Início Ensaios Honda CB650R – Neo Sports Café

Honda CB650R – Neo Sports Café

Honda CB650R – Neo Sports Café
0
0

“Neo estilo”

“Ok, vamos lá voltar às duas rodas” …

Nesta minha epopeia, que podem ler aqui, voltei às duas rodas, não de forma tão ativa como nos automóveis, mas com aparências (espero eu) mais regulares. Pois bem, neste regresso, e após o tal contacto com a Honda, dei por mim a ir ao site da marca e escolher a moto “mais bonita” para celebrar este retorno.

Os meus olhos foram logo para a CB1000R. Adorei a moto, o seu estilo musculado, naked, com algum espírito de café racer dos tempos modernos, que tomaram conta da minha parte emocional. Afinal, é disso que é feita uma moto, não é?

Contudo, achei que o número 1000 podia ser demais para alguém que, como eu, tem muita experiência apenas em scooters, ou motos até uma cilindrada mais “modesta”. Para evitar isso, tive a experiência de um verdadeiro cliente ao encontrar na CB650R, uma proposta intermédia que preenche o espaço entre a “mighty” CB1000R e a “pequena” CB300R. Isto falando de aspeto, quanto ao peso e potência, já lá vamos…

Portanto, pedido feito, e posteriormente confirmado. Começa a aventura!

Ao vivo, a moto tem uma aparência impactante, bem mais agressiva que a das suas rivais, é uma espécie de sucessora “espiritual” da mítica Hornet. A frente destaca-se pela o seu farol LED de grandes dimensões, em linha com as restantes motos “Neo Sports Café”, enquanto o motor 4 cilindros mostra toda a sua boa forma, com os coletores bem expostos, saindo para o escape curto no lado direito.

Graças ao “Pack Sport”, que inclui uma especial proteção de cárter e depósito, assim como sistema de pesagem automática quickshifter, a CB650R também “perde” o assento do pendura, tornando-a numa moto “solitária” …

Já sentado nela, podemos ter a sensação que aquele R vem mesmo de racing, já que a posição é mais desportiva que o esperado, graças ao posicionamento do guiador e peseiras, que nos permitem ir mais deitados, tudo sem ser uma moto desconfortável de usar em qualquer tipo de utilização. O painel LCD é “super-informativo” contando com uma leitura fácil e eficaz, com computador de bordo onde podemos ver os consumos, parciais, ou até o tempo de viagem. O controlo de tração (HSTC) pode ser ativado e desativado através de apenas um toque no botão dedicado.

O motor é um verdadeiro “650”, com 649cc que debitam 94cv às 12.000 rpm, e com o binário de 64Nm também presente “lá em cima”, às 8.500rpm. Isso é notório no seu funcionamento, suave, mas que a baixas não é muito reativa, o que ajuda em manobras urbanas. Levemo-la acima das 5.500/6.000rpm, e é onde ela se começa a revelar, e apresenta uma nova vida, até “esgotar” às 12.500rpm!

Os seus quatro cilindros dão-lhe uma suavidade extra, que algumas das suas concorrentes japonesas (e não só) não conseguem entregar, com apenas dois. O seu peso de apenas 203kg torna-a ágil, (não é um peso pluma, mas para uma quatro cilindros é bom) e isso torna-a fácil de inserir em curva, o que também é possível graças às novas suspensões Showa na frente, de 41mm com SSF (Separate Function Fork), não sendo passiveis de ajuste. Contudo, o sistema é mais leve e oferece ao “rider” uma melhor aderência no pneu dianteiro. Atrás, também Showa, com ajuste pré-carga possível de ajuste. Quanto aos pneus aqui usados, eram uns Metzelder Roadtec na medida 120/70 R17 à frente e 180/55 R17 atrás.

Claro que para tudo isto a travagem é essencial, e a Honda dotou a CB650R de um sistema à altura. Na frente, estão as duplas pinças de quatro pistões que “mordem” os duplos discos flutuantes radiais de 310mm; atrás, obviamente mais simples, mas efetivo sistema de pistão único com disco de 240mm. O ABS obviamente é equipamento de série, e dá uma confiança extra em travagens num piso menos aderente ou em condições climatéricas adversas.

Em suma, a Honda tem aqui um produto forte para atacar o segmento das Naked desportivas, e que face à sua concorrência tem cartas para dar. Com um look que arrebata, e um motor potente e fácil de dosear, a Honda CB650R é um bom equilíbrio numa gama cada vez mais completa da marca Japonesa. Os preços começam nos 7.990€, o que também não é chocante tendo em conta o preço/potência de conjunto, e estão disponíveis quatro cores: azul, cinzento, vermelho e este preto que revestia a nossa unidade.

Agora experimento a CB1000R? Quem sabe…

 


Clica nas imagens, e vê esta Honda CB650R em maior detalhe: 

Fotos: Renato Vintém
Texto e edição fotográfica: Rodrigo Hernandez

Rodrigo Hernandez Fundador e Director Editorial, criou o MotorO2 em 2012 devido a uma tremenda vontade de escrever acerca da sua grande paixão: os automóveis! Paixão essa que existe mesmo antes de falar, já que a sua primeira palavra foi a de uma conhecida marca de automóveis. Sim, a sério!