Início Notícias Porsche apresenta 718 Cayman GT4 e Boxster Spyder

Porsche apresenta 718 Cayman GT4 e Boxster Spyder

Porsche apresenta 718 Cayman GT4 e Boxster Spyder
0
0

“Contra a corrente”

Três realidades da industria automóvel atualmente: downsizing, turbos e transmissões automáticas. Este novo Porsche 718 Spyder e Cayman GT4 não tem nada disso. A Porsche anda a evitar certos “caminhos” na sua divisão GT, e estes dois novos modelos são prova disso, com os seus motores seis cilindros em linha aspirados e transmissão manual. A Porsche garante assim que os seus condutores terão a experiencia de condução mais pura, com um alto nível de agilidade.

O motor é um 4.0L seis cilindros em linha, criando uma nova família de motores, 9A2 Evo. Para o criar a Porsche pegou no motor que podemos encontrar no novo 911 (991) Carrera e tirou-lhe o turbo, conseguindo, ainda assim, debitar 420cv de potência.

Face à anterior geração, isso corresponde a um aumento de potência de 44cv e 35cv face aos “antigos” Spyder e GT4, respetivamente. O novo motor é também mais rotativo, atingindo o seu limite às 8000rpm, e conseguindo um binário máximo de 420Nm entre as 5000 e as 6800rpm.

Graças a isso, as performances são explosivas, com ambos a conseguirem atingir os 100km/h depois de arrancar em 4,4s e atingirem uma velocidade máxima de 302km/h no GT4, menos 2km/h no Spyder.

Mas nem tudo é potência, já que a Porsche teve uma preocupação com a questão ambiental. Juntamente com um filtro de partículas para reduzir drasticamente as emissões de NOx, a marca alemã também introduziu nos novos GT4 e Spyder, um sistema de controlo de cilindros adaptável, que pode pausar a injeção de combustível em um dos dois bancos de cilindros.

Com isto, a Porsche anuncia uma média de combustível WLTP, de 9,1l/100km de consumo misto, um valor menor que os seus antecessores, ainda para mais tendo sido medidos na antiga norma NEDC. As emissões de CO2, mesmo com todo o cuidado, ficam pelos 249g/km.

No que toca a aerodinâmica, a Porsche afirma ter melhorado de forma drástica a eficiência aerodinâmica do GT4 face ao 718 convencional, criando até 50% mais downforce sem criar um efeito negativo de arrasto. Para isso, desenvolveu um difusor funcional que aumenta a força descendente na traseira em 30%, enquanto a asa traseira fixa é 20% mais eficaz que a antiga. Para se ter um exemplo, a 200km/h, produz até 12kg de força descendente.

O 718 Spyder não é tão “focado”, e por ser um soft-top tem menos hipóteses de ser tão aerodinamicamente focado, contudo, usa um spoiler traseiro que se eleva aos 120km/h e que ajuda nessa vertente. É também o primeiro Boxster a contar com um difusor traseiro que gera downforce.

Desta vez, e não como nas gerações passadas do Spyder e do GT4, ambos os carros apresentam o mesmo chassis GT. Projeto a pensar “na pista”, estes novos modelos contam com suspensões e molas desenvolvidos especificamente, assim como o PASM (Porsche Active Suspension Management) que coloca as suspensões 30mm mais perto do asfalto.

O sistema de estabilidade foi ajustado para ser agora menos intrusivo e conta com vectorização de binário, com bloqueio do diferencial traseiro. Ambos os modelos podem contar com travagem carbocerâmica em opção, assim como a porca central, inspirada na competição.

Os pneus foram especificamente desenvolvidos pela Michelin, e podem equipar tanto o GT4 como o Spyder.

Todas estas alterações, garantem, segundo a Porsche, um tempo em 10 segundos mais rápidos em Nürburgring Nordschleife comparativamente com o seu antecessor.

Quanto ao interior, ainda não se conhece muitos pormenores, mas conseguimos ver que o Cayman GT4 continua com a mesma filosofia de anteriormente, ou seja, pegas das portas substituídas por uma fita, cintos coloridos ou a ausência de sistema multimédia, mas sempre com muita alcantara. O GT4 pode ainda contar com o pack Clubsport, que inclui um rollbar na traseira, extintor debaixo do assento do passageiro e cintos de segurança de seis pontos.

O Spyder, pelo que se pode ver nas fotos é mais convencional no seu interior.

Quanto à sua chegada, ainda não é conhecida uma data exata. Mas o livro de encomendas já abriu!

 

Rodrigo Hernandez Fundador e Director Editorial, criou o MotorO2 em 2012 devido a uma tremenda vontade de escrever acerca da sua grande paixão: os automóveis! Paixão essa que existe mesmo antes de falar, já que a sua primeira palavra foi a de uma conhecida marca de automóveis. Sim, a sério!