Início Ensaios Peugeot 508 GT 1.6 Puretech 225

Peugeot 508 GT 1.6 Puretech 225

Peugeot 508 GT 1.6 Puretech 225
0
0

“Um executivo cheio de pressa”

Já conhecemos por aqui o Peugeot 508, modelo que nos deixou com muito boas impressões em praticamente todos os campos, seja pela sua tecnologia a bordo, ou pela imagem que “rasgou” completamente com a geração passada. Mas, até agora, os nossos contactos tinham sido apenas com versões diesel, desde o Allure equipado com o motor 1.5 BlueHDi de 130cv que nos presentou com excelentes consumos, ou o GT ‘First Edition’, com o 2.0 BlueHDi de 180cv que mostrou do que este 508 pode ser capaz.

Então, o que acontece se juntarmos a silhueta desportiva e a dinâmica acutilante, com um motor gasolina com mais de 200cv? Qual é o resultado?

Aqui está ele! Apresentamos o Peugeot 508 GT 225, que é, por enquanto, o 508 mais potente de todos. Tendo por base o motor a gasolina 1.6 Puretech, vê a sua potência subir até aos 225cv, tornando-o melhor no que toca a prestações comparativamente com o diesel mais potente. Mas não é só isso…

Ao falar deste Peugeot, é óbvio que o primeiro destaque vai para o seu aspeto exterior. Mesmo agora, passando o primeiro “hype” típico dos lançamentos, podemos comprovar que este estilo do 508 é muito bem conseguido, conseguindo juntar a agressividade das suas linhas, com a sobriedade necessária neste tipo de automóveis. A sua carroçaria, inspirada nos coupés, dá-lhe a beleza única desse tipo de automóveis, ao mesmo tempo que pouco belisca o conforto a bordo, nomeadamente o espaço.

Nesta versão GT, podemos encontrar como diferenças apenas os badges da versão atrás das portas traseiras (todas elas sem moldura) e as jantes, de 19’’, que são exclusivas. Ao contrário da versão ‘First Edition’, este 508 GT já conta com jantes bicolores, mas mais claras, assim como a grelha, sem os acabamentos mais escuros.

No interior, as diferenças face às outras versões podem ser encontradas no friso decorativo que percorre o tablier, assim como bancos mais envolventes e com acabamentos em alcântara. O logo GT está também presente no inovador volante de pequenas dimensões, nesta nova geração do i-cockpit. Se acha que não foi boa ideia, a Peugeot comprova que desde o seu lançamento, já foram vendidas mais de 5 milhões de unidades com esta nova filosofia… Portanto, não devem estar muito preocupados.

O certo é que este tipo de interior funciona, e no Peugeot 508 foi aprimorado com acabamentos de melhor qualidade, num interior futurista e mais fácil de utilizar. Exemplo disso são os atalhos tipo “teclas de piano” para o novo ecrã de 10’’ polegadas, assim como uma utilização simplificada do painel de instrumentos 100% digital, e que inclui mesmo câmara de visão noturna, que nos alerta quando uma pessoa (ou animal) está no nosso caminho, mesmo antes de os nossos olhos os conseguirem enxergar.

No resto do habitáculo encontra-se um espaço agradável. Porém, mesmo que tenha dito acima que não tenha beliscado muito o espaço interior, o certo é que no seu segmento o novo Peugeot 508 não é o automóvel mais espaçoso, ficando, ainda assim, à frente de outras propostas com este tipo de silhuetas. Sim, esses que estão a pensar.

A bagageira cresceu face à geração anterior, contando agora com 487L, e graças à sua “5ª porta”, recebe ainda um melhor acesso e superior praticabilidade.

Voltando às prestações, olhamos para a ficha técnica e reparamos que, comparativamente com o diesel de 180cv, este gasolina de 225cv gasta menos 1 segundo para atingir os 100km/h (7,3s), com os 1000m a serem cumpridos em menos de 2,3s, até atingir uma velocidade máxima de 250km/h (+15km/h).

Na teoria, no que toca a performances, vence o diesel, mas vamos passar à prática.

Este motor a gasolina, por ser “mil e seiscentos” pode parecer pouco, mas já provamos outras vezes que este bloco surpreende pela sua elasticidade. Aqui trabalha em conjunto com uma transmissão automática de 8 velocidades, que explora este motor de maneira correta, contando com os “três mandamentos”: suave, rápida e decidida.

A questão de ser um bloco mais pequeno que o normal, retira 000kg na balança, comparativamente ao diesel mais potente, e isso nota-se na sua agilidade em curva, que mesmo contando apenas com tração dianteira o torna muito fácil de explorar e imprimir velocidades mais altas, sem nunca “descolar” a traseira ou ter a dianteira a sair da trajetória ideal. Isso também é ajudado pela direção rápida e direta, sendo uma boa aliada numa inserção decidida em curva, mesmo a velocidades mais elevadas.

Em andamento normal, não varia muito do diesel no que toca aos consumos, isto se falarmos em trajetos de autoestrada ou circuitos extraurbanos, ficando por vezes a cerca de um litro de diferença. A situação agrava um pouco em percursos citadinos, onde a diferença se alarga face ao diesel. No nosso teste, o consumo ficou em 7,8L/100km, o que não deixa de ser um bom valor.

Valor, é uma palavra sempre importante, não é?

Portanto, este 508 1.6 Puretech de 225cv, está apenas disponível neste nível de equipamento mais elevado, o GT, tendo um preço de tabela de 49.200€. Como estamos numa de comparação, o diesel (com menos 45cv, mas mais binário) custa mais 2.800€.

Esta decisão da gasolina vs diesel dá sempre que pensar. É mesmo uma questão de gosto, e do que se percorre. Se puder obviamente dar-se “ao luxo”, o gasolina oferece-lhe (ainda) melhores prestações, com a sua típica suavidade. E sim, não fica só com um automóvel com aspeto desportivo…


Peugeot 508 GT 1.6 PureTech 225  

Especificações:
Potência – 225cv às 5500rpm
Binário – 300Nm às 1900rpm
Aceleração dos 0-100 (oficial): 7,3s
Velocidade Máxima (oficial): 250km/h
Consumo Combinado Anunciado (Medido) – 5,7l/100km (7,8l/100km)

Preços:
Peugeot 508 desde: 35.300€
Unidade ensaiada: 53.507€


Carrega nas fotos e vê este Peugeot 508 GT em detalhe:

Rodrigo Hernandez Fundador e Director Editorial, criou o MotorO2 em 2012 devido a uma tremenda vontade de escrever acerca da sua grande paixão: os automóveis! Paixão essa que existe mesmo antes de falar, já que a sua primeira palavra foi a de uma conhecida marca de automóveis. Sim, a sério!