Início Notícias Porsche vê os seus SUV venderem o dobro dos seus modelos”tradicionais”

Porsche vê os seus SUV venderem o dobro dos seus modelos”tradicionais”

Porsche vê os seus SUV venderem o dobro dos seus modelos”tradicionais”
0
0

“Quem paga as contas…”

Quem diria por exemplo há 20 anos que a Porsche venderia mais SUV (que na altura ainda eram chamados de “jipes”) do que propriamente os desportivos pelos quais todos a conhecemos?

Pois é, em 2019 nos Estados Unidos da América, a Porsche vendeu 19,900 unidades de Porsche “tradicionais”, ou seja, mais “rasteiros ao chão”, mas vendeu o mais do dobro desse número em SUV, com 19,001 unidades do Cayenne, que voltou a subir nas vendas, assim como 22,667 unidades do seu irmão, o Macan.

De qualquer maneira não há razões para alarme, já que o Porsche 911 continua consistente nas suas vendas, ainda que vá diminuído um pouco a procura. Já os 718 (Cayman e Boxster) sofreram uma queda nas vendas no continente norte-americano, vendendo apenas 3880 unidades, quase menos 1400 unidades que no ano de 2018.

Também em descida está o Porsche Panamera, com uma queda de 17,6%, que é justificada em parte por já não ser uma novidade absoluta como nos dois anos anteriores, com o lançamento de uma nova geração, assim como a variante Sport Turismo.

Assim, a Porsche vendeu só na terra de “Uncle Sam” algo como 61,568 automóveis (como comparação Portugal vendeu 267 mil unidades…de todas as marcas!), significando um aumento de 7,6% nas vendas. Este ano que agora começa contará com novidades na gama, assim como a inclusão do primeiro 100% elétrico da marca, o Taycan.


Vê também: 

Sabias que a Porsche voltou a fabricar os travões de tambor para os 356, produzidos entre  1948 a 1965 e ainda hoje existe como um clássico muito desejado?

Porsche volta a fabricar travões de tambor

Rodrigo Hernandez Fundador e Director Editorial, criou o MotorO2 em 2012 devido a uma tremenda vontade de escrever acerca da sua grande paixão: os automóveis! Paixão essa que existe mesmo antes de falar, já que a sua primeira palavra foi a de uma conhecida marca de automóveis. Sim, a sério!