Início Ensaios Jeep Cherokee Limited 2.2 TurboDiesel 195cv 4X2

Jeep Cherokee Limited 2.2 TurboDiesel 195cv 4X2

Jeep Cherokee Limited 2.2 TurboDiesel 195cv 4X2
0
0

“Extreme Makeover”

Os Americanos são os “pais” dos reality show, adoram esse estilo de programas. Entretêm-nos mais do que qualquer outro tipo de ficção. Um dos mais famosos desse tipo, e que chegou (há uns anos) de forma massiva ao nosso país, separado por um enorme oceano da “terra das oportunidades”, foi o “Extreme Makover”. O programa, estreado em 2002, alterava questões estéticas que incomodavam mutos indivíduos. Um ano depois, devido a tanto sucesso, passou também para renovação de habitações.

Mas, porque é que começo por falar de um programa de televisão que, em certos casos, pouco poderá ter de realidade? Porque, de uma forma ou de outra, os Americanos parecem ter ganho uma espécie de inspiração, ou mesmo um ‘jeito’ diferente e mais eficaz de fazer fortes renovações. Isto porque o Jeep Cherokee, na sua quinta geração, não nasceu propriamente belo. Basta procurar uma imagem dele para ver o que mudou face a este Jeep Cherokee que aqui temos. E podemos dizer que ficou muito melhor!

Não era um caso de contar com um desenho “demasiado bruto”, ou mesmo básico, mas também não foi um caso de desenho futurista. Foi apenas um corte radical face ao resto da gama, que por vezes não corre bem…

O que salvou, de certa forma, este Cherokee foi que o facto deste modelo ter sido o primeiro a estrear uma plataforma partilhada com o grupo FCA, e isso fê-lo tornar-se mais num crossover, e não tanto num todo-o-terreno como era até então. Isso fez com que contasse com um bom número de vendas no mercado doméstico, e até fora dele. Mas, de qualquer maneira, isso não o fazia bonito aos olhos do público.

Portanto nesta nova geração, a maior “operação” foi feita ao seu “nariz”, ou seja, à sua dianteira e grelha, que passou a ser de mais pequena dimensão, com as sete aberturas a serem mais largas e com os faróis a contarem agora com um desenho mais conservador. Obviamente, o para-choques também foi revisto e adota um bom equilíbrio entre a robustez necessária num Jeep, e a sobriedade que um automóvel deste tipo necessita. Está mais clean, basicamente.

A lateral, no “pós-operatório”, permanece muito idêntica, ainda assim destacam-se as cavas das rodas com desenho quadrangular, elemento diferenciador num perfil SUV, de dimensões generosas e aspeto robusto. Zona também muito alterada foi a traseira, que ficou também mais agradável à vista, com uma porta de bagageira renovada, que passa a receber a chapa de matrícula, ao invés de estar no para-choques, que também ele passa a contar com mais cor da carroçaria, e menos plástico negro.

Passando para o interior, não se pode esperar um ambiente high-tech, ainda que o massivo ecrã central infotenimento (muito completo e de grande resolução), o faça parecer. O ambiente é sóbrio e bem organizado, com muitos botões de seleção, não tendo optado ainda por demasiadas superfícies táteis. Os materiais são um misto de superfícies suaves no topo e nas portas, com alguns plásticos mais rijos em zonas mais escondidas. A montagem está na média do segmento.

O que está acima é mesmo o equipamento, ao não faltar praticamente nada a este Jeep Cherokee Limited (a base da gama em Portugal), sejam os bancos em pele, elétricos e aquecidos à frente, ou toda uma panóplia de elementos de segurança ativa, como o assistente de radar que trava por nós se assim for necessário, o sistema de aviso de saída de via ou o assistente de aviso ao ângulo morto.

Quanto ao espaço, o Jeep Cherokee senta confortavelmente cinco passageiros, como é normal nestes SUV mais generosos, com uma bagageira que pode ser modulável em dimensões, dependendo do espaço que os passageiros do banco de trás queiram para as pernas, variando assim entre os 448 ou 570 litros de capacidade.

Quanto a motores, a escolha é muito simples, só há um. O escolhido foi o 2.2 Turbodiesel de 195cv, que nesta versão envia a sua potência apenas às rodas dianteiras (para 4WD existe o Overland, que tem um preço proibitivo…).

Este motor obviamente chega, e bem, para as encomendas, e consegue mesmo uma aceleração dos 0 aos 100km/h em pouco mais de 9 segundos e uma velocidade máxima acima dos 200km/h. Contudo, é um pouco mais ruidoso do que estamos habituados, parecendo por vezes que vamos mais depressa do que realmente circulamos. A transmissão também é escolha única, contando com 9 velocidades, o que faz com que este Jeep Cherokee não tenha um apetite muito voraz, pedindo cerca de 7,2l por cada 100km percorridos.

Obviamente, temos também de falar sobre o seu comportamento dinâmico, e aqui o Cherokee pergunta: Porquê?

Não se pode esperar que este automóvel seja um suprassumo em caminhos sinuosos, para isso o Grupo FCA tem melhores opções, contudo, sem pressas o Cherokee aborda de forma segura as curvas, ainda que não conte com a direção mais direta, nem com a suspensão mais informativa que prefere oferecer conforto, a sensações vivas para quem vai ao volante. É isso mesmo, um automóvel que quer uma boa harmonia familiar, e que, por ser base de um modelo “4X4” não se nega a umas incursões fora de estrada, que devido à sua altura ao solo, que até consegue ser generosa, não se deixa envergonhar…. A não ser que apareça uma subida demasiado longa, num piso demasiado escorregadio.

Quanto a preços, esta unidade do Jeep Cherokee contava apenas com dois opcionais: a pintura metalizada e o teto de abrir panorâmico. Estes dois elementos fazem com que este SUV da marca Jeep fique com um preço de 61.200€, já com a campanha em vigor. Como dissemos acima, o Overland é a opção 4WD, mas infelizmente os nossos impostos não gostam muito da ideia, e colocam-no nuns valores que não são tão praticáveis.

Portanto, se gosta da Jeep e procura um automóvel familiar, confortável e com um motor diesel potente, o Cherokee é a opção certa a tomar. Se quer poupar um pouco mais e a potência não é primordial, vale a pena conhecer o Compass. Se o 4X4 faz parte das exigências, mas não pretende “hipotecar” a sua casa, o Renegade Trailhawk é o rebelde que pode preencher esse espaço.

Basicamente, a Jeep conta com uma gama mais completa que nunca, e ainda bem!


Jeep Cherokee 2.2 TurboDiesel 195 4X2 AT9 

Especificações:
Potência– 195cv às 3500rpm
Binário combinado – 450Nm às 2000rpm
Aceleração do  0-100 (oficial): 9,1s
Velocidade Máxima (oficial): 205km/h
Consumo Combinado Anunciado – 6,1L/100km
Consumo Combinado Medido – 7,2L/100km

Preços:
Versão ensaiada: 60.000€
Unidade ensaiada (c/campanha 2.500€): 61.200


Clica nas fotos e vê este Jeep com nome de tribo, em maior detalhe: 

Rodrigo Hernandez Fundador e Director Editorial, criou o MotorO2 em 2012 devido a uma tremenda vontade de escrever acerca da sua grande paixão: os automóveis! Paixão essa que existe mesmo antes de falar, já que a sua primeira palavra foi a de uma conhecida marca de automóveis. Sim, a sério!