Início Ensaios Mazda MX-5 1.5 Skyactiv-G 132

Mazda MX-5 1.5 Skyactiv-G 132

Mazda MX-5 1.5 Skyactiv-G 132
0
0

“Por um cavalo”

Há uma máxima muito conhecida: “em equipa que ganha não se mexe”. Na verdade, não sei de onde ela apareceu, provavelmente num desporto, como no futebol. O mais certo é que esse ditado popular funciona em praticamente tudo, nomeadamente no mercado automóvel.

E este automóvel sofre disso quase desde que “nasceu”. O Mazda MX-5 foi um automóvel que foi evoluindo desde o seu lançamento, no início dos anos 90. Agora, ele está na sua quarta geração, e o ND conheceu agora o seu restyling de meia idade. Na verdade, restyling sem tocar no estilo, apenas na mecânica.

Se o 2.0 mudou muito, para melhor (leiam aqui), o 1.5, aquele que é dono da maioria das vendas, mudou “milimetricamente”.

Como dissemos, por fora nada diferente, só as jantes que ganham um novo tom, mas de resto, continua compacto e igual a si próprio. Um roadster dos tempos modernos, que foi beber muita inspiração aos pequenos desportivos britânicos, onde a leveza importava mais do que a potência. O interior continua a ser o “casulo apertado”, mas que nos deixa bem sentados (para alguns de estatura mais generosa, talvez um pouco altos) e prontos a ter puros momentos de condução. Aqui dentro há uma diferença, atenção!

Uma importante adição: pela primeira vez, um Mazda MX-5 conta com ajuste em alcance do volante. Bem-vindos ao século XXI! Com isso, a posição de condução fica ainda melhor, num interior onde pouco falta. Ar condicionado automático? Sim. Estofos em pele com aquecimento? Também. Entre muitas outras coisas que podem encontrar em qualquer modelo normal desta faixa de preço.

Mas o que importa aqui é saber o que mudou neste automóvel que tinha muito pouco para mudar, mecanicamente falando…

O motor é exatamente o mesmo, o 1.5 Skyactiv-G, que vê a sua potência ser aumentada dos 131 para os 132 cavalos (entenderam o título), mas vê também o binário aumentar dos 150 para os 152Nm, com um redline a aparecer “lá mais em cima”, às 7.500rpm.

Para além disso, a marca japonesa diz ter melhorado o controlo da resposta do acelerador, uma combustão mais eficaz de forma a melhorar os consumos, assim como redução de fricção.

Querem saber na prática?

É preciso saber em que MX-5 estamos para ver as diferenças. Não achei praticamente nada de diferente, o que é ótimo. A nota de escape está ligeiramente mais grave a baixas rotações, mas de resto tudo igual. Tudo ótimo!

A leveza continua a ser o que mais impressiona neste pequeno roadster, a forma como entra nas curvas, a sua agilidade e o “sumo” que consegue fazer com pouca fruta (leia-se potência) é inegável.

Como costumo dizer: num Mazda MX-5 consegues divertir-te tanto como num hot hatch, a vantagem é que à velocidade a que vais, não perdes a carta, ou na pior das hipóteses, não és preso!

Em troca de tudo isso, este Mazda não pesa na carteira, com consumos muito comedidos. Esta unidade não foi das mais poupadas (também tinha pouco mais de 1000km), mas conseguia consumos na casa dos 6 litros aos cem, sem qualquer tipo de preocupação.

Agora, se queres performances mais sérias, prepara-te para “largares a nota” e ires direitinho para o 2.0 de 184cv. Este 1.5 gosta mais de ritmos médios/altos, a falta do diferencial autoblocante não permite tanta brincadeira, assim como as suas suspensões e amortecedores mais “macios”. Se não fores muito exigente, metes essa diferença de 8.000€ no bolso e partes para viagens inesquecíveis.

Mais uma vez, quem sabe não esquece, e quem tem boa equipa, não mexe.

É assim mesmo Mazda!


Mazda MX-5 1.5 Skyactiv-G Excellence Navi Soft Top

Especificações:
Potência combinada – 132cv às 7000rpm
Binário – 152Nm às 4500rpm
Aceleração dos 0-100 (oficial): 8,3s
Velocidade Máxima (oficial): 204km/h
Consumo Combinado Anunciado (Medido) – 6,3l/100km (6,7l/100km)

Preços:
Mazda MX-5 desde : 25.302€
Preço da unidade ensaiada: 32.055€


Clica e vê as fotos do Mazda MX-5 “com o cavalo extra”: 

Rodrigo Hernandez Fundador e Director Editorial, criou o MotorO2 em 2012 devido a uma tremenda vontade de escrever acerca da sua grande paixão: os automóveis! Paixão essa que existe mesmo antes de falar, já que a sua primeira palavra foi a de uma conhecida marca de automóveis. Sim, a sério!