Início Ensaios Mazda CX-3 1.8 Skyactiv-D Advance

Mazda CX-3 1.8 Skyactiv-D Advance

Mazda CX-3 1.8 Skyactiv-D Advance
0
0

“Mexer sem estragar”

Por vezes, é complicado manter um modelo na ribalta durante um longo período de tempo, e é por isso que os modelos têm uma altura no seu ciclo de vida que é chamada de “restyling”, ou seja, mudança de alguns elementos que não foram tão bem concebidos de início, que não existiam, ou meramente para manter a imagem de um modelo moderna e refrescante para encarar mais alguns anos de mercado.

Pois bem, desta vez temos o Mazda CX-3, um Crossover de segmento B que catapultou as vendas da marca japonesa, ao garantir um interessante balanço entre o seu desenho radical, um equipamento bastante completo e um motor diesel competente, em conjunto com um preço que ainda que não fosse referencial, não chocava.

No primeiro ponto, a estética, felizmente, foi apenas retocada. A grelha tem agora novo padrão, assim como os para-choques com leves detalhes que apenas o olho mais atento deteta. As jantes também contam com um novo desenho, são de 18’’ e encaixam muito bem nas generosas cavas das rodas deste crossover compacto com de 4,27m. No exterior, o destaque vai para esta cor, o Soul Red Crystal, que passa agora a estar disponível também para este modelo da marca japonesa, e que se destaca por ter uma saturação 20% superior, assim como uma maior profundidade.

Passando para o interior, podemos ver que o Mazda CX-3 também não contou com muitas mudanças a uma primeira vista, continuando a ser muito orientado para o condutor e com pouca profusão de botões. Muito orientado para o condutor é agradável e apresenta uma boa posição de condução, das melhores que encontramos neste tipo de modelos, com as pernas a irem esticadas e com a possibilidade de circular “mais baixo”. Os bancos foram também revistos no que toca ao suporte, contando agora com mais espuma de forma a oferecer um maior conforto aos ocupantes. Mas é aqui sentado, no lugar do condutor, que começamos a notar as pequenas, mas valiosas, diferenças. Para começar, deixamos de ter o travão de mão “mecânico”, passando a ter um elétrico, e com isso o CX-3 recebe mais espaços de arrumação no redesenhado apoio de braços.

Sendo um crossover de pequenas dimensões, o Mazda CX-3 não é um prodígio no que toca ao espaço, sendo algo apertado para passageiros com estatura mais alta, fazendo com que as pernas vão um pouco mais dobradas de forma a garantir espaço para a cabeça. Cá atrás o destaque vai para a inclusão de um apoio de braços. Quanto à bagageira, esta pode parecer de pequenas dimensões, mas está em média com a dos seus rivais diretos, apresentando 350L de capacidade.

No que toca ao equipamento, o Mazda CX-3 conta com uma elevada panóplia de elementos de segurança ativa, onde se destaca a nova versão do sistema de travagem automática em cidade, assim como o cruise-control ativo, que passa mesmo a conseguir acompanhar o carro da frente desde parado, elemento que esta nova versão Advance não contava.

Contava sim com Ar Condicionado automático, sensor de luz e chuva, Auto-Hold, espelho electrocromático, vidros traseiros escurecidos e os novos sistemas multimédia Apple CarPlay e Android Auto, algo que faltava no Mazda CX-3 “pré-restyling”, e que chega agora a toda a gama Mazda.

Mas a maior novidade está mesmo sob o capot, com a mudança do anterior motor diesel 1.5 Skyactiv-D, para um novo bloco 1.8 litros de capacidade, que é mais “limpo” e que melhora o prazer de condução seja para quem vai ao volante, ou o conforto para os outros ocupantes.

Desenvolvendo 115cv (+10 que anteriormente, o binário permaneceu em 270Nm), este motor garante consumos baixos, que no nosso ensaio ficaram nos 5,4l/100km. Contudo, foi no capítulo do ruído que a Mazda melhorou face ao anterior propulsor, graças ao uso de uma técnica de combustão rápida Multifase, reduzindo o normal ruído oferecido pelos motores diesel.

Na prática, o motor revela ser ligeiramente mais expedito que anteriormente, o que é confirmado pela ficha técnica, que na medição dos 0-100km/h revela ser 0,3s mais rápido, portanto não são grandes diferenças. Porém, o menor ruído e a agradabilidade dada pela transmissão manual de seis velocidades, tornam este CX-3 um prazer de conduzir, assim como uma direção bem reativa e uma suspensão que pende para a desportividade, podendo mesmo abordar de forma mais agressiva caminhos mais retorcidos.

Por fim, o Mazda CX-3 continua a ser uma das propostas deste segmento que mais se preocupa com quem gosta de conduzir, com uma boa posição de condução e uma dinâmica praticamente igual à de um hatchback. O novo motor diesel, ainda que não seja muito mais potente, nota-se ser mais desenvincilhado graças ao maior bloco, enquanto o consumo permanece baixo.  Este nível de equipamento intermédio Advance faz um bom balanço entre preço e equipamento, ficando abaixo dos 28 mil euros, se equipado com esta motorização diesel.


Mazda CX-3 1.8 Skyactiv-D Advance 

Especificações:
Potência – 116cv às 4000rpm
Binário – 270Nm às 1.600 ~ 2.600rpm
Aceleração dos 0-100 (oficial): 9,9s
Velocidade Máxima (oficial): 184km/h
Consumo Combinado Anunciado (Medido) – 4,4l/100km (5,4l/100km)

Preços:
Mazda CX-3 desde: 26.012€
Preço da versão ensaiada : 26.214€


Carrega nas fotos e vê este Mazda CX-3 em detalhe:

Rodrigo Hernandez Fundador e Director Editorial, criou o MotorO2 em 2012 devido a uma tremenda vontade de escrever acerca da sua grande paixão: os automóveis! Paixão essa que existe mesmo antes de falar, já que a sua primeira palavra foi a de uma conhecida marca de automóveis. Sim, a sério!