Início Ensaios Mercedes-Benz A200

Mercedes-Benz A200

Mercedes-Benz A200
0
0

“Uma questão de gosto”

Todos sabemos quão difícil é fazer escolhas, por vezes até as mais simples, como a de o que comer num simples jantar ou que gravata usar em mais um dia de trabalho. Mas isso aumenta de dimensão quando as escolhas são mais relevantes, mais importantes e, acima de tudo, mais dispendiosas. Estamos numa altura em que escolher entre um automóvel a gasolina ou diesel já não é assim tão simples como era antigamente. A Mercedes-Benz também achou isso, e lançou no novo Classe A, o A200, um motor a gasolina de 163cv, “ao mesmo preço” que o diesel de 116cv. Decisão fácil de tomar, não?

Vamos descobrir…

Antes de tudo, convém falar do novo Classe A, aquela que é a quarta geração do modelo, e a segunda desde que se tornou mais “cool”, ou, por outras palavras, um hatchback de cinco portas. No capítulo estético, foi claramente tomado o caminho da evolução, ao invés de uma revolução, por isso, o Classe A continua a parecer isso mesmo. Contudo, esta nova geração está cheia de detalhes. Primeiro, perde muitos dos vincos, exibindo agora uma maior pureza nas suas linhas, depois, a dianteira está mais baixa e afilada, com os grupos óticos, tanto dianteiros como traseiros, a estarem agora mais rasgados, o que dá ao ‘benjamim’ da marca da estrela um ar mais dinâmico.

Pegando na fita métrica, as diferenças de dimensão são generosas no comprimento, com os 13cm que cresceu a acontecerem onde era mais necessário, ou seja, na distância entre eixos. E o que é que isso quer dizer? Exatamente! Mais espaço a bordo.

E é exatamente a bordo que o Mercedes Classe A evoluiu, e a tecnologia consegue mesmo chegar a novos patamares no seu segmento. Para começar, o seu desenho é futurista e destacam-se os dois ecrãs (painel de instrumentos e central multimédia) completamente configuráveis que parecem “flutuar”. Cada um deles tem 10,2’’ polegadas, algo inédito. Para além disso, o aspeto clean na consola central, as saídas de ventilação inspiradas na aviação ou o contraste de materiais oferecem uma superior sensação premium.

O aumento das dimensões é notório, fazendo com que este novo Classe A seja agora mais espaçoso. Na traseira nota-se sobretudo no espaço para as pernas e para a cabeça, mesmo para passageiros com estatura mais alta. Atrás destes, encontramos a bagageira, que também cresceu para uns respeitáveis 370L, que mesmo não sendo referência, são suficientes.

Passando para a condução, face ao diesel, este motor 1.3 de 163cv é uma verdadeira diferença, seja na sua entrega de potência mais linear, pelo som mais agradável, ou mesmo pelas prestações que literalmente “esmagam” o seu irmão diesel “atinadinho”.

Isto porque estes 163cv contam com a ajuda de um binário muito semelhante ao diesel (250Nm), mas que estão disponíveis a um regime mais alargado (1620-4000rpm), o que faz com que a condução seja mais desenvolta, cooperando melhor com a opcional caixa automática 7G-Tronic.

Mais potência, resulta em melhor comportamento? Geralmente sim, e neste caso não é exceção. Uma das razões é porque este A200 é mais leve que o A180d em 70kg, o peso médio de um adulto, o que em conjunto com um novo chassis e suspensão revista tornam-no numa espécie de “desportivo”, ainda para mais com o Kit estético AMG, que muito faz por este Classe A.

Ainda dinamicamente, o Classe A é muito certo nas suas reações e, face à geração anterior, está mais confortável, com um melhor pisar, mesmo em pisos em piores condições, sempre com reações benignas e bem capaz de curvar em velocidades acima da média. Mas é neste ponto que o Classe A confirma que sofre de um “mal geral” da indústria, pecando por não oferecer a dose ideal de feedback da direção, nesse que é, para nós, o ponto menos forte. De qualquer maneira, isto só é notório em condução mais aguerrida, já que em ritmos normais, é irrepreensível e conta com um bom peso.

A dúvida aqui era: será que vale a pena o gasolina?

Pelas performances e prazer de condução, sem dúvida alguma. Em “modo contabilista”, o A200 “pede” entre 1,5L a 2,5L a mais do que o A180d, facto compreendido pelos quase mais 50cv que este bloco apresenta. Aqui, tudo depende do que se vai andar, mas com a aproximação do preço do diesel à gasolina, e do aumento das taxas a automóveis diesel, o A200, que é 40€ mais caro de adquirir, pode ter toda a lógica.

Ao dia de hoje, a diferença é de 4cent./km, daqui a uns anos, talvez seja o contrário…

“Ainda gostas do diesel?” 
Então conhece em detalhe o Mercedes A180 AMG Line!


Mercedes-Benz A200 AMG Line

Especificações:
Potência– 163cv/5500rpm
Binário combinado – 250Nm às 1620 ~ 4000rpm
Aceleração do  0-100 (oficial): 8,0s
Velocidade Máxima (oficial): 225km/h
Consumo Combinado Anunciado – 5,3L/100km
Consumo Combinado Medido – 7,0L/100km

Preços:
Gama Mercedes Classe A desde: 27.150€
Versão ensaiada: 31.000€
Preço da viatura ensaiada: 42.965€


Carrega nas fotos e vê este Mercedes-Benz Classe A em detalhe:

Rodrigo Hernandez Fundador e Director Editorial, criou o MotorO2 em 2012 devido a uma tremenda vontade de escrever acerca da sua grande paixão: os automóveis! Paixão essa que existe mesmo antes de falar, já que a sua primeira palavra foi a de uma conhecida marca de automóveis. Sim, a sério!