Início Ensaios Renault Kadjar ou Scénic? Qual a melhor escolha?

Renault Kadjar ou Scénic? Qual a melhor escolha?

Renault Kadjar ou Scénic? Qual a melhor escolha?
0
0

“Renault Kadjar e Scénic. Mesma gama, diferentes clientes”

Vou ser repetitivo, mas já por aqui falámos (e continuaremos a falar) da preferência do consumidor pelos crossover ou SUV. Desta vez quisemos entender o porquê desta escolha, e se dentro de uma marca haverá uma melhor opção na mesma gama de preços.

Para isso, juntámos o renovado Renault Kadjar ao novo Scénic de cinco lugares, num comparativo que nos ajudará a entender (ou não) o porquê do cliente amar tanto este tipo de automóvel.

Para começar, os modelos têm o mesmo motor (1.3 TCe), mas com diferentes potências (140cv no Scénic e 160cv no Kadjar), e transmissões diferentes, manual de seis velocidades no monovolume e uma transmissão de dupla-embraiagem de sete relações no “popular” crossover.

Mas antes, uma ode à mudança, ainda que não suficiente, do estatuto das portagens, sim, porque sem ele, estes dois modelos não estariam aqui hoje. O Kadjar já o conhecíamos, mas apenas numa versão e com uma motorização, que para conseguir ser Classe 1 com Via Verde tinha de montar o eixo traseiro da versão de tração integral… “privilégios” nossos.

O Renault Scénic de cinco lugares era algo diferente, porque seria sempre um Classe 2, já que não contava com a norma dos 7 lugares, o que não o protegia disso. Agora, com a inclusão dos 1,30m de limite no eixo dianteiro, este Renault chega ao mercado nacional a pagar o que sempre deveria, Classe 1, mas só com Via Verde…

Exterior

O Renault Kadjar tem como vantagem a estética que agrada a um largo número de pessoas, para além de ter aquilo que penso ser o que mais “puxa” um cliente para este tipo de automóvel, a sua sensação de capacidade de evasão e de robustez, aquela que encontrávamos anteriormente nos “jipes” ou “4×4”. Na verdade, não passa muito disso, de uma sensação. Porque sim, o Kadjar chega a locais onde um Mégane não chega, mas não vai muito mais além disso.

O nosso Scénic destacava-se pela cor, mas se num primeiro impacto nos pode parecer algo “estranho”, o certo é que com o passar do tempo o design torna-se interessante, visto que é basicamente o concept R- Space apresentado em Genebra, em 2011, numa das várias mostras que Van de Acker vai fazendo, de forma a mostrar os futuros modelos da marca do Losango.

Cá fora, destaque para as jantes de 20” de série em qualquer versão, contra as de 19” que equipam o Kadjar na sua versão Black Edition, a mais equipada.

Em relação a dimensões, o Kadjar é mais longo em 8cm, mas mais baixo (4cm) e estreito (3cm) que o Scénic, mas na verdade, o que importa é mesmo lá dentro, a forma como a dimensão é aproveitada.

Interior

Se lá fora o Kadjar poderia arrebatar mais corações, no interior o Scénic é mais futurista. O destaque vai para a sua consola central “em cascata”, bem como para os acabamentos mais cuidados, e uma consola central deslizante. A posição de condução elevada está em linha com o Kadjar, mas a visibilidade é superior no monovolume graças à maior superfície vidrada. Os bancos também são mais confortáveis.

O Kadjar, contudo, apresenta uma posição dos pedais mais “convencional” comparativamente a um automóvel mais perto do chão. O habitáculo neste caso também é agradável, mas não dá uma sensação tão espaçosa como o Scénic.

Nos lugares traseiros, o Scénic vence. Não são três assentos individuais, mas sim dois, que podem ser ajustados de forma a dar mais espaço às bagagens ou às pernas. Debaixo dos tapetes há pequenos “esconderijos”, mas também saídas de ventilação, mesas nas costas dos bancos dianteiros, e cortinas para proteger do sol.

Quanto à bagageira, os valores são de 472L no Kadjar, e 506L no Scénic (na posição dos bancos mais “puxada atrás”). Contudo, mais uma vez a preocupação familiar é maior no Scénic, com o bocal de carga a ser mais perto do solo, o que facilita as cargas e descargas de objetos pesados ou volumosos.

Na estrada

Como dissemos no início, os motores aqui empregues não têm a mesma especificação, portanto temos a vantagem do lado do Kadjar, e não seria justo comparar isso. Contudo, o Scénic também pode contar com a variante a gasolina de 160cv em vez da de 140cv, com os pesos a variarem 86kg, com o mais pesado a ser o Scénic (comparando mesmo motor e transmissão, não estas duas unidades testadas).

O pisar de estrada é muito semelhante em ambos, mas o Kadjar comporta-se mais como uma carrinha, com um centro de gravidade mais elevado, assim como uma suspensão menos filtrada, querendo transmitir mais ao condutor, ainda que seja bastante confortável. Já o Scénic parece mais “preso” ao chão, graças às suas dimensões, dando a sensação de maior aderência. Ao contrário do que poderia parecer, oferece ainda um maior conforto em maus pisos, mesmo que monte as “enormes” jantes de 20”.

Economia

A gama Scénic e Kadjar não tem versões iguais, mas podemos comparar equivalentes, (Black Edition no Kadjar, e Bose Edition no Scénic) com o mesmo motor, e optámos pelo TCe de 140cv, aliado a uma transmissão DCT de 7 velocidades. O Scénic é um pouco mais dispendioso, pedindo mais 2000€ que o crossover. Quanto a consumos, volta a ser complicado avaliar, mas já que conduzi um Kadjar com o mesmo motor/transmissão do Kadjar, podemos avaliar que o monovolume também pede aqui um pouco mais à troca, com mais 0,8 a 1l/100km comparativamente com o Kadjar.

Conclusão

Concluindo, neste pequeno comparativo não há um vencedor nem um vencido, mas sim um automóvel para cada tipo de cliente, e que vai ao encontro das suas necessidades. O Kadjar é para quem quer mais do que uma Mégane ST, pretende o look mais robusto e uma posição de condução mais alta, sem perder muita da experiência de condução de um automóvel “convencional”. O Scénic é uma escolha melhor face ao Kadjar e o Mégane ST, caso precise de um automóvel puramente familiar, com melhores acessos, assim como a habitabilidade e o conforto, especialmente se nessa família existirem filhos mais pequenos.


Renault Scénic 1.3 TCe 140 FAP Bose Edition

Especificações:
Potência – 140cv às 5000rpm
Binário – 240Nm às 1600rpm
Aceleração dos 0-100 (oficial): 10,4s
Velocidade Máxima (oficial): 201km/h
Consumo Combinado Anunciado (Medido) – 5,9l/100km (6,8l/100km)

Preços:
Renault Scénic desde : 30.770€
Preço da versão ensaiada: 33.420€

 

Renault Kadjar TCe 160 EDC FAP Black Edition

Especificações:
Potência – 160cv às 5500rpm
Binário – 260Nm às 1750rpm
Aceleração dos 0-100 (oficial): 9,3s
Velocidade Máxima (oficial): 210km/h
Consumo Combinado Anunciado (Medido) – 5,5l/100km (7,1l/100km)

Preços:
Renault Kadjar desde : 28.850€
Preço da versão ensaiada: 34.400€


Vê as fotos destas duas propostas familiares da Renault:

Rodrigo Hernandez Fundador e Director Editorial, criou o MotorO2 em 2012 devido a uma tremenda vontade de escrever acerca da sua grande paixão: os automóveis! Paixão essa que existe mesmo antes de falar, já que a sua primeira palavra foi a de uma conhecida marca de automóveis. Sim, a sério!