Início Ensaios “O Hybrid renovou-se” – Hyundai Ioniq HEV 1.6 GDi

“O Hybrid renovou-se” – Hyundai Ioniq HEV 1.6 GDi

“O Hybrid renovou-se” – Hyundai Ioniq HEV 1.6 GDi
0
0

“Cabeça de cartaz”

 

Os modelos híbridos ainda são vistos como uma alternativa futurista, por isso era primordial que a Hyundai atualizasse o seu Ioniq, o modelo que a lançou verdadeiramente para o mundo dos automóveis amigos do ambiente.

Na verdade, a Hyundai já conta com uma historia rica neste tipo de automóveis, já que foi em 1991 que desenvolveu o seu primeiro modelo 100% elétrico, tendo depois estudado muito a potencialidade dos sistemas a Fuel Cell (Hidrogénio) que hoje comercializa, através do Nexo, uma das poucas propostas disponíveis para um cliente particular. Antes disso, em 2016 lançaram este Ioniq, que foi o primeiro automóvel a oferecer três tipos de motorizações electrificadas diferentes: Hybrid, Plug-in Hybrid e Electric.

Hoje, voltamos aquele que é o mais “simples” de todos, ou seja, o Hybrid.

Este modelo, que na verdade é uma outra opção da marca para o segmento C, ganhou mudanças em praticamente todos os aspetos. Muitos achariam que não seria necessário, tendo em conta as mais de 60.000 unidades vendidas desde o seu lançamento, mas a marca coreana quer continuar a ser uma das que tem uma das mais jovens gamas do mercado.



Como os olhos “são os primeiros a comer”, no capitulo estético o Ioniq recebe uns novos grupos óticos em LED, com uma nova assinatura luminosa também nos LED diurnos agora verticais. Para além disso, torna-se agora mais fácil distinguir as três versões do Hyundai Ioniq, tendo esta também recebido uma noa grelha dianteira ativa com um logo da marca de maiores dimensões.

As jantes, muito aerodinâmicas, contam também com um novo desenho, enquanto na traseira as mudanças foram mais de pormenor, onde é possível encontrar os novos farolins e alguns detalhes em tons de cinza.

Já o interior que continua com uma boa montagem e materiais agradáveis, recebeu uma mudança mais radical onde se destaca obviamente a consola central. Com muito preto piano (preparem-se para os riscos) a Hyundai optou por um arranjo mais futurista colocando o seu novo ecrã de 10.25’’ no topo, tendo os comandos da climatização logo abaixo, dedicados, mas touch, sem teclas físicas.

O painel de instrumentos também foi renovado, algo que na versão pré-restyling já estava em bom plano, mas que agora recebe um ecrã de 7’’ polegadas. O topo do tablier tem o revestimento em cinza claro, o que deverá ser uma ajuda para manter a temperatura inferior e por isso usar menos a climatização. Nos elétricos, cada elemento conta…

De resto, o equipamento é vasto onde não falta o Android Auto ou Apple Carplay, ou mesmo elementos de conforto como os bancos dianteiros aquecidos e arrefecidos, ou mesmo o volante que pode ser aquecido de forma a encarar as manhas gélidas com outra motivação.

Importante falar também da segurança para quem vai a bordo deste Ioniq, já que a marca dotou o modelo com o conjunto de sistemas SmartSense que, de série, propõe a comutação automática entre máximos e médios, aviso de saída involuntária de via, juntando ainda o detetor de fadiga do condutor, aviso de colisão frontal, ou mesmo travagem automática em caso de rota de colisão com outro automóvel, ciclista ou peão.



No resto deste interior, continuamos a contar com uma proposta espaçosa e com uma bagageira acima da media, com 456L de capacidade, mais 115L que a versão Plug-In e 61L que um Hyundai i30 Hatchback.

Já em condução, o Hyundai Ioniq continua a ser a mesma proposta poupada de sempre. Ao juntar o motor 1.6 GDi com um motor elétrico e a transmissão DCT, o Ioniq afasta-se assim das propostas “tradicionais” com transmissão CVT. Os seus 141cv e 265Nm são suficientes para um automóvel deste tipo, oferecendo em troca um consumo facilmente abaixo dos 5l/100km em ciclo misto.

Para isso podemos contar com as patilhas de seleção, que passam a ter dupla função. No modo ECO ajustam a “força” da regeneração, enquanto em modo Sport nos permitem reduzir ou aumentar a relação que estamos.

No final, um Hyundai Ioniq como este pede-nos em troca menos de 30 mil euros, por uma proposta super equipada, com um baixo apetite por combustível e que oferece um bom espaço e conforto a bordo. Talvez o modelo dentro da gama que mais divida a atenção com este seja o i30 Fastback, que também merece dar uma “vista de olhos”. É verdade que não tem um sistema híbrido como este Ioniq, mas é bem mais acessível…


Hyundai Ioniq HEV 1.6 GDI DCT

Especificações:

Potência combinada– 141cv
Binário combinado – 265Nm
Aceleração do  0-100 (oficial): 10,8s
Velocidade Máxima (oficial): 185km/h
Consumo Combinado Anunciado – 4,5L/100km
Consumo Combinado Medido – 5,1L/100km

Preços:
Unidade ensaiada: 34.400€ (c/opcional Pack Plus e pintura metalizada)

 

Rodrigo Hernandez Fundador e Director Editorial, criou o MotorO2 em 2012 devido a uma tremenda vontade de escrever acerca da sua grande paixão: os automóveis! Paixão essa que existe mesmo antes de falar, já que a sua primeira palavra foi a de uma conhecida marca de automóveis. Sim, a sério!