Início Ensaios Abarth 124 Spider 1.4 MultiAir 170

Abarth 124 Spider 1.4 MultiAir 170

Abarth 124 Spider 1.4 MultiAir 170
0
0

“O Lado negro da força”

A Fiat está, e ficará sempre, de mãos dadas com a Abarth. Quando a 4ª geração do roadster mais vendido do mundo, o Mazda MX-5, começou a ser comentada e se percebeu que iria ser feito em parceira com a empresa Italiana, é obvio que todos começámos a pensar que a Abarth ia desenvolver algo mais “picante”. Felizmente fê-lo, e aqui está ele.

Se o Fiat 124 Spider é uma proposta mais do tipo “grande turismo” elegante, feito para cruzar longos quilómetros com um total conforto, o Abarth é como no 500, o elemento mais radical e emocional, com tudo a apontar para a dinâmica e a melhor experiência de condução, isto numa embalagem que continua a ser muito elegante e com tracção traseira, só pode prometer…

Não deixando os bonitos traços do modelo do qual deriva, cheio de dinamismo e até mesmo alguma robustez, o Abarth 124 Spider distingue-se, nesta unidade, pela pintura especial, com o capot e tampo da mala de forma a evocar o modelo original, o Fiat Abarth 124 Rally, que foi apresentado em Novembro de 1972 de forma a conseguir uma homologação para participar nos ralis de Gr.4, e de forma também a substituir o Fiat 124 Sport Spider.

O modelo co-produzido pela Abarth foi depois incluído na gama Sport Spider da Fiat, e era oferecido nas versões 1600 e 1800.

“Abarth é o elemento mais radical e emocional, com tudo a apontar para a dinâmica e a melhor experiência de condução”

Agora, com o símbolo da marca criada por Carlo Abarth, um Italo-Austriaco, bem cravado na frente que exibe os seus históricos faróis amendoados, que trazem também o futuro com a inclusão de elementos LED. É também na longa dianteira que encontramos os mesmos vincos que ostentavam na frente daquele que foi o modelo que venceu o campeonato Europeu de Rallyes em 1972.

É também por baixo desse longo capot, que se esconde o motor que dá potência a toda a gama Abarth. Aqui encontramos o já bem conhecido 1.4 Multiair sobrealimentado de 170cv, o que o torna dos três (Abarth-Fiat-Mazda) o mais potente, com o mesmo a passar-se com o valor do binário, a fixar-se nos 250Nm. Nos valores, não há como combater os motores turbo.

Mas, se a sua aparência exterior e ficha técnica já nos deixam com desejo de o conduzir, essa vontade aumenta ainda mais depois de carregar no botão Start. Dentro do seu habitáculo repleto de bons detalhes, com vários revestimentos em pele e alcântara, o emblema do escorpião está presente em muitos locais, tal como uma placa identificativa do modelo no túnel central. Todos os elementos essenciais para a condução estão perfeitamente dispostos de forma ergonómica, para além de uns bancos que garantem um bom apoio nas curvas feitas de forma mais vigorosa.

O tal toque nesse botão desperta os 170cv, que parecem ser bem mais do que isso, tal é o som originado pelo sistema de escape Record Monza com quatro ponteiras de escape, exibindo um som muito grave e encorpado.

Começamos a apaixonar-nos por este modelo. Os primeiros quilómetros são agradáveis e mostram que este 124 Spider pode ser mesmo o Abarth mais fácil de viver, ou seja, é mais abrangente, já que mesmo em cidade não se revelou demasiado desconfortável ou “fora de água”. Nas nossas estradas de eleição, é um hino ao automóvel.

Para explicar porque afirmámos isto, vamos antes falar do chassi, para depois passar para o grupo motopropulsor. Equilibrado com uma repartição de peso perfeita (50:50), foi ainda melhorado pela equipa de engenheiros da Abarth. Os amortecedores e molas foram revistos, para uma condução mais desportiva, reduzindo o rolamento e conseguindo tolerar melhor as mudanças de direcção súbitas, fáceis de alcançar devido à direcção com bom peso e bastante directa.

Os travões também aumentaram a sua dimensão e resistem agora bem mais aos abusos que os de série, presentes no 124. Produzidos pela Brembo e com as maxilas pintadas de vermelho (como manda a lei do estilo Italiano), são incansáveis, apoiadas pelos pneus Bridgestone Potenza e claro, pelo baixo peso do conjunto, com o 124 Spider a acusar apenas 1060kg na balança, o que dá a este magriço uma relação peso/potência de apenas 6,2kg/cv. É obra…

Mas ainda mais importante que tudo isso, e que dá uma superior diversão ao volante, é a inserção do diferencial traseiro autoblocante que possibilita que a tracção seja bem repartida pelas duas rodas traseiras, e dá a possibilidade de derivas fáceis de controlar, muitas vezes apenas pelo pedal da direita, o que demonstra uma vez mais o perfeito equilíbrio deste Abarth.

O motor é um pouco “à antiga”, ou seja, apresenta um pouco de lag do turbo nas rotações mais baixas, mas que rapidamente começa a “acordar” e fica com um som cada vez mais alto, e consequentemente com uma resposta muito pronta e eficaz nos regimes mais altos. Esse que é o local preferido de funcionamento deste motor de 170cv, com saídas de curva rápidas graças ao binário, que está presente num regime baixo. Acima de tudo é um prazer explorar este motor, graças à caixa de seis velocidades. É suave, muito bem escalonada, com funcionamento mecânico e engrenamento curto. O som, é o que ajuda a aumentar ainda mais toda aquela aura tipicamente italiana, emocionante, como só eles sabem fazer…

“Começamos a apaixonar-nos por este modelo…”

O Abarth 124 Spider é rápido, sem dúvida, mas não é um quebra-recordes, ou seja, vai deixá-lo com um sorriso de orelha a orelha, fará curvas de forma estonteante e, até, discutir com ele algumas curvas devido à sua traseira divertida. Mas em arranque, os 0 aos 100km/h são cumpridos em 6,8s e a velocidade de ponta termina nos 232km/h, bons valores, no entanto.

Ah! E não nos podemos esquecer do modo Sport, que foi aquele em que o Abarth esteve em praticamente todo o ensaio. Nesse modo, todas as respostas ficam mais prontas, e o 124 Spider permite “atravessar-se” mais (pode ainda ser desligado o ESP, factor que não aconselhamos na via pública).

Só falta falar do assunto chato, mas que nem aqui achámos que seja muito mau para o Abarth: o preço. Começa abaixo dos 42 mil euros, mas dispomos aqui de uma proposta exclusiva, completamente apaixonante, com um som que dá vontade de ir pelo maior caminho até casa. O seu comportamento é divertido e fácil de andar perto dos limites. O melhor de tudo? Pode partilhar com mais alguém, numa estrada, a céu aberto. Vá buscar um, que eu vou continuar a pensar nisso…

Até agora, é o nosso Abarth preferido…

Abarth 124 Spider 1.4 Multijet 170 MT6

Especificações:

Potência – 170cv às 5500 rpm
Binário – 250Nm às 2500 rpm
Consumo Combinado Anunciado – 6,4L/100km
Consumo Combinado Medido – 7,0L/100km
Velocidade máxima (anunciada): 232km/h
Aceleração 0-100km/h (anunciada): 6,8s

Preços:
Abarth 124 Spider desde: 41.994€
Preço base da unidade ensaiada: 47.744€

Edição de foto: Rodrigo Inocêncio

Abarth 124 Spider
16.6 Pontos
O que gostámos mais:
- Diversão, - Exclusividade, - Transmissão/Motor, - Design, - Sonoridade,
O que gostámos menos:
- Preço, - Alguns opcionais,
Resumindo e concluíndo:
O Abarth 124 Spider é mais uma "lufada de ar fresco" no nosso mercado. Divertido como poucos, exclusivo como um Abarth deve de ser. Um verdadeiro "Driver's Car"!
Motorização17.5
Perfomances17.5
Comportamento18.5
Consumos17
Interior16.5
Habitabilidade14.5
Materiais/Qualidade de construção16.5
Equipamento de Série15.5
Value for Money15.5

“A pontuação acima é totalmente da nossa opinião. Esta, tem a ver com o modelo e versão ensaiadas, tendo em conta o segmento onde a mesma se insere.”

Legenda da pontuação:
0-5: Mau;
6-10: Satisfaz Pouco;
11-15: Razoável;
16-17: Bom;
18-19: Muito Bom;
20: Excelente;

Rodrigo Hernandez Fundador e Director Editorial, criou o MotorO2 em 2012 devido a uma tremenda vontade de escrever acerca da sua grande paixão: os automóveis! Paixão essa que existe mesmo antes de falar, já que a sua primeira palavra foi a de uma conhecida marca de automóveis. Sim, a sério!