas traseiras. Este motor revela-se suficiente para “empurrar” os mais de 1700kg que este Alfa Romeo assume na balança, embora não seja explosivo, notando-se alguma diferença para o mesmo propulsor de 190cv. No entanto, os 5000€ a menos fazem pensar se vale a pena o investimento, ou se é usado antes em equipamento opcional.

Isto porque, mesmo com uma potência mais comedida, o seu comportamento é praticamente alvo de reparos, continuando a ser uma referência para quem procura dinamismo num SUV. A direção é rápida e direta, com um chassi que aceita esses “inputs” e que precisa de muito para ser descompensado, graças a uma suspensão que faz tudo para manter as rodas com maior contacto possível com o asfalto. A transmissão é uma verdadeira “gema” e ajuda a passagens rápidas, com os travões a “mordem” bem e a apresentarem um bom tato no pedal, fazendo com que conduzir rápido este Stelvio seja tarefa fácil, mas, acima de tudo, muito agradável.

Quanto a consumos, em modo Normal (existem três modos: All Weather/Normal/Dynamic) o Stelvio 2.2 Turbo Diesel de 160cv apresentou uma média final de 6,7L/100km em percurso misto, conseguindo apresentar a uma velocidade estabilizada de 120km/h uma média pouco acima dos seis litros aos cem quilómetros.

Esta versão Sprint já se encontra bem equipada de série, no entanto aconselhamos a regulação elétrica do banco do condutor (esta unidade não contava). Aqui presente estava o Pack ADAS L2 que contava com variados elementos de ajuda à condução, como sistema de condução semiautónoma em autoestrada, assistente de ângulos mortos, assim como sensor de fadiga e controlo inteligente de velocidade. O preço desta unidade era de 66.908€, numa gama que inicia nos 61.150€.

O Alfa Romeo Stelvio continua então a ser o melhor SUV para quem provavelmente não gosta de SUV. Pode não ser o mais interessante para quem gosta de ecrãs a bordo, mas conduzi-lo é sempre uma surpresa agradável, ao interagir com um modelo que apresenta um comportamento dinâmico tão interessante. O motor de 160cv chega para as encomendas, embora o de 190cv possa ser mais interessante. Em breve será renovado, agora também no capítulo estético, algo que já se conhece e que estará disponível já nos próximos meses.

Rodrigo Hernandez Fundador e Director Editorial, criou o MotorO2 em 2012 devido a uma tremenda vontade de escrever acerca da sua grande paixão: os automóveis! Paixão essa que existe mesmo antes de falar, já que a sua primeira palavra foi a de uma conhecida marca de automóveis. Sim, a sério!