Início Ensaios Fiat 500X 1.3 FireFly Turbo 150 S-Design

Fiat 500X 1.3 FireFly Turbo 150 S-Design

Fiat 500X 1.3 FireFly Turbo 150 S-Design
0
0

“Pretty Fly”

Há inúmeros casos de marcas que se confundem com os seus próprios modelos. Felizmente, no caso da Fiat, são muitos os modelos que poderiam eles somente serem donos uma verdadeira história. Contudo, na atualidade, é o numero 500 que quase se torna numa própria marca.

Começando no pequeno e cada vez mais recordista de vendas 500 e 500C no segmento A, passando pelo 500L de cinco e sete lugares, chegando até este, que é um dos modelos mais vendidos da marca, numa altura em que os crossovers estão em “ebulição”, o Fiat 500X.

Já por nós testado algumas vezes, e até numa unidade “igualzinha” a esta, a novidade aqui estava escondida debaixo do capot, e trata-se do motor 1.3 Firefly, da nova família Fiat Global Small Engine, no qual nasceu também o pequeno 1.0 Firefly de 120cv que também testámos, adivinhe-se… no Fiat 500X.

Pois bem, este 1.3 difere desde logo na sua arquitetura, passando a receber um “cilindro extra” face ao 1.0, sendo assim um 4 cilindros em linha, que debita 150cv de potência e um binário generoso de 270Nm, sem prejudicar o peso do conjunto, já que é integralmente construído em alumínio, pesando somente 100kg. Este motor está exclusivamente disponível com a transmissão DCT (dupla embraiagem) de seis relações. Mas será que vale a pena?

Neste pequeno crossover, com pinta de “500 que tomou esteroides”, um motor mais potente fica sempre bem, certo?

No papel sim, e os preços até nem assustam, mas vamos lá ver…

Sentados no confortável interior do Fiat 500X S-Design (que difere pelos acabamentos em preto, alguns acobreados e até uma decoração do tablier em mate rugoso), encontramos uma posição de condução elevada e um interior que, mesmo com alguns anos de mercado, continua atrativo e bem conseguido. O seu sistema UConnect 7’’ não é dos mais modernos, mas conta com tudo o que um condutor pode necessitar, com Android Auto e Apple CarPlay, assim como vários sistemas de ajuda à condução. Também no interior são muitos os espaços de arrumação, com destaque para o duplo porta-luvas, que pode receber toda a “tralha” que trazemos connosco no dia-a-dia. Atrás, é confortável para dois passageiros, podendo levar até três, enquanto as malas encontram lugar na bagageira com 350L de capacidade.

Importante referir que, para além de um generoso equipamento, o Fiat 500X não apresentou qualquer ruído parasita, nem em mau piso onde tivemos de circular, mostrando que a montagem está em muito bom nível, ainda que alguns materiais sejam um pouco mais rijos, algo frequente no seu segmento.

Mas não alongando mais, como se porta este novo motor, que passa também a ser o mais potente da gama 500X?

Antes de tudo, o preço. Escolher este motor 1.3 Firefly de 150cv, pede um acréscimo de cerca de 2.800€ face ao 1.0 Firefly de 120cv (na versão Cross, já que a S-Design só disponibiliza este mais potente, ou o 1.6 Multijet). O valor parece ser mais que justo, tendo em conta que o motor mais potente oferece também a transmissão automática.

Saindo do “papel”, o motor 1.3 Firefly tinha tudo para vencer, as suas performances são mais do que generosas, com a aceleração dos 0 aos 100km/h a acontecer em 9,1s (-1,8s que o motor mais pequeno), e uma velocidade máxima que chega aos 200km/h, tudo graças a uma potência e binário mais generosos (+30cv e +80Nm), sem aumentar o peso em sobremaneira.

Todavia, o problema está no DCT, a transmissão automática acaba por ser demasiado hesitante, e até brusca, a baixas velocidades, o que prejudica um conjunto automóvel/propulsor que poderia ser vitorioso. Isto porque o Fiat 500X continua a ser um automóvel que dinamicamente é muito positivo, conseguindo entusiasmar, sem castigar os ocupantes graças ao seu acerto correto de suspensões. E será também certamente graças à DCT que os consumos ficam elevados, com uma média final que se registou em 8,1l/100km, conseguindo em Auto Estrada ficar em torno dos 6,5l/100km, mas que invariavelmente viu os valores subirem em cidade.

Portanto, justificar a compra deste propulsor torna-se complicado, mas não impossível, tendo a sua lógica caso o cliente queira mesmo uma transmissão automática, e não opte pelo diesel, o 1.6 Multijet, que é 5.600€ mais dispendioso, e tem menos potência…

Se a transmissão não for um problema, achamos que o 1.0 Firefly já vai chegar para a encomenda. É inegável que este “mil e trezentos” é mais rápido, mas a transmissão DCT teima em querer estragar a diversão. O seu preço acaba por ser justo, tendo em conta o que oferece, com os 27.986€ da unidade ensaiada a contar já com uma elevada dose de opcionais (3.250€), onde se destaca o sistema áudio Beats, o pack Safety Genius (sistema de deteção ângulo morto, deteção de veículos em aproximação traseira e travagem autónoma de emergência), cruise-control adaptativo e as jantes de 18’’ com detalhes acobreados.

Se gosta mesmo é de poupar combustível, aconselhamos os motores diesel, o 1.3 Multijet de 95cv, que é um verdadeiro “conta-gotas”, ou o 1.6 Multijet que também oferece consumos comedidos, sem perder uma veia performante.


Fiat 500x 1.3 FireFly Turbo 150cv  DCT S-Design Cross

Especificações:
Potência – 150cv às 5500rpm
Binário – 270Nm às  1850rpm
Consumo Combinado Anunciado – 6,5L/100km
Consumo Combinado Medido – 8,1L/100km

Aceleração 0-100km/h (oficial): 9,1s
Velocidade máxima (oficial): 200km/h

Preços:
Fiat 500x desde: 22.500€
Unidade testada: 27.986 €*
*Inclui campanha em vigor


Rodrigo Hernandez Fundador e Director Editorial, criou o MotorO2 em 2012 devido a uma tremenda vontade de escrever acerca da sua grande paixão: os automóveis! Paixão essa que existe mesmo antes de falar, já que a sua primeira palavra foi a de uma conhecida marca de automóveis. Sim, a sério!