Início Ensaios Teste ao Volvo XC60 T6 Plug-In Hybrid: “Mais do que suficiente”

Teste ao Volvo XC60 T6 Plug-In Hybrid: “Mais do que suficiente”

Teste ao Volvo XC60 T6 Plug-In Hybrid: “Mais do que suficiente”
0
0

“Balanço”

 

Falar de Volvo já começa a ser sinónimo de uma forte ligação com a tecnologia híbrida, tecnologia essa que tem ajudado a incrementar as vendas da marca Sueca. Depois da elegante V60 T6, foi altura de testar o SUV XC60, com o mesmo grupo motriz de 340cv de potência combinada.

O Volvo XC60 é um sucesso para a marca, conseguindo elevados números de vendas com os motivos à vista, juntando um exterior que consegue cativar (praticamente) todos os públicos, conjugando uma imagem desportiva e elegante, com a robustez típica dos modelos Volvo. Nesta unidade, na versão Inscription, as jantes de 20’’ e a pintura Cinzento Pine parecem ter sido “escolhidas a dedo” para ir buscar o melhor que este XC60 tem para oferecer.



Para além de um exterior que agrada, o interior sabe receber com a típica qualidade oferecida pelos modelos da marca, assim como pelo conforto dos bancos. A posição de condução é confortável e possível de um amplo ajuste, enquanto todos os elementos de segurança – imagem de marca – estão disponíveis para ajudar o condutor. Quanto ao espaço, ideal para quatro, mas suficiente para cinco adultos. A bagageira, neste Recharge (Plug-in), vê a sua capacidade descer uns imperceptíveis 15L, apresentando 468L, se compararmos com uma versão puramente a combustão.

Esta proposta T6 oferece-nos 340cv e tração integral (AWD), onde o motor 2.0L debita 253cv enquanto o elétrico 88cv. Estes, em conjunto com a bateria de 11,6kWh, homologam uma autonomia de 52km. Na prática, essa distância é possível de ser percorrida sem emissões, mas a melhor maneira é mesmo deixar o Volvo XC60 T6 escolher a sua distribuição e aproveitar as médias que conseguem ficar abaixo de 5L nos primeiros 100km, ou então aproveitar o modo “Hold” e guardar esses quilómetros para utilizar em cidade.

Depois disso, já com a “bateria vazia” e com algum uso do modo “B”, o sistema híbrido até consegue apresentar consumos comedidos, conseguindo médias em torno dos 7L/100km. Valor interessante, tendo em conta a sua potência, o seu peso (2169kg) e a tração integral, que é uma importante aliada tanto para quando o alcatrão acaba, como para quando a meteorologia não ajuda e resolve molhar o asfalto.



Falando um pouco da parte dinâmica, nota-se que a Volvo endureceu um pouco a suspensão deste XC60 para tolerar mais o seu peso elevado, assim como minimizar as oscilações de carroçaria. No entanto, nada que belisque a permanente sensação de conforto.

Acima deste XC60 T6 Recharge está o T8, que oferece mais 40cv em troca de 4200€ mais, algo que não vale a pena em termos de performances (apenas mais rápido 0,6s dos 0 aos 100km/h), e em que aconselho a gastar em opcionais, como por exemplo os Pack Power Seats ou o Driver Assist, que incluem elementos de conforto e de (ainda mais) segurança ativa.

Esta unidade custava 78.877€ já com todos os opcionais, numa gama híbrida que neste XC60 começa nos 69.406€. No mercado é um dos melhores SUV híbridos que se podem comprar, fazendo um bom balanço entre as prestações e consumos, sem esquecer a segurança que sentimos a bordo de um modelo da marca helvética.

Rodrigo Hernandez Fundador e Director Editorial, criou o MotorO2 em 2012 devido a uma tremenda vontade de escrever acerca da sua grande paixão: os automóveis! Paixão essa que existe mesmo antes de falar, já que a sua primeira palavra foi a de uma conhecida marca de automóveis. Sim, a sério!