Início Ensaios Abarth 695C Rivale

Abarth 695C Rivale

Abarth 695C Rivale
0
0

“Se ‘Gianni’ fosse vivo…”

Este não é só mais um Abarth. Não. É mais do que isso, é a comemoração de duas marcas repletas de tradição, provenientes e consagradas em “polos opostos”, que se unem de forma a criarem um automóvel de extremos: sejam eles de performance ou de bom-gosto.

Logo no nome podemos ver que este não é um 595, é um 695, o que significa que não é montado em série como todos os outros Abarth. Este nasce em Itália, e por ter também esse “seis”, quer dizer que é limitado ou uma edição especial.

Edição especial elaborada para comemorar o 175º aniversário de uma das mais famosas marcas de lanchas, Riva, nascida em Sarnico, e conhecida pelo extenso uso de Madeira nas suas embarcações. No exterior, este Abarth 695 Rivale destaca-se pela escolha de cores, que se inspira nesses mesmos barcos e lanchas da Riva, juntando o Cinzento Ferrari com o Azul Riva, cores separadas por duas finas linhas mais claras Aquamarina, como que se fizesse uma divisão entre o asfalto e o mar, onde ambas as marcas Abarth e Riva, respetivamente, dão cartas.

Embora as cores façam muito para destacar este Abarth, o certo é que este automóvel já faz muito por si só, graças à sua estética agressiva, que transforma um citadino, como o 500, num verdadeiro desportivo.

A dianteira conta com um para-choques mais robusto, numa secção dianteira mais larga de forma a ocultar as suas vias mais generosas. Na lateral, podemos contemplar as exclusivas jantes Supersport, pintadas de cinzento, algo cada vez mais raro na indústria, e que lhe dá um toque de bom gosto. A continuação do espírito desportivo é colmatada na traseira, graças ao seu para-choques que esconde, no seu difusor, o sistema de escape Akrapovic, que até agora só foi utilizado nas versões 695, seja no ‘brutal’ Biposto, ou no tributo à Yamaha, no 695 XSR. Ainda na traseira, destaque para a moldura na porta da bagageira, que evoca a inspiração náutica.

Mas essa inspiração náutica da Riva chega a outro patamar quando abrimos a porta e passamos para o seu interior.

Li, há uns tempos, que a pele azul nos automóveis italianos é sinal de luxo. Se assim é, este Abarth 695 Rivale é prova disso, ainda mais quando é escolhido o pack Mogno (700€), que reveste grande parte do tablier nesse material, idêntico ao que podemos encontrar em modelos como o Acquarama, apresentado em 1956 em Milão e que se tornou num dos modelos mais famosos da Riva.

Esse revestimento passa ainda para as soleiras das portas, para o punho da caixa manual de cinco velocidades, e para o ponto “0” no volante. O bom gosto não foi deixado ao acaso, com a pele a revestir as bacquets típicas da Abarth, juntando isso ao cuidado na montagem. Mesmo sendo um automóvel de pequenas dimensões, dois passageiros é o que a maioria dos Abarth deverá transportar na maior parte da sua vida, não vão encontrar problemas de espaço, num interior que está também bem equipado, com o sistema UConnect Live NAV (400€) que conta, tal como o nome indica, com navegação, assim como os sistemas mais recentes, exemplo do Apple Carplay. Aqui dentro, temos só um reparo, a impossibilidade do Abarth não poder contar com cruise-control, o que daria muito jeito, já que contamos com 180cv debaixo do pé direito, num automóvel que pesa pouco mais de 1000kg…

Nesta variante 695C, o Rivale permite abrir totalmente o tejadilho em lona, que faz muito bem o seu papel no campo da insonorização, fazendo ainda, quando aberto, com que cada viagem seja uma experiência ainda mais única.

Passamos para a condução, e isso é sempre bom quando estamos a bordo de um automóvel deste tipo. A Abarth, na sua atualidade, não é uma marca preocupada com “tempos por volta”, ou “G’s máximos alcançados em curva”. Não.

O que importa mesmo nesta marca é a diversão, e nisso, é muito complicado batê-los. Também, que outra marca poria 180cv num automóvel com 3,66M de comprimento?

O motor é o único disponível na gama, o 1.4 T-JET que debita aqui a mesma potência que no Competizione (que podem ler aqui), um propulsor turbo que garante uma aceleração dos 0-100km/h em apenas 6,7s, e uma velocidade de ponta que supera os 225km/h, sempre com uma sonoridade agressiva, graças à linha específica desenvolvida pela Akrapovic. A sua força (grande força) de travagem está garantida por um sistema de travagem da Brembo, que estabelece uma forte mordida, e que imobiliza este Abarth de forma segura.

Para além disso, esta unidade contava com um dos opcionais mais importantes, o diferencial autoblocante mecânico, que muito faz para garantir a máxima aderência possível a este desportivo de tração dianteira. Com ele, é nos permitindo entrar mais rápido em curva, assim como manter a trajetória e garantir uma saída bem rápida, sem perdas de tração até à outra curva, ou como a Abarth poderia chamar: “local onde as emoções acontecem”.

Para isso, em matéria de suspensões, a Abarth há muito que usa em colaboração com a Koni, suspensões com tecnologia FSD, com amortecimento variável, de forma a que as quatro rodas se mantenham (na maior parte do tempo) no que mais importa, o asfalto. Em conjunto com essa suspensão, as molas Eibach, mais baixas, garantem uma condução divertida, rápida, e sem sobressaltos.

No que toca a consumos, como se porta este Rivale?
“A sério? Perguntam isso?”

Pois bem, podemos dizer que não assusta. Num andamento normal, o consumo é facilmente mantido abaixo dos sete litros aos cem, obviamente esse número aumenta facilmente caso se queira “espremer” o máximo deste Abarth. Contudo, é um “mil e quatrocentos”, o que faz com que esses números não subam assim tão assustadoramente.

O Abarth 695 Rivale junta, por isso, o melhor do luxo italiano, com detalhes náuticos deliciosos, como a madeira de mogno, à pele azul. Tudo numa pequena carroçaria, que conta com uma “garra” e desportividade inéditas neste segmento, exibindo performances capazes de lutar com automóveis de segmento acima.

É também na conclusão que explico o título: ‘Gianni’ Agnelli é o eterno Patrão da FIAT, e o “Avvocato”, como era conhecido, foi também o maior “mister cool” que a história Italiana já viu (e possivelmente verá). Era amante de carros rápidos e de conduzir bem rápido, mas sempre com muito estilo. Os seus automóveis eram vastos, sempre do grupo da casa italiana, com a maioria deles a contarem com interior revestido a pele… azul escura!

Tudo me leva a crer, que se Gianni fosse vivo, certamente guiaria um Abarth 695 Rivale!

“Um Abarth, mas com mais céu?”
O 124 Spider é a solução! 


Abarth 695C Rivale

Especificações:
Potência– 180cv às 5500rpm
Binário – 250Nm às 3000rpm
Aceleração do  0-100 (oficial): 6,7s
Velocidade Máxima (oficial): 225km/h
Consumo anunciado – 6,8l/100km
Consumo medido – 8,0l/100km

Preços:
Versão ensaiada: 33.550€
Unidade testada: 38.350€


Carrega nas fotos para veres o Abarth 695C em detalhe:

Rodrigo Hernandez Fundador e Director Editorial, criou o MotorO2 em 2012 devido a uma tremenda vontade de escrever acerca da sua grande paixão: os automóveis! Paixão essa que existe mesmo antes de falar, já que a sua primeira palavra foi a de uma conhecida marca de automóveis. Sim, a sério!