Início Ensaios Hyundai i30 Fastback 1.4 T-GDi DCT

Hyundai i30 Fastback 1.4 T-GDi DCT

Hyundai i30 Fastback 1.4 T-GDi DCT
0
0

A Alternativa”

Após o ensaio à versão equipada com caixa manual, equipada com o motor 1.4 T-GDi de 140cv, o Hyundai i30 Fastback retorna agora equipado com uma caixa automática DCT de 7 velocidades, que anuncia um maior conforto de utilização, sem beliscar em muito as suas performances, ao mesmo tempo que melhora a eficiência.

Antes de comprovar o que a marca promete, vale sempre a pena voltar a falar do desenho muito bem conseguido deste Hyundai i30 que, no que toca a dimensões, sofre alterações face à versão Hatchback – são mais 11,5cm no comprimento, mas menos 3cm no que toca à altura – isso fará diferenças no interior, mas já lá iremos…

As diferenças no exterior notam-se, qualquer que seja o ângulo de que vejamos este automóvel. A frente conta com um para-choques diferente, com uma assinatura luminosa distinta, bem como um novo padrão na sua grelha de grandes dimensões. Na lateral é bem evidente a sua inspiração Coupé, com uma linha descendente e muito elegante, com a secção posterior a ser a área mais bem conseguida, com superfícies suaves, assim como uma generosa superfície vidrada.

Passando para o interior, o seu arranjo é mais virado para o conforto do que para uma revolução dentro do seu segmento. Com isto queremos dizer que o desenho é agradável, oferecendo uma boa ergonomia dos comandos, bem como uma boa posição de condução. Quanto à montagem, é isenta de falhas, enquanto alguns materiais poderiam ser de melhor qualidade, no entanto, zero barulhos e uma boa sensação de robustez.

“A montagem é sempre melhor que os materiais, não se esqueçam disso…”

No resto do interior, encontramos uns bancos confortáveis na dianteira, com um vasto ajuste, contando com a base extensível, ambos ajustáveis em altura, bem como o do condutor com enchimento lombar. Na traseira começam a notar-se as diferenças que a fita métrica nos alerta desde o primeiro contacto. Se o espaço para as pernas e para os ombros não sofrem qualquer tipo de penalização, já em altura a cabeça poderá roçar no teto, caso o passageiro tenha mais de 1,80. Ainda assim, é confortável e num bom plano. As dimensões, contudo, trouxeram grandes benefícios no que toca à bagageira, com mais 55l face ao Hatchback.

“Quem disse que a beleza teria de ter compromissos?”

Passando ao que interessa e que nos trouxe aqui.

No nosso primeiro contacto, equipado com a caixa manual de seis velocidades, o i30 Fastback entusiasmou-nos, já que o motor estava perfeitamente em sintonia com essa transmissão, também ela bem escalonada, com um funcionamento suave, bem ao “estilo” desta proposta.

Quem nos lê, sabe que nós defendemos muito as caixas automáticas em muitos tipos de automóveis, e quando o i30 Fastback cá esteve, foi normal que tivéssemos exclamado: “uma caixa automática é que ficava aqui muito bem”.

Como introdução, esta transmissão encarece esta proposta em 1.800€, e podemos dizer até que prejudica um pouco as suas performances: menos 5km/h de velocidade máxima, e mais 0,3s para cumprir a tarefa de arranque dos 0 aos 100km/h. Por outro lado, a ficha técnica informa que o consumo reduz ligeiramente, em ciclo misto.

Em teoria OK, já na prática isso não se confirma. A caixa de velocidades até é rápida, mas em certas ocasiões acaba por se “baralhar” um pouco, não em condução em autoestrada, onde é exemplar, com a sua relação extra (7ª velocidade) a tornar tudo mais calmo. Falamos mesmo em situações pára-arranca, onde ela devia ser exímia, com a transição entre 1ª e 2ª velocidade a ser algo notória. Ainda assim, destaque para os diferentes modos de condução: Sport e Eco, que “mexem com as emoções” desta caixa, esticando ou antecipando as mudanças de velocidade. As patilhas de seleção por detrás do volante, não são de grandes dimensões, mas são suficientes, e ajudam a dar um ímpeto extra à condução.

“Nós defendemos muito a caixa automática em certos casos, mas aqui vence a manual…”

Se tudo parecia não correr de feição para esta transmissão, também os consumos aumentam face ao manual, ainda que não muito, tratando-se de uma diferença de menos de um litro a cada cem quilómetros, mas é mais sensível à velocidade.

De qualquer maneira, é inegável que acaba sempre por ser mais confortável a condução com este tipo de transmissão, não sendo de todo uma má proposta. O que queremos dizer é que entre os dois i30 Fastback em ensaio, se não necessitar mesmo de uma caixa automática, vale bem a pena optar por gastar esses quase dois mil euros extra em opcionais num i30 Fastback manual. Esse é o nosso conselho.

“Queres algo verdadeiramente Hardcore?”
Então o teu i30 tem um ‘N’ no nome! Conhece-o!

Hyundai i30 Fastback 1.4 T-GDi DCT Style

Especificações:
Potência – 140cv às 6000rpm
Binário – 242Nm às 1500rpm
Aceleração dos 0-100 (oficial): 9,5s
Velocidade Máxima (oficial): 203km/h
Consumo Combinado Anunciado (Medido) – 5,6l/100km (7,2l/100km)

Preços:
Hyundai i30 Fastback desde: 24.000€
Preço da versão ensaiada: 28.350€


Carrega nas fotos e vê este Hyundai i30 Fastback em detalhe:

Rodrigo Hernandez Fundador e Director Editorial, criou o MotorO2 em 2012 devido a uma tremenda vontade de escrever acerca da sua grande paixão: os automóveis! Paixão essa que existe mesmo antes de falar, já que a sua primeira palavra foi a de uma conhecida marca de automóveis. Sim, a sério!