Início Ensaios Peugeot 3008 1.2 Puretech 130

Peugeot 3008 1.2 Puretech 130

Peugeot 3008 1.2 Puretech 130
0
0

“No limiar da lógica”

Os motores a gasolina de baixa cilindrada chegaram em força à industria automóvel, e se no início existiam dúvidas acerca da sua fiabilidade e capacidade de “puxar” um automóvel de maiores dimensões, essas desvaneceram-se rapidamente. Estes chegaram e vieram para ficar, principalmente dentro da união europeia, com promessas de menos impostos e com a vantagem de, no futuro, poderem circular dentro das grandes metrópoles, caso o banimento dos motores diesel se venha a confirmar…

O motor a gasolina de baixa cilindrada que trazemos hoje já é nosso conhecido, trata-se do 1.2 PureTech de 130cv, propulsor conhecido pela sua resposta rápida e pronta, e pela enorme suavidade, conseguindo disfarçar muito bem a sua arquitectura tricilíndrica. Este, encontra abrigo desta vez no novo Peugeot 3008, o SUV super-premiado da marca da Sochaux, que já venceu o prémio de carro do ano em Portugal, na Europa e até mesmo o prémio internacional!

Muito já falamos sobre a sua estética dinâmica e linhas quase conceptuais, que cada vez cativam mais clientes, neste modelo, que deixou de ser um monovolume para assumir uma personalidade mais vincada de SUV. O mesmo se passa no interior, um verdadeiro salto directamente para o futuro. O i-Cockpit 2.0 faz-nos sentir que estamos perante um automóvel verdadeiramente premium, ao mesmo tempo que nos oferece uma posição de condução exemplar e um amplo espaço interior.

Mas no que vamos gastar mais caracteres neste ensaio é ao falar sobre a sua dinâmica de condução, prestações, consumos, e se vale a pena esta escolha ao invés do diesel.

Começamos pelas prestações. Os 130cv são um incremento de 10cv face ao motor equivalente diesel (1.6 BlueHDi). A resposta está também mais disponível, graças à melhor repartição entre a potência máxima, que está posicionada nas 5500rpm, e o generoso binário de 230Nm, que está logo às 1500rpm. Estes dois factores tornam a condução bem mais prazerosa graças à elasticidade do pequeno motor de 1199cc, que reduz em grande parte o recurso à caixa manual de seis velocidades.

E aproveitamos aqui para fazer uma pequena paragem…

O Peugeot 3008 conta com uma boa caixa de velocidades manual, é suave e bem escalonada, não condenamos ninguém se a escolher, nós gostamos.

Mas, depois do novo 3008 passar já por aqui diversas vezes, é bem notório que a caixa automática, também de seis velocidades, é claramente a escolha certa a fazer neste novo SUV da marca. É muito rápida, não exibe hesitações, ao mesmo tempo que aumenta o conforto de condução e nem prejudica os consumos. Depois, há ainda a questão ergonómica, já que a escolha da pega da caixa manual não foi muito feliz e os porta-copos que se encontram imediatamente atrás da mesma deixam de poder ser utilizados, já que nos “cortam” e limitam o acesso à alavanca. Posto isto, continuemos…

Dinâmica de condução. É inegável a superior agradibilidade na condução de um automóvel com motor de explosão, o som é mais agradável, assim como a §suavidade, com uma justa distribuição de potência e de uma forma mais linear. Aqui, comparamos uma vez mais com o diesel 1.6 BlueHDi, já que este gasolina conta com uma redução de 54kg no seu peso total. Não será isso que justifica, mas conta. Independente de qual o motor que escolha, podemos sempre contar com uma direcção directa e que transmite um bom feedback, tal como a suspensão que absorve exemplarmente as irregularidades do piso, ao mesmo tipo que não exibe excesso de rolamento de carroçaria, complementando-se com a última para uma boa experiência de condução.

Consumos. Aqui está uma agradável surpresa! Em percurso de auto-estrada, a diferença não é muito relevante: a 120km/h, o 3008 1.2 PureTech consegue apresentar um valor entre os 5,8 e os 6,3, menos de um litro de diferença face ao diesel. Em percurso urbano e extra-urbano, pode notar-se também pouca diferença. No geral, espera-se entre 1 a 1,5litros de diferença, ou seja, nos dias de hoje, são cerca de 3€ de diferença.

Portanto, só nos resta ver se vale a pena. E neste caso, é uma questão muito difícil de responder. Isto porque a diferença entre gasolina e diesel é apenas de 2200€, e é por isso difícil explicar o porquê de escolher este 1.2 Puretech. Se o tiver 8 anos, tem que percorrer apenas 9000km por ano para que compense. Contudo, não sabemos o futuro, não sabemos como vão ser as cidades e se existirão limitações para os automóveis diesel. Três coisas são inegáveis: o 1.2 Puretech tem melhores performances, é ainda mais agradável de guiar e até aos 72 mil km valerá a pena!

Peugeot 3008 Allure 1.2 Puretech 130 CVM6

Especificações:
Potência – 130cv às 5500pm
Binário – 230Nm às 1750rpm
Consumo Combinado Anunciado – 5,1L/100km
Consumo Combinado Medido – 6,3L/100km

Preços:
Peugeot 3008 desde: 30.671€
Preço da unidade ensaiada com extras: 33.531€

3008 1.2 PureTech 130
16.6 Pontos
O que gostámos mais:
- Suavidade do motor; - Pouca diferença nos consumos; - Interior impressionante e confortável;
O que gostámos menos:
- Caixa manual; - Pouca diferença de preço face ao 1.6 diesel;
Resumindo e concluíndo:
Para quem quer mesmo uma opção a gasolina, a Peugeot oferece este excelente 1.2 PureTech de 130cv, com consumos aceitáveis e um funcionamento verdadeiramente agradável. Pena a pouca diferença de aquisição face ao diesel.
Motorização16.5
Perfomances16
Comportamento16
Consumos17.5
Interior18
Habitabilidade16.5
Materiais/Qualidade de construção16.5
Equipamento de Série16
Value for Money16

“A pontuação acima é totalmente da nossa opinião. Esta, tem a ver com o modelo e versão ensaiadas, tendo em conta o segmento onde a mesma se insere.”

Legenda da pontuação:
0-5: Mau;
5-10: Satisfaz Pouco;
10-15: Razoável;
15-17: Bom;
17-19: Muito Bom;
19-20: Excelente;

Rodrigo Hernandez Fundador e Director Editorial, criou o MotorO2 em 2012 devido a uma tremenda vontade de escrever acerca da sua grande paixão: os automóveis! Paixão essa que existe mesmo antes de falar, já que a sua primeira palavra foi a de uma conhecida marca de automóveis. Sim, a sério!

DEIXE O SEU COMENTÁRIO

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *