Início Ensaios Citroën C3 1.2 PureTech 110

Citroën C3 1.2 PureTech 110

Citroën C3 1.2 PureTech 110
0
0

“1000 em 1”

Quem é que se lembra daquelas cassetes que havia para as consolas dos anos 80, que faziam o feito inédito de ter mil jogos numa só pequena peça de plástico? Eu lembro-me delas, e lembro-me também que não eram mil jogos, mas no máximo uns 10, em que só mudavam as cores e os sons.

Porque é que usei este título para o ensaio a este Citroen C3? Porque esta unidade que ensaiámos parece uma dessas cassetes, que faz o milagre de ter tanto equipamento numa dimensão tão pequena (3,99m), mais de 10 equipamentos, uma autêntica montra tecnológica.

Primeiro, a estética exterior é cativante e energética, as curvas da carroçaria dão uma robustez interessante ao conjunto, incrementada pela frente elevada, onde o doble chevron “abraça” os faróis diurnos em LED, deixando mais abaixo os principais, responsáveis pelos médios e máximos.

É também na frente que podemos começar logo a ver a personalização à qual o novo C3 pode estar sujeito. No pára-choques, rematado a plástico preto, surgem os faróis de nevoeiro com uma inserção vermelha, tal como o tejadilho e as capas dos espelhos. Esta é só uma das 36 personalizações disponíveis para criar contrastes interessantes, de forma a ter um Citroen C3 só seu.

Na lateral destacam-se os Airbumps, que tem dois propósitos. Primeiro, este material em poliuretano termoplástico protege as portas do C3 de pequenos impactos; depois, sejamos sinceros, dá estilo a este modelo francês. As jantes de 17″ de dois tons são opcionais, mas contribuem para uma imagem ainda mais atrativa. A traseira arredondada conta com um desenho feliz, mas robusta, sem exageros. O pára-choques negro dá o mote, enquanto os farolins em LED transmitem a modernidade que tanto se destaca quando passamos para o interior.

E é aqui que o C3 poderá dar o golpe final para cativar os clientes. O efeito “casulo” é conseguido pelos bancos bastante confortáveis e acolhedores, meticulosamente projetados com o uso de espumas flexíveis e revestimentos suaves com a forte preocupação de oferecer um bom apoio lateral e lombar. É sentados que conseguimos apreciar o revestimento do tablier, que nesta unidade mais equipada – Shine – é em pele sintética com pespontos vermelhos. O detalhe é uma das armas do C3 seja nas pegas das portas, nos revestimentos ou padrões, tudo feito com muito savoire-faire ao melhor estilo francês.

Ao centro do tablier de desenho horizontal, surge o ecrã tátil de 7″, e é aqui que temos o controlo sobre quase todas as funções, seja a climatização, a navegação, o telefone ou o rádio. Mas como estamos a bordo do novo C3, contamos também com o sistema CarPlay e Android Auto, o que torna tudo mais conectado. E por falar em conectividade, é importante referir a ConnectedCam. Se no Cactus a invenção foram os Airbumps, aqui foi esta câmara HD posicionada logo abaixo do espelho retrovisor, e que tem duas tarefas: a primeira de segurança, que em caso de acidente grava os 30s antes do impacto e os 90s após o mesmo, e a segunda função está mais relacionada com os tempos modernos, ou seja, com um simples toque no botão pode gravar ou fotografar algo que queira partilhar nas redes sociais.

Mas os elementos tecnológicos não terminam por aqui. A navegação 3D pode ser controlada por voz, a câmara de visão traseira torna as manobras numa brincadeira, enquanto o alerta de transposição de faixa, o reconhecimento de sinais, o alerta de sonolência e a vigilância de ângulos mortos tornam a condução numa tarefa mais relaxante e segura.

Relativamente à condução, temos debaixo do capot o motor mais potente da gama C3, o 1.2 PureTech de 110cv, ligado a uma caixa manual de 5 velocidades que consegue ter prestações bastante interessantes, aliado a um bom trabalho feito ao nível da insonorização. Os consumos são honestos, com um valor misto de 6,3L a cada cem quilómetros, um pouco acima da versão diesel (inserir hiperligação), mas que conta com um funcionamento mais suave e prestações mais elevadas. A condução é divertida, notando-se alguma diferença por contar com as jantes de maiores dimensões, ficando mais desportiva, embora exiba ainda um pouco de rolamento de carroçaria (para bem do conforto). É fácil e agradável de conduzir, mesmo a velocidades mais elevadas. A capacidade de travagem também está num bom nível, graças ao baixo peso do conjunto.

O novo Citroen C3 é o verdadeiro “1000 em 1”, um automóvel conectado e atual, preocupado com a segurança dos seus ocupantes e dos outros condutores, não esquecendo a preocupação com o ambiente, como mostram as baixas emissões e consumos. Ao mesmo tempo que é um automóvel confortável, espaçoso e com muitas hipóteses de personalização, por um preço justo.

Citroën C3 Shine 1.2 PureTech 110 S&S CVM5

Especificações:

Potência – 110cv às 5500rpm
Binário – 205Nm às 15000rpm
Consumo Combinado Anunciado – 4,6L/100km
Consumo Combinado Medido – 6,3L/100km

Preços:

Gama Citroën C3 desde: 13.608€
Preço da versão ensaiada : 18.358€
Preço da viatura ensaiada (c/opcionais): 19.858€
(valores sem despesas administrativas e taxas)

Este slideshow necessita de JavaScript.

Citroën C3 1.2 PureTech 110
15.9 Pontos
O que gostámos mais:
- Aspecto e equipamentos disponíveis
O que gostámos menos:
- Precisão da caixa de velocidades
Resumindo e concluíndo:
Funky, trendy ou smart. Tudo palavras que seriam excelentes adjectivos para explicar o que é o novo Citroën C3, um modelo "sem medos" e com uma grande capacidade de personalização.
Motorização16
Perfomances15
Comportamento16.5
Consumos17
Interior17
Habitabilidade16
Materiais/Qualidade de construção15
Equipamento de Série16
Value for Money15

“A pontuação acima é totalmente da nossa opinião. Esta, tem a ver com o modelo e versão ensaiadas, tendo em conta o segmento onde a mesma se insere.”

Legenda da pontuação:
0-5: Mau;
5-10: Satisfaz Pouco;
10-15: Razoável;
15-17: Bom;
17-19: Muito Bom;
19-20: Excelente;

Rodrigo Hernandez Fundador e Director Editorial, criou o MotorO2 em 2012 devido a uma tremenda vontade de escrever acerca da sua grande paixão: os automóveis! Paixão essa que existe mesmo antes de falar, já que a sua primeira palavra foi a de uma conhecida marca de automóveis. Sim, a sério!