Início Ensaios Honda Africa Twin: O legado continua

Honda Africa Twin: O legado continua

Honda Africa Twin: O legado continua
0
0

“Rainha do deserto (e não só)”

Estamos a meio de mais uma prova do Rally Dakar. Nos últimos anos, a prova atravessou o oceano e instalou-se de “armas e bagagens” no continente sul-americano. Este ano liga o Paraguai com a Bolívia, terminando na Argentina, o que faz no total 9000 km, dos quais 4000 são contra o cronómetro. Estes vão desafiar a resistência e a capacidade de navegação dos quase 500 competidores, divididos entre 391 veículos.

Hoje temos pilotos a lutar pela conquista nas motos (que ainda não conseguimos). António Lopes, o primeiro Motard português a participar nesta enorme aventura, levava consigo, na edição de 1991, a sua Honda Africa Twin, sendo campeão nacional de enduro no ano anterior, e conseguindo números interessantes “fora de portas”.

Nessa edição, o percurso ligou Paris a Tripoli, e terminou junto ao Lago Rosa em Dakar. António já ocupava o 20º lugar na geral, mas uma queda no Mali levou-o a abandonar a prova devido às lesões que sofreu, sendo evacuado de helicóptero, e não voltou mais.

Por isso, como forma de prestar tributo a António Lopes e à sua fantástica Honda XRV650 Africa Twin Marathon resolvemos ensaiar a “herdeira” deste espírito “go anywhere”, a nova CRF1000L Africa Twin, que conta com um potente motor bicilíndrico, junto a um quadro de baixo peso e uma ciclística ágil que melhora a condução, seja na estrada ou fora dela.

No nosso ensaio, contamos com a versão DCT (Dual Clutch Transmission), exclusiva da Honda, que junta o ABS, que pode ser desligado para a roda traseira, ao sistema de controlo de tracção HSTC (Honda Selectable Torque Control).

No que toca ao estilo, é beneficiada pela motorização compacta, usando o mínimo de peças exteriores, o que se reflete na sua silhueta esguia. O depósito compacto foi concebido para aumentar o conforto do condutor. Todos os elementos foram pensados para o mínimo de danos em caso de pequenas quedas. Os dois faróis LED prestam tributo à XRV750L, uma tecnologia que é também usada no farolim traseiro em LED.

O painel de instrumentos oferece todas as informações necessárias, com fácil leitura e apresentado de forma vertical, como numa moto de rally raid! A parte inferior conta com o relógio, a mudança engrenada, HSTC, computador de bordo, combustível e indicador de temperatura.

Altura de arrancar!

A forma de gerir esta caixa é bastante simples. A DCT conta com o selector de up shift na parte frontal do punho esquerdo, ao alcance do dedo indicador, enquanto que as reduções ficam encarregues de um toque do polegar na parte posterior do punho. Esta unidade contava ainda com o opcional de mudança de pé, sem recurso à embraiagem…

Os comandos do lado direito permitem selecionar entre automática ou manual, e um interruptor do “espírito” da Africa Twin: D-S, para condução normal ou desportiva.

A Honda revelou que o motor foi desenvolvido para entregar o binário de forma a permitir uma utilização dócil em viagens longas, o que podemos confirmar logo após os primeiros quilómetros.

Os seus 998cm³ de cilindrada revelaram um excelente equilíbrio, com 95cv entregues às 7500rpm. O binário máximo de 98Nm é entregue um pouco mais antes, às 6000rpm, sendo que este novo motor possui uma curva de potência linear e directa.

Isto tudo em conjunto com uma caixa de velocidades exemplar, que não apresenta perdas de potência nem quando as trocas de mudanças são feitas pelo acessório de pé, tornando-se viciantes e uma mais valia para quem aprecia manter “certas tradições”.

Ainda assim, esta versão da Africa Twin está totalmente preparada e equipada para ser usada em ambientes mais aventureiros, com a funcionalidade off-road melhorada pelo botão G. Ao carregar neste, em qualquer modo de condução, modifica o controlo do sistema de embraiagem permitindo uma condução mais directa em piso mais acidentado ou solto.

O sistema de controlo de tracção também pode ser seleccionado, com quatro níveis: 1, 2, 3 e Off (desligado). O grau de controlo electrónico destes sistemas diminui à medida que os níveis aumentam, permitindo quantidades crescentes de ‘patinagem’ da roda traseira e, com o ABS traseiro desligado, o condutor pode bloquear livremente a roda traseira.

A facilidade de condução é um ponto conseguido, com uma excelente postura e maneabilidade nesta moto, que usou como modelo de base de trabalho a original XRV750L.

Resta falar das suspensões, que na frente usa uma forquilha invertida da Showa, com uma dimensão de 45 mm e o amortecedor traseiro, também da mesma marca, que possui ainda a afinação hidráulica da pré-carga da mola. Esta permite uma boa inserção em curva, confiante e sem surpresas. O sistema de travagem também incrementa essa confiança, crescendo a cada quilómetro percorrido. Facilmente doseável, os dois discos flutuantes de 310mm, são perfurados e ondulados e garantem uma potente e decidida “mordida” dos quatro êmbolos da Nissin.

Tal como a CRF450R Rally, a CRF1000L Africa Twin está equipada com jantes de 21 polegadas à frente e 18 polegadas atrás, dimensões que permitem montar pneus específicos para off-road.

Juntando-se a tudo isso, os custos de utilização são baixos, com os 18 litros de capacidade do depósito a conseguirem uma autonomia de mais de 400km, graças ao consumo homologado de apenas 4,6Lt/100kms!

Por isso, a Honda continua a ter uma das propostas mais apaixonantes das motos deste tipo. A Africa Twin continua a ser uma referência graças ao seu motor “camaleónico”, ao seu design elegante e robusto e ao bom comportamento. A caixa de dupla embraiagem DCT foi uma boa surpresa e um dos pontos mais notórios neste contacto, deixando-nos bastante surpresos e rendidos. Que grande regresso!

Especificações:
Honda CRF1000L Africa Twin DCT

Tipo do Motor: 4 tempos, 4 válvulas por cilindro, dois cilindros paralelos, cambota a 270°
Cilindrada: 998 Cm3
Diâmetro x Curso: 92,0 x 75,1mm

Potência:95CV (70 kW)/7.500 rpm (95/1/EC)
Binário:98 N·m/6.000 rpm (95/1/EC)
Peso a seco: 222kg

Consumo Anunciado (medido): 4,6l/100km (5,6l/100km)
Capacidade do tanque: 18,8l

Preços:

Honda CRF1000L Africa Twin (ABS MT) desde: 13.250€
Africa CRF100L Twin DCT desde: 14.300€

Este slideshow necessita de JavaScript.

Rodrigo Hernandez Fundador e Director Editorial, criou o MotorO2 em 2012 devido a uma tremenda vontade de escrever acerca da sua grande paixão: os automóveis! Paixão essa que existe mesmo antes de falar, já que a sua primeira palavra foi a de uma conhecida marca de automóveis. Sim, a sério!